Anguttara Nikaya IV.36

Dona Sutta

Dona

Somente para distribuio gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuio gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribudo para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuio ou uso.
De outra forma todos os direitos esto reservados.

 


Certa ocasio, o Abenoado estava caminhando na estrada entre Ukkattha e Setabya, e o brmane Dona tambm estava caminhando na estrada entre Ukkattha e Setabya. O brmane Dona viu as pegadas do Abenoado com rodas com mil raios e cubo, todas completas. Ao v-las, ele pensou, Que maravilhoso! Que admirvel! Essas no so as pegadas de um ser humano!

Ento, o Abenoado, saindo da estrada foi sentar ao p de uma certa rvore, com as pernas cruzadas, mantendo o corpo ereto e estabelecendo a plena ateno sua frente. Ento Dona, seguindo as pegadas do Abenoado o viu sentado ao p da rvore: confiante e inspirando confiana, com os sentidos em paz, com a mente em paz, tendo alcanado a tranqilidade e controle supremos, treinado, protegido, as faculdades dos sentidos controladas, um naga. [1] Ao v-lo, Dona foi at ele e perguntou:

Mestre, voc um deva?

No, brmane, eu no sou um deva.

Voc um gandhabba?

No...

... um yakkha?

No...

... um ser humano?

No, brmane, eu no sou um ser humano. [2]

Quando perguntado Voc um deva?voc responde, No, brmane, eu no sou um deva. Quando perguntado Voc um gandhabba? voc responde, No, brmane, eu no sou um gandhabba. Quando perguntado Voc um yakkha? voc responde, No, brmane, eu no sou um yakkha. Quando perguntado Voc um ser humano? voc responde, No, brmane, eu no sou um ser humano. Ento que tipo de ser voc?

Brmane, aquelas impurezas atravs das quais se elas no tivessem sido abandonadas eu seria um deva: elas foram abandonadas por mim, cortadas pela raiz, feitas como com um tronco de palmeira eliminando-as de tal forma que no estaro mais sujeitas a um futuro surgimento. Aquelas impurezas atravs das quais se elas no tivessem sido abandonadas eu seria um gandhabba ... um yakkha ... um ser humano. Elas foram abandonadas por mim, cortadas pela raiz, feitas como com um tronco de palmeira eliminando-as de tal forma que no estaro mais sujeitas a um futuro surgimento.

Tal como uma flor de ltus vermelha, azul ou branca que nasceu na gua, cresceu na gua, se eleva acima da gua permanece sem ser manchada pela gua, da mesma forma eu que nasci no mundo, cresci no mundo, tendo superado o mundo vivo sem ser manchado pelo mundo. Lembre-se de mim, brmane, como iluminado.

As impurezas atravs das quais eu iria
para o mundo dos devas,
ou tornar-me-ia um gandhabba no cu,
ou iria para o mundo dos yakkhas, ou para o mundo humano:
     essas foram destrudas em mim,
     arruinadas, os seus caules removidos.
Tal como uma flor de ltus azul, alando-se,
sem mculas da gua,
eu no sou maculado pelo mundo,
portanto, brmane,
estou iluminado.

 


Notas:

[1] Naga um termo empregado para descrever um grande ser, como por exemplo um elefante ou uma grande serpente mgica. Os Budistas adotaram esse termo como um epteto para o Buda e para os seus discpulos arahants. [Retorna]

[2] A recusa do Buda em se identificar como um ser humano est relacionada com um ponto que ocorre em todo o Cnone, uma pessoa iluminada no pode ser definida de absolutamente nenhuma forma. Com relao a esse ponto veja tambm o MN 72, SN XXII.85, SN XXII.86. Uma mente que tem apego localizada atravs desse apego, uma mente iluminada no localizada. [Retorna]

>> Prximo Sutta

 

 

Revisado: 26 Maio 2007

Copyright © 2000 - 2021, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flavio Maia: designer.