I. Compêndio da Consciência (Citta)

 


 

O primeiro capítulo do Abhidhammattha Sangaha é dedicado à análise de citta, consciência, a primeira das quatro realidades últimas. A palavra em Pali citta é derivada da raiz citi, que significa cognição, conhecimento. Os comentários definem citta de três formas: como agente, como instrumento e como atividade. Como agente, citta é aquilo que conhece ou percebe um objeto. Como instrumento, citta é aquilo através do qual os fatores mentais, (cetasikas), que a acompanham conhecem ou percebem um objeto. Como atividade, citta é em si mesma nada mais que o processo de cognição de um objeto. A terceira definição, em relação à pura atividade, é considerada como a mais adequada das três: isto é, citta é fundamentalmente um processo de cognição ou de conhecimento de um objeto. Não existe um agente ou instrumento que possui em si mesmo uma identidade separada do processo de cognição. As definições como agente e como instrumento são para refutar a idéia incorreta daqueles que crêem que um eu ou ego permanente seja o agente ou instrumento da cognição. Aquilo que realiza o ato da cognição não é um eu mas sim a consciência ou citta, e esse ato de cognição é necessariamente impermanente, marcado pelo surgimento e cessação.

Para elucidar a natureza de qualquer realidade última ou fenômeno, os comentários em Pali sugerem quatro dispositivos que são: (1) a sua característica, (lakkhana), isto é, a qualidade que mais se destaca no fenômeno; (2) a sua função, (rasa), a realização de uma tarefa concreta ou de um objetivo; (3) a sua manifestação, (paccupatthana), a forma como o fenômeno se apresenta na experiência; (4) a sua causa mais próxima, (padatthana), a principal condição da qual o fenômeno depende.

No caso de citta, a sua característica é conhecer um objeto, (vijanana). A sua função é ser o precursor dos fatores mentais, (cetasikas), no sentido de que os preside e está sempre acompanhada por eles. A sua manifestação – a forma como se mostra para o meditador – é como um contínuo de processos, (sandhana). A sua causa mais próxima é a mentalidade-materialidade (nome e forma), (nama-rupa), porque a consciência não pode surgir só, com a completa ausência de fatores mentais, (cetasikas), e fenômenos materiais.

Aquilo que normalmente tomamos por consciência é na verdade uma série de cittas, atos momentâneos de consciência, que ocorrem numa sucessão extremamente rápida, que não podem ser detectados pela mente comum.

Classificações da Consciência (Citta)

Existem vários princípios para a classificação de citta.

O primeiro deles toma por base o plano, (bhumi), da consciência. Existem quatro planos da consciência. Três são mundanos: a esfera sensual, a esfera da materialidade sutil e a esfera imaterial; o quarto plano é supramundano. A palavra esfera e plano estão conectadas, porém não têm o mesmo significado. As esferas da consciência são categorias para classificar tipos de cittas, os planos de existência são reinos ou mundos nos quais os seres renascem e nos quais vivem. No entanto uma relação clara existe entre as esferas da consciência e os planos de existência: uma esfera da consciência em particular compreende aqueles tipos de consciência que são típicos do plano de existência correspondente e que freqüentam aquele plano, tendendo a surgir ali com mais freqüência. Contudo, a consciência de uma esfera em particular não está atada ao plano correspondente, e poderá surgir em outros planos de existência também; por exemplo, cittas da esfera da materialidade sutil ou da esfera imaterial podem surgir no plano sensual e cittas da esfera sensual podem surgir nos planos da materialidade sutil ou nos planos imateriais. Mas, apesar disso, a conexão existe no sentido de que a consciência duma esfera é típica do plano que possui o mesmo nome.

Consciência da esfera sensual, (kamavacaracitta): A palavra kama significa ambos, a sensualidade subjetiva, isto é, o desejo por prazeres sensuais, e a sensualidade objetiva, isto é, os cinco objetos sensuais externos – formas visíveis, sons, aromas, sabores e tangíveis. O kamabhumi é o plano da existência sensual que compreende onze reinos – os quatro estados de privação, o reino humano e os seis paraísos sensuais.

Consciência da esfera da materialidade sutil, (rupavacaracitta): a esfera da materialidade sutil é a consciência que corresponde ao plano de existência da materialidade sutil, (rupabhumi), ou a consciência que está ligada aos estados de absorção meditativa conhecido como rupajjhanas. Os rupajjhanas são assim chamados porque em geral são alcançados através da meditação da concentração num objeto material, (rupa), que pode ser uma kasina ou partes do próprio corpo, (por ex: a respiração). Esse objeto se torna a base sobre a qual os jhanas são desenvolvidos. Os estados de consciência exaltados que são alcançados com base nesses objetos são chamados rupavacaracitta, consciência da esfera da materialidade sutil.

Consciência da esfera imaterial, (arupavacaracitta): a esfera imaterial é a consciência que corresponde ao plano de existência imaterial, (arupabhumi), ou a consciência que está ligada às absorções imateriais – os arupajjhanas. Ao meditar para alcançar os estados meditativos desprovidos de forma, que se encontram além dos rupajjhanas, é necessário descartar todos os objetos conectados com a forma material e focar apenas em algum objeto não material, tal como o espaço infinito, etc. Os estados de consciência exaltados que são alcançados com base nesses objetos são chamados arupavacaracitta, consciência da esfera imaterial.

Consciência supramundana, (lokuttaracitta): a palavra lokuttara, supramundana, é derivada de loka=mundo, e uttara=além, transcendente. Podem existir três conceitos de “mundo”: o mundo dos seres vivos, o universo físico e o mundo das formações, isto é, a totalidade dos fenômenos condicionados, materiais e mentais. A noção de mundo relevante neste caso é o mundo das formações, isto é, todos os fenômenos mundanos incluídos como parte dos cinco agregados do apego. Aquilo que transcende o mundo condicionado é o elemento incondicionado, Nibbana. Os tipos de consciência que diretamente alcançam a realização de Nibbana são chamados lokuttaracitta, consciência supramundana. Os outros três tipos são chamados lokiyacitta, consciência mundana.

O segundo princípio de classificação, que desempenha um importante papel na filosofia do Abhidhamma, é descrito de acordo com o tipo ou natureza, (jati), da consciência.

Com relação à sua natureza, a consciência pode ser dividida em quatro classes: insalubre, saudável, resultante e funcional. A consciência insalubre, (prejudicial, inábil, akusalacitta), é a consciência que é acompanhada pelas três raízes insalubres – cobiça, raiva e delusão. Esse tipo de consciência é chamada de insalubre porque ela prejudica a saúde mental, é passível de crítica sob o ponto de vista ético e produz resultados dolorosos. A consciência saudável, (benéfica, hábil, kusalacitta), é a consciência que é acompanhada pelas três raízes saudáveis – não-cobiça ou generosidade, não-raiva ou amor bondade, e não-delusão ou sabedoria. Esse tipo de consciência favorece a saúde mental, não é passível de crítica sob o ponto de vista ético e produz resultados prazerosos.

Tanto as consciências saudáveis como as insalubres produzem kamma, ação volitiva ou intencional. Aquelas cittas ou estados de consciência que surgem através do amadurecimento ou fruto de kamma são chamadas de resultantes, (vipaka). Estas constituem uma terceira classe de citta distinta das duas primeiras, uma classe que compreende tanto os resultados de kamma saudável como insalubre. Deve ser compreendido que ambos os kamma, saudável e insalubre, e os seus resultados, são puramente mentais. Kamma é a ação intencional volitiva associada às cittas saudáveis ou insalubres; os seus resultados ou frutos são outras cittas que vivenciam a maturação de kamma.

A quarta classe de consciência é chamada em Pali de kirya ou kriya, interpretado como ‘funcional.’ Este tipo de consciência não produz kamma, nem é resultado de kamma. Ela envolve atividade, mas essa atividade não é capaz de produzir kamma.

Tanto as consciências resultantes, como as funcionais, não são saudáveis, nem insalubres. Ao invés disso, elas são classificadas como indeterminadas, isto é, estados de consciência que não podem ser determinados com base na dicotomia saudável/insalubre.

A tabela abaixo resume a classificação das cittas de acordo com o seu tipo, ( e são 89 tipos), conforme discutido até agora:

CITTAS MUNDANAS         81

1.Cittas da Esfera Sensual         54

1.1 Cittas Insalubres         12

Com raiz na Cobiça         8

Com raiz na Raiva         2

Com raiz na Delusão         2

1.2 Cittas sem raiz         18

Resultantes – insalubre         7

Resultantes – saudável         8

Resultantes – funcional         3

1.3 Cittas Belas da Esfera Sensual         24

Esfera sensual – saudável         8

Esfera sensual – resultante         8

Esfera sensual – funcional         8

2.Cittas da Esfera da Materialidade Sutil         15

Materialidade Sutil – saudável         5

Materialidade Sutil – resultante         5

Materialidade Sutil – funcional         5

3.Cittas da Esfera Imaterial        12

Esfera Imaterial – saudável         4

Esfera Imaterial – resultante         4

Esfera Imaterial – funcional         4

CITTAS SUPRAMUNDANAS        8

Cittas supramundanas saudáveis         4

Caminho do entrar na correnteza         1

Caminho do retornar uma vez         1

Caminho do não-retorno         1

Caminho do Arahant         1

Cittas supramundanas resultantes <        4

Fruto do entrar na correnteza         1

Fruto do retornar uma vez         1

Fruto do não-retorno         1

Fruto do Arahant         1

 

1.1 Cittas Insalubres (akusalacittani)

Ao analisar as consciências insalubres o Abhidhamma primeiro as classifica de acordo com a sua raiz, (mula, hetu), mais proeminente, quer seja cobiça, (lobha), raiva, (dosa), ou delusão, (moha). De acordo com o Abhidhamma a cobiça e a raiva são mutuamente exclusivas: elas não coexistem na mesma citta. A terceira raiz, delusão, está presente em todos os estados de consciência insalubre. Existem, no entanto, estados de consciência em que apenas a delusão surge sem estar acompanhada de raiva ou cobiça. A tabela abaixo mostra os doze tipos de cittas insalubres:

 

 

Raiz

Sensação

Associada ao/à

Dissociada de

Estimulada

1

Cobiça

Alegria

Entendimento Incorreto

 

Não

2

Cobiça

Alegria

Entendimento Incorreto

 

Sim

3

Cobiça

Alegria

 

Entendimento Incorreto

Não

4

Cobiça

Alegria

 

Entendimento Incorreto

Sim

5

Cobiça

Equanimidade

Entendimento Incorreto

 

Não

6

Cobiça

Equanimidade

Entendimento Incorreto

 

Sim

7

Cobiça

Equanimidade

 

Entendimento Incorreto

Não

8

Cobiça

Equanimidade

 

Entendimento Incorreto

Sim

9

Raiva

Desprazer

Aversão

 

Não

10

Raiva

Desprazer

Aversão

 

Sim

11

Delusão

Equanimidade

Dúvida

 

 

12

Delusão

Equanimidade

Inquietação

 

 

 

(a) Consciência com raiz na Cobiça (lobhamulacittani)

A palavra em Pali, lobha, inclui todas as variações de cobiça, desde a paixão mais intensa e avareza até o apreço e o apego sutil. A consciência com raiz na cobiça está dividida em oito tipos com base em três princípios de dicotomia. O primeiro é a sensação concomitante, (vedana), quer seja uma sensação de alegria ou equanimidade; o segundo é a presença ou ausência do entendimento incorreto; o terceiro é baseado na consideração de se a citta é estimulada ou não estimulada. Da permutação dessas três distinções surgem oito tipos de consciência mostrados na tabela acima.

Acompanhada pela alegria, (somanassasahagata): A palavra somanassa, alegria, é derivada de su=prazeroso e manas=mente; significando assim, literalmente, um estado mental prazeroso. Toda consciência é acompanhada por algum tipo de sensação que pode ser corporal ou mental; prazerosa, dolorosa ou neutra. Somanassa é uma sensação mental, ao invés de corporal, e é prazerosa, ao invés de dolorosa ou neutra. Equanimidade, (upekha), neste caso quer dizer uma sensação neutra, uma sensação mental que não se inclina nem para a alegria, nem para a dor.

Associada ao entendimento incorreto, (ditthigatasampayutta): A palavra ditthi quer dizer entendimento e se não estiver acompanhada do prefixo samma, (correto), em geral se refere ao entendimento incorreto. O entendimento incorreto acompanha a consciência com raiz na cobiça sob a forma de idéias, crenças, convicções, opiniões, racionalizações. O entendimento incorreto, do qual a consciência surge, pode reforçar o apego provendo a consciência de uma justificativa racional, ou o entendimento em si pode ser um objeto de apego. Quando a consciência está dissociada do entendimento incorreto significa que ela está desacompanhada de qualquer justificativa proporcionada pelo entendimento incorreto.

Estimulada, (sankharika): ou instigada, induzida, a partir do exterior ou do interior. O estímulo pode ser corporal, verbal ou puramente mental.

(b) Consciência com raiz na Raiva (dosamulacittani)

Existem dois tipos de consciência nesta classe, distinguidas como estimuladas ou não estimuladas. As consciências com raiz na raiva surgem apenas com a sensação de desprazer, (domanassa), uma sensação mental desagradável. Essa sensação acompanha apenas a consciência com raiz na raiva. Ao contrário da consciência com raiz na cobiça, a consciência com raiz na raiva não surge associada ao entendimento incorreto. Embora o entendimento incorreto possa motivar atos com base na raiva, de acordo com o Abhidhamma, o entendimento incorreto não surge simultaneamente com a raiva, na mesma citta, mas antes, num tipo diferente de citta. A consciência com raiz na raiva está associada à aversão, (patigha). Patigha inclui todas as graduações de aversão, do ódio violento até a sutil irritação. Patigha significa em termos literais “golpear contra,” indicando um atitude mental de resistência, rejeição ou destruição.

Embora o desprazer e a aversão estejam sempre juntos, as suas qualidades devem ser distinguidas. O desprazer é a experiência de uma sensação desagradável, a aversão é a atitude mental de má vontade ou irritação. Em relação aos cinco agregados, o desprazer é incluído no agregado da sensação, (vedanakkhandha), enquanto que a aversão é incluída no agregado das formações mentais, (sankharakkhandha).

(c) Consciência com raiz na delusão (mohamulacitta)

Esta última classe de consciência insalubre compreende aquelas cittas nas quais as outras duas raízes – cobiça e raiva estão ausentes. Somente a delusão está presente. Este tipo de consciência está sempre acompanhada pela equanimidade, por isso uma sensação mental agradável ou desagradável não surge em relação a um objeto. Existem dois tipos de consciência nesta classe, uma associada à dúvida, (perplexidade, ceticismo, indecisão), e a outra associada à inquietação, (distração mental, agitação).

De acordo com o Abhidhamma, a inquietação é encontrada em todos os doze tipos de consciência insalubre mas nas primeiras onze cittas a sua força é relativamente mais fraca e a sua função é secundária. Já neste último tipo de citta a inquietação se torna um fator preponderante.

Exemplos:

Os oito tipos de consciências com raiz na cobiça podem ser exemplificados da seguinte forma, (de acordo com a numeração da tabela acima):

1           Com alegria, um menino, com a idéia de que não existe mal em roubar, rouba espontaneamente uma maçã de uma feira.
2           Com alegria, um menino, tendo a mesma idéia, rouba uma maçã estimulado por um amigo.
3-4        Igual a 1 e 2, exceto pelo fato de que o menino não tem nenhuma idéia e age por impulso.
5-8        Estas quatro são semelhantes a 1-4, exceto pelo fato de que o roubo é cometido com uma sensação neutra.

Os dois tipos de consciências com raiz na raiva podem ser exemplificados da seguinte forma:

9           Com raiva um homem assassina um outro num ataque espontâneo de ódio.
10        Com raiva um homem assassina um outro depois de ter premeditado.

Os dois tipos de consciências com raiz na delusão podem ser exemplificados da seguinte forma:

11        Uma pessoa, devido à delusão, duvida da iluminação do Buda ou da eficácia do Dhamma.
12        Uma pessoa é tão distraída que não é capaz de focar a mente em qualquer objeto.

1.2 Cittas sem Raiz (ahetukacittani)

A palavra ahetuka significa sem raiz e caracteriza aqueles tipos de consciência que estão desprovidos dos fatores mentais chamados hetu, raízes. Esses tipos, dezoito no total, não contêm nenhuma das três raízes insalubres – cobiça, raiva e delusão, nem contêm nenhuma das raízes saudáveis – não-cobiça, não-raiva e não-delusão. Como a raiz é um fator que ajuda a determinar a estabilidade numa citta, as cittas que não possuem raiz são mais fracas do que aquelas que as possuem. As cittas desta classe se classificam em três grupos: resultantes insalubres, resultantes saudáveis e funcionais. A tabela abaixo mostra os dezoito tipos de cittas sem raiz:

 

 

Tipo

Sensação

Citta

1

Resultante – Insalubre

Equanimidade

Consciência no olho

2

Resultante – Insalubre

Equanimidade

Consciência no ouvido

3

Resultante – Insalubre

Equanimidade

Consciência no nariz

4

Resultante – Insalubre

Equanimidade

Consciência na língua

5

Resultante – Insalubre

Dor

Consciência no corpo

6

Resultante – Insalubre

Equanimidade

Receptora

7

Resultante – Insalubre

Equanimidade

Investigadora

8

Resultante - Saudável

Equanimidade

Consciência no olho

9

Resultante – Saudável

Equanimidade

Consciência no ouvido

10

Resultante – Saudável

Equanimidade

Consciência no nariz

11

Resultante – Saudável

Equanimidade

Consciência na língua

12

Resultante – Saudável

Prazer

Consciência no corpo

13

Resultante – Saudável

Equanimidade

Receptora

14

Resultante – Saudável

Alegria

Investigadora

15

Resultante - Saudável

Equanimidade

Investigadora

16

Funcional

Equanimidade

Advertência das Cinco Portas

17

Funcional

Equanimidade

Advertência da Mente

18

Funcional

Alegria

Produtora de Sorriso

 

(a) Consciência resultante insalubre (akusalavipakacittani)

Compreende sete tipos de consciência que resultam de kamma insalubre. Esses tipos de consciência não são insalubres em si, trata-se de consciências resultantes produzidas por kamma insalubre; a palavra insalubre qualifica não esses estados de consciência em si, mas o kamma do qual elas nasceram.

Consciência no olho (cakkhuviññana): Os primeiros cinco tipos de consciência resultante, em ambas as classes, insalubres e saudáveis, são aqueles baseados na matéria sensível, (pasada), do olho, ouvido, nariz, língua e corpo. Esse tipo de consciência surge com base no fenômeno sensitivo de cada órgão do sentido, (veja o III. Compêndio da Matéria – Fenômenos Sensitivos para mais detalhes). A sua função é a simples cognição dos seus respectivos objetos. No caso de resultantes insalubres, os objetos são desagradáveis ou indesejados. No entanto, o impacto do objeto nos primeiros quatro sentidos é fraco, então a sensação associada é neutra, isto é, equanimidade. Mas no caso da consciência resultante insalubre no corpo, o impacto do objeto na faculdade do corpo é forte e dessa forma a sensação associada é dolorosa.

Consciência Receptora (sampaticchanacitta): Quando um objeto sensual causa um impacto ou colide com uma faculdade do sentido numa das cinco portas dos sentidos, exemplo, uma forma visível no olho, primeiro surge uma citta que adverte para o objeto. Imediatamente depois disso, surge a consciência no olho que vê o objeto. Esse ato de ver dura apenas um momento mental. Imediatamente em seguida, surge uma citta que compreende ou “recebe” o objeto que foi visto pela consciência no olho. Essa é a consciência receptora que resulta do mesmo tipo de kamma que produziu a consciência no olho.

Consciência Investigadora (santiranacitta): Esta consciência surge imediatamente após a consciência receptora. A sua função é investigar ou examinar o objeto. Esta consciência, bem como a consciência receptora, surge apenas nos cinco meios dos sentidos e ambas são resultado de kamma passado.

(b) Consciência resultante saudável (kusalavipaka-ahetukacittani)

Compreende oito tipos de consciência que resultam de kamma saudável.

(c) Consciência funcional (ahetukakiriya-cittani)

Este tipo de consciência não é resultado de kamma. Elas realizam tarefas que não possuem potencial para gerar kamma. São, portanto, tipos de consciência que não são nem resultado de kamma, nem produzem kamma.

Advertência nas cinco portas (pancadvaravajjanacitta): Quando um objeto sensual causa impacto ou colide com uma faculdade do sentido numa das cinco portas dos sentidos, antes que a consciência apropriada possa surgir, por exemplo a consciência no olho que vê uma forma visível, uma outra consciência precisa ter surgido primeiro. Essa consciência é a advertência nas cinco portas, que possui a função de advertir, avisar, fazer observar o objeto que esteja se apresentando numa das cinco portas dos sentidos.

Advertência na mente (manodvaravajjanacitta): Este tipo de consciência pode surgir ou num processo cognitivo que esteja ocorrendo nas cinco portas dos sentidos, ou num processo que esteja ocorrendo na porta da mente. Em cada caso a sua função é distinta. Quando ocorre nas cinco portas é denominada consciência determinante. A sua função é determinar ou definir o objeto que foi percebido pela consciência nos sentidos. A consciência determinante vem em seguida à consciência investigadora. Depois que a consciência investigadora examinou o objeto, a consciência determinante o discrimina. Quando na porta da mente, este tipo de consciência desempenha a função de advertência para o objeto que está surgindo na porta da mente.

Nota: Depois de estudar o IV. Compêndio dos Processos Cognitivos, as descrições das consciências resultantes e funcionais ficarão mais claras.

1.3 Cittas Belas (sobhanacittani)

Esses tipos de consciências são denominadas de belas porque estão acompanhadas de fatores mentais, (cetasikas), belos. (Veja o II. Compêndio dos Fatores Mentais – Fatores Belos). Deve ser entendido que o belo, (sobhana), possui uma extensão mais ampla do que o saudável, (kusala). O belo inclui todas as cittas saudáveis, e também inclui as cittas resultantes e funcionais que possuem fatores mentais belos. Além das cittas da esfera sensual, (24 no total), as cittas belas compreendem também todas as cittas da esfera da matéria sutil, da esfera imaterial e supramundanas.

(a) Cittas saudáveis da esfera sensual (kamavacara-kusalacittani)

A tabela abaixo mostra os oito tipos de cittas saudáveis da esfera sensual:

 

 

Sensação

Conhecimento

Estimulada

1

Alegria

Associada ao

Não

2

Alegria

Associada ao

Sim

3

Alegria

Dissociada do

Não

4

Alegria

Dissociada do

Sim

5

Equanimidade

Associada ao

Não

6

Equanimidade

Associada ao

Sim

7

Equanimidade

Dissociada do

Não

8

Equanimidade

Dissociada do

Sim

 

As cittas saudáveis da esfera sensual estão divididas em oito tipos com base em três princípios de dicotomia. O primeiro princípio é a sensação concomitante, que em quatro casos é alegria, (somanassa), isto é, uma sensação mental prazerosa; e nos outros quatro casos é a equanimidade, (upekha), isto é, uma sensação mental neutra; o segundo é a presença ou ausência de conhecimento; e o terceiro é baseado na consideração de se a citta é estimulada ou não estimulada.

Associada ao conhecimento, (ñanasampayutta): o conhecimento significa ver as coisas como elas na verdade são. Na consciência associada ao conhecimento, a palavra ñana se refere ao fator mental da sabedoria, (pañña-cetasika), que também representa a raiz da não-delusão, (amoha). A consciência dissociada do conhecimento não contém o fator da sabedoria, mas ela não envolve a ignorância, (avijja), ou a delusão, (moha), que estão presentes somente nas cittas insalubres.

Estimulada, (sankharika): ou instigada, induzida, a partir do exterior ou do interior. O estímulo pode ser corporal, verbal ou puramente mental.

Com raízes, (sahetuka): As quatro cittas saudáveis associadas ao conhecimento possuem todas as três raízes saudáveis; as quatro dissociadas do conhecimento possuem como raízes a não-cobiça ou generosidade e a não-raiva ou amor bondade, mas lhes falta a não-delusão.

Exemplos:

Os oito tipos de consciências saudáveis da esfera sensual podem ser exemplificados da seguinte forma, (de acordo com a numeração da tabela acima):

1           Alguém com alegria pratica um ato generoso, compreendendo que isso é uma ação saudável, de modo espontâneo sem ser estimulado.

2           Alguém realiza a mesma boa ação, com compreensão, depois de deliberação ou estímulo de alguém.

3           Alguém com alegria pratica um ato generoso, sem ser estimulado, mas sem a compreensão de que essa é uma ação saudável.

4           Alguém com alegria pratica um ato generoso, sem compreensão, depois de deliberação ou estímulo de alguém.

5-8         Esses tipos de consciência seguem os exemplos acima, mas com uma sensação neutra no lugar da alegria.

Esses oito tipos de consciência são denominados saudáveis porque elas inibem as contaminações e produzem bons resultados. Elas surgem em seres mundanos, (puthujjana), e seres em treinamento, (sekha), – nobres discípulos nos três primeiros estágios do caminho espiritual – sempre que eles praticarem ações corporais e verbais saudáveis e sempre que gerarem estados mentais saudáveis relacionados com a esfera sensual. Essas cittas não surgem em arahants, cujas ações estão desprovidas de potencial de kamma.

Os demais tipos de cittas da esfera mundana, (materialidade sutil e imaterial), bem como as cittas supramundanas, não serão discutidas neste trabalho.

 

Introdução >> II. Compêndio dos Fatores Mentais (Cetasika)


Revisado: 29 Março 2003

Copyright © 2000 - 2018, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.