Acender o Fogo

Por

Venervel Webu Sayadaw

Somente para distribuio gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuio gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribudo para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuio ou uso.
De outra forma todos os direitos esto reservados.

 


 

WEBU SAYADAW: Vocs tomaram os preceitos de virtude, agora pratiquem-nos. Somente quando a sua prtica dos preceitos de virtude (sila) for aperfeioada, vocs podero satisfazer a aspirao pelo Despertar. Tendo se aperfeioado dentro dos preceitos de virtude, vocs devem realizar vrias outras prticas meritrias e essas iro conduz-los ao pinculo e realizao das suas aspiraes.

Os ensinamentos do Buda esto entesourados no Tipitaka. Esses ensinamentos no foram dados pelo Buda apenas para serem pregados e estudados. Vocs so pessoas boas, e devem praticar os ensinamentos com esforo inquebrantvel a partir do momento em que os receberam de forma a escapar deste sofrimento.

No se deixem confundir pelos ensinamentos. No precisamos saber muitas tcnicas, apenas uma, que deveremos compreender com clareza. Se estabelecermos uma tcnica com esforo concentrado e eliminarmos todas as dvidas, ento, sem perguntar a mais ningum, encontraremos as respostas.

Escolha uma tcnica e pratique com tenacidade. Se voc focar a sua mente no pequeno ponto onde o ar toca ao inspirar e expirar, ento no existir a cobia nem a averso, nem a deluso, e com a ausncia delas, voc estar de imediato sem sofrimento.

Assim, por um breve momento a sua mente estar pura. Agora, se nesse instante surgisse o seu ltimo momento de conscincia e voc morresse, haveria alguma coisa com a qual se preocupar ou temer?

Os benefcios que se acumulam desta prtica no duram apenas um breve momento ou por uma vida. Esse breve momento de pureza ir trazer benefcios pelo restante do ciclo de morte e renascimento. E porque voc capaz de realizar isso? Porque o momento correto, a sua forma de existncia correta e voc est colocando o esforo correto.

Os discpulos do Buda receberam essa prtica do Mestre e se empenharam com perseverana resoluta. Assim, eles alcanaram o despertar ao qual aspiravam.

Como eles se empenhavam? Do mesmo modo que um homem que quisesse acender um fogo com um graveto, como nos tempos passados. Ele esfregava dois gravetos um contra o outro e o calor era produzido. Depois de um certo tempo os gravetos produziriam tanto calor que o fogo poderia ser acendido. Portanto, se algum quisesse acender um fogo dessa forma e esfregasse dois gravetos de madeira um contra o outro, ele contaria: Uma esfregada, duas esfregadas, trs esfregadas...?

Discpulo: No, senhor, desse modo no iria funcionar.

Sayadaw: Como ele deveria fazer ento?

D: Ele deveria esfreg-los de forma contnua at obter uma chama.

S: Sim, quando naqueles tempos eles precisavam acender um fogo essa era a nica forma de faz-lo. Eles precisavam esfregar com forte determinao e sem interrupo. Agora, se algum esfregasse dois gravetos de madeira dessa forma, quanto tempo demoraria para acender o fogo?

D: Quando estiver quente o suficiente, o fogo ir comear, senhor.

S: Isso demora muito?

D: No muito tempo, senhor.

S: No, se essa pessoa trabalhar com determinao, no ir demorar muito tempo. exatamente o mesmo com essa nossa prtica. Voc quer fogo. Voc sabe que se esfregar dois gravetos de madeira ir obter fogo. Agora, se voc contar, Uma esfregada, duas esfregadas... ir ficar um pouco quente. E ento voc descansa um pouco. Voc ir acender o fogo?

D: No, senhor.

S: OK, ento voc comea outra vez, uma duas, trs vezes...e mais uma vez o calor produzido. Ento voc se deita novamente para descansar. Voc ir acender o fogo?

D: No, senhor.

S: E se voc continuar agindo assim durante um ms inteiro?

D: No iremos obter fogo.

S: E se voc continuar agindo assim durante todo um ano?

D: Apenas ir esquentar, senhor, mas no haver fogo.

S: Agora, e se voc trabalhasse dessa forma durante cem anos?

D: Apenas ir esquentar, senhor.

S: Nesse caso, esses dois gravetos no contm fogo?

D: Contm fogo, senhor, mas o esforo e a perseverana no so suficientes.

S: o mesmo com a sua tarefa. Vocs tm que trabalhar como a pessoa que quer obter fogo, sem descanso. Em pouco tempo ir ficar quente e depois, sem tardar muito, o fogo ir acender. Somente ento vocs podero usar o fogo como quiserem. Vocs devem todos se esforar para realizar a aspirao pelo despertar. Vocs receberam os ensinamentos do Buda. Agora vocs tm que se empenhar de modo que o seu esforo seja igual ao daqueles sbios do passado que alcanaram o objetivo. Os ensinamentos do Buda so o nico caminho para eliminar o sofrimento, e vocs s podero pratic-los quando um Buda tiver surgido e enquanto os ensinamentos dele estiverem disponveis. Quando os ensinamentos de um Buda no estiverem mais disponveis, vocs no sero capazes de realizar a aspirao de alcanar Nibbana.

Quando um Buda surge no mundo, a conduta correta (carana) e o entendimento (vijja) que conduzem ao fim do sofrimento so expostos. Se voc aproveitar essa oportunidade e coloc-los em prtica, voc se tornar perfeito. A conduta correta tambm pode ser praticada quando os ensinamentos do Buda no estiverem disponveis, mas o insight ou o entendimento no estaro disponveis.

O que exatamente significa conduta correta? Agora que os ensinamentos do Buda esto disponveis, todos vocs, incansavelmente, do aos monges os quatro requisitos de alimento, mantos, moradia e medicamentos. Ao dar, vocs oferecem o melhor que podem. Mas ainda assim vocs no ficam satisfeitos; vocs querem fazer sempre mais. Essa a conduta correta (carana).

Para praticar os ensinamentos do Buda at o ponto em que sejamos capazes de dar fim a todo o sofrimento, temos que estar atentos a um nico objeto de forma contnua, sem trgua ou interrupo. Se estivermos atentos dessa maneira, estaremos praticando o entendimento (vijja).

Praticando ambos em conjunto e com o esforo perfeito, os sbios de antigamente alcanaram o despertar ao qual aspiravam.

Vocs podem pensar, Bem, faremos oferendas para os ensinamentos dando alimentos, vestimentas, moradia e medicamentos para os monges. Para compreender os ensinamentos por ns mesmos teramos que praticar insight. Faremos isso se tivermos algum tempo livre depois de preparar as nossas oferendas. Agora se vocs agirem dessa forma, vocs estaro praticando a conduta correta ou insight?

D: conduta correta, senhor.

S: Se depois de satisfizer as suas obrigaes, vocs mantiverem as mentes focadas com firmeza num nico objeto, o que vocs estaro praticando?

D: Sabedoria, senhor.

S: Ento, o que aconteceu com a conduta correta? Ao focar a ateno num nico objeto, vocs esto praticando a conduta correta?

D: Sim, senhor, neste caso estaremos praticando a conduta correta e o entendimento ao mesmo tempo.

S: Sim, vocs podem pratic-los juntos. Primeiro vocs preparam a refeio e depois vocs meditam. Portanto, precisamos nos aperfeioar nas duas prticas, em conduta correta e entendimento. Mas primeiro vocs praticam apenas a conduta correta e depois apenas o entendimento. No possvel praticar esses emancipveis ensinamentos do Buda de forma simultnea? No possvel estar atento inspirao e expirao mesmo ao preparar comida ou construir um monastrio?

D: possvel, senhor.

S: Como vocs podem ver, assim que os sbios discpulos do Buda costumavam praticar. Eles eram hbeis em aceitar bons conselhos e instrues. Vocs crem que eles poderiam ter pensado, Nossos pais, que so aquilo de mais precioso que temos e para os quais temos uma imensa dvida de gratido, esto ficando velhos. Temos que ficar noite e dia cuidando deles, portanto no podemos meditar?

D: Senhor, alguns devem ter pensado dessa forma.

S: A realizao das responsabilidades para com os pais est compreendida na conduta correta ou no entendimento?

D: conduta correta, senhor.

S: No possvel estar consciente da mentalidade-materialidade (nome e forma) enquanto se cuida dos pais?

D: possvel, senhor.

S: Agora que vocs sabem que os sbios do passado praticavam a conduta correta e o entendimento de forma simultnea, vocs ainda crem ser impossvel praticar o entendimento enquanto cuidam dos seus filhos ou netos? Vocs no so capazes de treinar a mente na ateno sobre a mentalidade-materialidade (nome e forma) ao mesmo tempo em que realizam as suas tarefas? Onde quer que vocs estejam, o que quer que vocs faam, vocs podem praticar a conduta correta e meditao ao mesmo tempo. Quando os seu filhos se portam bem, vocs podem estar atentos inspirao e expirao e quando eles se portam mal e vocs tm que repreend-los vocs tambm podem praticar. Diga-me, o que significa repreender os seus filhos?

D: conduta correta, senhor.

S: Portanto, se vocs praticarem a ateno ao repreend-los, o que estaro praticando?

D: Entendimento, senhor.

S: Se praticarmos a ateno enquanto fizermos o que precisamos fazer, iremos sofrer? Nos custa algo? Perturba o nosso trabalho?

D: No, senhor, se a pessoa age com ateno o trabalho completado com maior rapidez.

S: Se vocs no se permitirem ficar distrados, iro trabalhar com mais rapidez e ganharo mais dinheiro. A sua aspirao por Nibbana tambm ser realizada com mais rapidez. Todos os seres que praticam dessa forma so capazes de realizar as suas aspiraes. No existe um nico instante em que no seja possvel vocs realizarem as suas aspiraes. E o que acontece com aqueles seres humanos, devas e brahmas que no praticam os ensinamentos do Buda embora o momento seja correto? Eles iro realizar as suas aspiraes?

D: Aqueles que no se esforam no realizaro as suas aspiraes, senhor.

S: Porque? porque eles no renasceram no plano de existncia correto ou porque no o momento correto?

D: No, senhor, mas por que sem o esforo nada pode ser alcanado.

S: Talvez eles no tenham parami (perfeies espirituais) suficientes?

D: Talvez alguns no possam compreender os ensinamentos porque no realizaram as suas perfeies o suficiente no passado, senhor.

S: Mas se vocs no se esforarem, mesmo assim podero dizer que no compreendem devido falta de parami?

D: Aqueles que acumularam perfeies no passado podem alcanar os nveis de realizao espiritual at Nibbana ao ouvir os ensinamentos. Mas ns, senhor, como no temos perfeies, ouvimos o Dhamma constantemente mas permanecemos os mesmos.

S: Os sbios de antigamente eram como pessoas sedentas. Eles estavam sedentos e por isso procuraram por gua. E quando a encontraram, o que fizeram? Eles olharam para o cu e disseram, Bem, ns ainda no queremos tomar essa gua? No, eles eram pessoas que estavam realmente sendentas. E quanto a vocs? Vocs receberam os ensinamentos do Buda; vocs beberam esses ensinamentos de imediato?

D: Senhor, ns esperamos e hesitamos.

S: Nesse caso, no verdade que vocs no tenham parami. Se vocs no beberem, a sua sede no ser saciada. O que vocs faro ao descobrirem que esto sentados ao lado do jarro dgua?

D: Como no temos parami suficiente, ficamos apenas ali sentados, senhor.

S: O que vocs fariam se caminhassem para dentro de um lago repleto dgua?

D: Ao entrarmos na gua esticaramos nossos pescoos e voltaramos a cara para o cu, senhor. E se quisssemos mergulhar, senhor, fecharamos a boca com firmeza.

S: Agora, vocs ainda assim continuam dizendo que esto com sede mas que no possuem o entendimento necessrio para serem capazes de beber?

D: Senhor, como no temos o necessrio condicionamento, no abrimos a boca na gua.

S: Se vocs realmente quisessem beber ficariam com a boca fechada?

D: Se algum quisesse realmente beber, no ficaria, claro.

S: Nesse caso vocs esto dizendo, Embora eu queira beber, eu no quero beber! Vocs no esto se contradizendo?

D: como se fingssemos no querer beber, senhor.

S: Ento me digam, se vocs esto sedentos mas aturando isso, vocs se sentem felizes ou infelizes?

D: Infelizes, senhor.

S: E se vocs ficarem infelizes, vocs continuaro sentados ao lado do jarro dgua sem beber?

D: Senhor, ns vemos esse sofrimento como felicidade.

S: O Buda ensinou que essa sede felicidade?

D: No, senhor, ele disse que sofrimento.

S: Agora, diga-me, o que vocs acreditam ser verdade: O que o Buda disse ou aquilo que vocs pensam?

D: Nossa idia de que isso a felicidade est incorreta, senhor.

S: Vocs querem ser felizes ou infelizes?

D: Embora queiramos ser felizes continuamos criando infelicidade para ns mesmos.

S: O que melhor: ouvir o Buda ou no ouvir o Buda?

D: Senhor, sabemos que deveramos seguir os ensinamentos do Buda, mas apesar disso continuamos criando sofrimento para ns mesmos.

S: Nesse caso parece que vocs sabem o que bom para vocs mesmos, mas vocs na verdade so preguiosos.

D: Como nossos parami so fracos, precisamos sofrer devido nossa ignorncia, senhor.

S: Agora, se existe gua e vocs no saciam a sua sede com ela, isso se deve ao fato de vocs no terem aperfeioado os seus parami?

D: Devido falta de parami o poder da ignorncia to avassalador, senhor.

S: Diga-me, o que mais poderoso, entendimento (vijja) ou ignorncia (avijja)?

D: Senhor, o entendimento mais poderoso para os seres humanos.

S: Ento vocs sabem que o entendimento ensinado pelo Buda poderoso.

D: Senhor, sabemos que o entendimento uma coisa boa.

S: Ento, associem-se ao entendimento. Pensando ou no que o poder da ignorncia forte ou outra coisa qualquer...Vocs aprenderam a distinguir entre mentalidade-materialidade (nome e forma). Enquanto estiverem atentos mentalidade-materialidade (nome e forma), como ensinado pelo Buda, a ignorncia ainda prevalece?

D: Enquanto estamos atentos, senhor, no h ignorncia.

S: Agora, vamos nos concentrar no ponto abaixo do nariz, acima do lbio superior com a ateno sobre a mentalidade-materialidade (nome e forma) (nama-rupa) tal como ensinado pelo Buda. Quando ancoramos a nossa ateno dessa forma, a ignorncia consegue permanecer? Se voc procur-la poder encontr-la?

D: Ela ter desaparecido por completo, senhor.

S: Vocs sabem para onde ela foi?

D: Senhor, ela desapareceu completamente.

S: Nesse caso, o poder do entendimento maior ou o da ignorncia que maior?

D: O poder da ignorncia grande, senhor.

S: Como pode ser grande? A pobre saiu correndo to rpido quanto podia; vocs nem conseguem v-la mais.

D: Mas ela volta sempre, senhor.

S: Isso acontece porque vocs permitem que ela volte. Se vocs admitirem apenas o entendimento e a sabedoria, a ignorncia no conseguir regressar. Mas se vocs consentirem que ela volte, ento pouco a pouco o entendimento se dissolver e a ignorncia assumir o controle uma vez mais. como com as lmpadas neste lugar em que estamos. O que necessrio para ligar as luzes?

D: Interruptores, senhor.

S: O que ocorre dentro dos interruptores para que tenhamos luz?

D: A eletricidade flui atravs deles, senhor.

S: O que acontece se o fluxo for interrompido?

D: Ficar escuro, senhor.

S: O que vocs precisam fazer para converter a escurido em claridade?

D: Temos que alimentar os bulbos com eletricidade, senhor.

S: E para onde vai a escurido quando as luzes so acesas?

D: Ela desaparece, senhor.

S: Fica restando algo da escurido?

D: No, senhor.

S: Quando o entendimento brilha, fica restando algo da ignorncia?

D: No, senhor.

S: Nesse caso, o poder da ignorncia grande?

D: No, senhor, no .

S: difcil fazer o que fizemos agora?

D: No muito difcil, senhor.

S: No vemos a realidade quando de sbito surge a luz?

D: Sim vemos, senhor.

S: Vocs ainda sero capazes de errar?

D: No, senhor.

S: to fcil! O que os discpulos do Buda compreenderam? Se vocs quiserem acender a luz, vocs tero que conectar os fios para que a eletricidade flua. Ento, de maneira suave mantenha a sua ateno no objeto da meditao; ela se conectar. Vocs entenderam?

D: Gostaramos de desistir disto, senhor.

S: Concentrem a ateno no objeto. De forma suave. Vocs ficam cansados ao focar a mente dessa forma?

D: No senhor.

S: Isso lhes custa algo?

D: No, senhor.

S: Vocs precisam parar o seu trabalho?

D: No, senhor.

S: Isso no maravilhoso? Vocs podem praticar nas quatro posturas: sentados, em p, andando e deitados. Vocs podem manter o foco no ponto de toque da respirao com a ateno na inspirao e expirao mesmo ao comer, beber e trabalhar?

D: Por favor, senhor, ensine como manter a ateno na respirao enquanto nos movemos e trabalhamos.

S: Vocs conhecem muitas tcnicas distintas, mas vocs no precisam pratic-las todas. Escolham uma e trabalhem com ela. Se vocs mantiverem a mente focada com firmeza num objeto, de imediato vocs tero conscincia daquilo que no tinham antes, como acontece quando vocs vm luz ao ligar o interruptor. Pode ainda haver entendimento incorreto e deluso na suas mentes, enquanto estiverem assim conscientes?

D: No, senhor, mas como no sabemos onde se encontram os interruptores de luz, temos que continuar sentados no escuro.

S: Mas como, se vocs tm tantos interruptores! Qualquer um que vocs ligarem ir acender a luz.

D: Senhor, como h tantos interruptores, eu no sei qual ligar.

S: Qualquer um serve; os resultados sero imediatos.

D: Quando ligo aquele interruptor, senhor, a lmpada queima de imediato. Por isso pensei que fosse o interruptor errado.

S: No ir queimar; ir acender a lmpada. Mesmo que no acenda um dia, quando voc tentar novamente, com certeza acender.

D: Mas eu no sei como ligar o interruptor, senhor.

S: Vocs conhecem os interruptores; um grande nmero de tcnicas lhes foram ensinadas por monges cheios de compaixo. Agora, no tentem todas elas. Selecionem apenas uma.

D: Senhor, por favor ensine essa nica tcnica!

S: Todas as tcnicas ensinadas pelo Buda iro funcionar como interruptor para acender a luz.

D: Gostaramos de aprender uma tcnica atravs da qual pudssemos aperfeioar a nossa conduta e pudssemos ser treinados no entendimento enquanto trabalhamos, andamos ou estivermos sentados, senhor.

S: Bem ento, digam-me, todos vocs, pequenos e grandes, respiram?

D: Sim, senhor.

S: Portanto, no existe aqui ningum que no saiba como respirar. Alguma vez vocs foram capazes de dizer, Desculpe-me, estou muito ocupado agora. No tenho tempo para respirar?

D: No senhor.

S: Ento, respirar muito fcil para vocs, no ? Agora, tentem descobrir por onde sai o ar quando vocs expiram.

D: Ele sai pelo nariz, senhor.

S: Existe algum outro lugar por onde ele saia?

D: No, senhor, existe apenas um lugar.

S: Sim, existe apenas um lugar. Ento no me digam que existem tantos interruptores que vocs no sabem qual deles ligar. Vocs esto todos respirando, no esto? Onde toca o ar quando vocs expiram?

D: Ele toca um ponto na base do nariz, senhor.

S: O que acontece quando o ar entra? Onde ele toca?

D: Ele toca no mesmo ponto, senhor.

S: Portanto, isso bem evidente para vocs: o ar toca num pequeno ponto na base do nariz quando vocs inspiram e expiram. Vocs tm conscincia disso, no mesmo?

D: Sim, senhor.

S: No permitam que a mente perambule em busca de outros objetos. Vocs podem perceber o ponto onde o ar toca como se o estivessem tocando com o dedo? Coloquem a sua ateno ali e mantenham-na ali. No sigam a respirao pelas narinas. Mantenham a ateno com calma e tranqilidade no mesmo ponto e vocs sero capazes de perceber o ar entrando e saindo. O fluxo de ar continuo, no mesmo?

D: Sim, senhor.

S: Vocs podem ter conscincia dele sem a menor interrupo. Se mantiverem a ateno naquele ponto, existir apenas a conscincia das propriedades da mentalidade-materialidade (nome e forma) (nama-rupa). Agora, em qual desses dois se encaixam as narinas, mente ou matria?

D: Senhor, at onde sei, as narinas so matria (rupa).

S: Qual a entidade que conhece a sensao de toque?

D: Senhor, aquilo que conhece a mente (nama).

S: Portanto, vocs esto conscientes da mentalidade-materialidade (nome e forma) ao mesmo tempo. Se vocs tm conscincia da mentalidade-materialidade (nome e forma), existem ainda outras entidades das quais vocs no tenham conscincia?

D: No, senhor, no existe nada alm de mentalidade-materialidade (nome e forma).

S: Estar consciente da mentalidade-materialidade (nome e forma) ignorncia ou entendimento?

D: entendimento, senhor.

S: Se uma pessoa no tem conscincia da mentalidade-materialidade (nome e forma), como denominamos isso?

D: Denominamos isso ignorncia, senhor.

S: A ignorncia poder influenciar-nos at mesmo enquanto estivermos treinando no entendimento?

D: No, senhor, no poder.

S: Ainda existir motivo para preocupao e temor sobre o presente e o futuro?

D: No, senhor, no haver.

S: Mesmo se vocs aplicarem a ateno apenas por um instante, vocs se beneficiaro. Quanto benefcio vocs recebero se puderem manter essa ateno por mais tempo?

D: Devem ser muitos os benefcios, senhor.

S: Haver ainda alguma dvida nas suas mentes quanto capacidade de vocs para atingirem o despertar pelo qual aspiram?

D: No, senhor.

S: Vocs podero alcanar o objetivo ainda mais rpido do que pensavam. claro que vocs ainda tm que cumprir com as suas responsabilidades em relao aos seus mestres, pais e filhos. Vocs tm que apoiar os ensinamentos do Buda. Vocs tm que obter o seu sustento. Se vocs no cumprirem com essas responsabilidades, a virtude de vocs ser perfeita?

D: No ser, senhor.

S: Se a virtude no for perfeita vocs podero alcanar o objetivo?

D: No, senhor, impossvel.

S: Diga-me, quando ou aonde no seria possvel praticar a conduta correta e a meditao ao mesmo tempo?

D: Nunca demasiado difcil, senhor, at mesmo quando se est enfermo.

S: Se os insights se desenvolvem atravs da sua prtica, vocs ainda precisam contar para os outros que vocs se tornaram felizes atravs do Dhamma do Buda?

D: No necessrio contar, senhor.

S: E se vocs no falarem a respeito, isso significa que vocs desconhecem a prpria felicidade?

D: Mesmo se no contarmos para ningum, ainda assim saberemos por ns mesmos, senhor.

S: da mesma maneira que as pessoas nobres sabem. Vocs sabem por si mesmos o quanto conquistaram at agora e quando alcanarem o objetivo, tambm sabero. Se vocs escreverem num pedao de papel que o sal salgado e algum ler isso, ela saber que o sal salgado, no mesmo?

D: claro, senhor.

S: E se vocs contarem para uma pessoa que o sal salgado, ela saber?

D: Com certeza, senhor.

S: Mas diga-me, o sal se tornar salgado s pelo fato de voc escrever ou dizer isso para algum?

D: No, senhor, claro que no.

S: Se vocs lerem que o sal salgado, vocs na verdade sabem que assim?

D: Embora a pessoa compreenda que salgado, ela na verdade no sabe qual o sabor do sal. Somente quando colocarmos um pouco de sal na lngua e o experimentarmos, poderemos saber o que salgado significa.

S: Se vocs tiverem experimentado e souberem que salgado, vocs ainda tero que ler a respeito? Vocs ainda tero que fazer declaraes a respeito do sabor?

D: No, senhor.

S: Se contarmos ao nosso vizinho sobre o sabor, ele compreender?

D: Ele apenas ter ouvido a respeito, senhor.

S: O que precisamos fazer para que ele compreenda?

D: Temos que lhe dar um pouco de sal e fazer com que ele experimente. De outro modo, o que ele souber ser s de ouvir dizer, senhor.

S: Vocs sabem, com certeza, que a conduta correta e o insight e sabedoria constituem o caminho para a libertao do sofrimento?

D: Sim, senhor, ns sabemos.

S: Se vocs lerem que o sal salgado e considerarem que esse conhecimento suficiente, ento nesse ponto que vocs pararo. Mas se quiserem ter certeza, vocs tm que experimentar por si mesmos. suficiente ler que o sal salgado e t-lo confirmado por mim?

D: Senhor, voc no mentiria. Se voc me dissesse que salgado, isso seria o bastante para mim.

S: Agora vocs esto voltando atrs naquilo que disseram antes. Vocs sabem que o sal salgado por ouvir e ler a respeito, mas s se vocs souberem genuinamente por si mesmos que ficaro satisfeitos. Se vocs contarem para algum que o sal salgado e ele aceitar cegamente o que vocs disseram, nesse caso ele no ir nem mesmo sentir desejo de experimentar por ele mesmo.

Afinal, ele pensa que sabe. Com essa noo na mente, ele no ver necessidade de prov-lo. No fcil saber por si mesmo que o sal salgado. O sal existe. Tome-o, prove-o. S ento, vocs sabero isso por si mesmos e no haver necessidade de perguntar aos outros.

D: Senhor, ontem eu provei um pouco de sal.

S: Verdade? Porque s um pouco? O sal acabou?

D: No, senhor, h muito sal.

S: Ento tome-o! No provem apenas um pouco. Usem tanto quanto precisarem. Cada um de vocs tem sal, no tem?

D: Sim, senhor. Ns no comemos at ficarmos saciados, senhor, e ficamos satisfeitos em provar apenas um pouco.

S: Mas claro que vocs no esto pensando em deixar por isso mesmo, esto?

D: Bem, senhor, na verdade no, mas medida que o tempo passa tudo muda. Planejamos algo no ano passado e um ano j passou...

S: Mas desta vez no pensem apenas. Quantos pensadores havia na poca do Buda?

D: Havia tantos quantos gros de areia na praia, senhor.

S: Vocs precisam se esforar mais e meditar. Vocs precisam se esforar mais para compreender os ensinamentos do Buda. Vocs esto planejando fazer isso, no esto? Vocs tambm esto pensando em colocar esforo s nesta vida?

D: Se s pensarmos nisso, senhor, novamente seremos deixados para trs no ciclo de nascimento e morte.

S: Bem, nesse caso ento no h problema. No passado, ns nos perdemos porque s pensvamos em fazer esforo, mas agora compreendemos que existe fogo nos dois gravetos de madeira. Iremos esfreg-los um no outro. Pensando dessa forma, haver esforo e tambm o desejo de enfrentar essa batalha...Vocs j se apossaram dos dois gravetos de madeira? Se eu continuar falando, vocs iro pensar, Esse monge j est falando faz muito tempo. Eu devo parar agora. S por meio do empenho podero conseguir algo, se tiverem o desejo de trabalhar, meditar, trabalhar duro, aplicar-se com o mesmo esforo e determinao dos Nobres de antigamente.

 


 

Fonte: Buddhist Publication Society. Bodhi Leaves BL 122. Traduzido do Birmans por Roger Bischoff

 

Revisado: 19 Outubro 2002

Copyright © 2000 - 2021, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flavio Maia: designer.