Sutta Nipata IV.11

Kalaha-vivada Sutta

Brigas e Disputas

Somente para distribuio gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuio gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribudo para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuio ou uso.
De outra forma todos os direitos esto reservados.

 


Do que surgem brigas e disputas, lamentaes e tristeza, junto com egosmo, presuno e arrogncia, junto com difamao? De onde surgem essas vrias coisas? Por favor me diga.

Daquilo que querido, das preferncias que surgem as brigas e disputas, lamentaes e tristeza, junto com egosmo, presuno e arrogncia, junto com difamao. As brigas e disputas esto ligadas com o egosmo, e a difamao nasce das disputas.

Qual a causa das coisas queridas, das preferncias no mundo, junto com as cobias que predominam no mundo? E qual a causa para as esperanas e realizaes com respeito vida futura da pessoa?

Desejos so a causa daquilo que querido, das preferncias no mundo, e tambm das cobias que predominam no mundo. Esses so as causas das esperanas e realizaes com respeito vida futura da pessoa.

Agora qual a causa para o desejo no mundo? Qual a causa para o surgimento dos julgamentos[1]; da raiva, mentiras, dvidas e todos os demais estados semelhantes que foram descritos pelo Abenoado?

Aquilo que no mundo chamado atrativo e no atrativo: com base nisso surge o desejo. Tendo visto o surgimento e desaparecimento das formas no mundo algum faz os seus julgamentos no mundo. [2] A raiva, mentiras e dvidas, esses estados apenas surgem devido existncia dessa dualidade. [3] Aquele que tem dvida deveria treinar no caminho do conhecimento para compreender esses estados.

Qual a causa para considerar as coisas como atrativas ou no atrativas? O que estando ausente faz com que esses estados no estejam presentes? Qual o significado de surgimento e desaparecimento? Diga me qual a sua causa.

O contato a causa para o atrativo e no atrativo. Quando o contato est ausente, esses estados no esto presentes. A idia de surgimento e desaparecimento originada disso, eu digo.

Qual a causa do contato? Do que surge tanto apego? Com a ausncia do que no h posse? Com o desaparecimento do que o contato no experimentado?

Condicionado pela mentalidade-materialidade (nome e forma) surge o contato. O apego tem a sua causa na querena. Sem a presena desta no h posse. Com o desaparecimento das formas o contato no experimentado.

Para quem cessam as formas? Como cessam o prazer e a dor? Diga-me como cessam. Meu corao anseia saber como cessam.

H um estado no qual as formas cessam de exisitir, um estado no qual no h a percepo comum nem a percepo anormal[4]; nesse estado no h percepo ou a percepo das formas est suspensa [5] assim as formas cessam. [6] A percepo deveras a causa de toda proliferao no mundo.[7]

Aquilo que perguntamos, voc respondeu. Agora perguntamos outra questo. Por favor nos diga. Alguns dos sbios no declaram a purificao do esprito [8] como sendo o estado mais sublime a ser alcanado? E outros no dizem que algo distinto o mais sublime?[9]

Alguns dos sbios declaram que a purificao do esprito a mais sublime. Mas em oposio a eles alguns ensinam uma doutrina de aniquilao. Esses sabiches declaram ser essa a libertao final sem restar nenhum apego. Sabendo que esses teorizantes se baseiam apenas em meras opinies para afirmar isso, um sbio investiga aquilo do qual eles dependem.[10] Tendo compreendido e estando libertado (das teorias) ele no disputa com ningum. Ele no experimenta a existncia e a no existncia: ele est iluminado.

 


 

Notas:

[1] Julgamentos ou avaliaes das coisas motivadas pelo desejo por elas, ou pelas idias ou opinies que elas so desejveis ou no. [Retorna]

[2] O surgimento do atrativo e o desaparecimento do no atrativo so julgados como bom. O surgimento do no atrativo e o desaparecimento do atrativo so julgados como ruim. [Retorna]

[3] Isto do atrativo e no atrativo. [Retorna]

[4] Ele no insano nem perturbado mentalmente. [Retorna]

[5] Ele alcanou o estado de cessao da percepo e sensao (saa-vedayita nirodha) ou as realizaes imateriais (arupajjhana). No primeiro caso a percepo cessa por completo, mas no ultimo a percepo de um objeto imaterial ainda est presente. [Retorna]

[6] De acordo com o comentrio o que resta depois dessas quatro negaes o estado daquele que alcanou o jhana mais elevado e est no processo de alcanar a primeira realizao imaterial. Isto responde pergunta Para quem desaparece a (percepo da) materialidade (forma)? E quanto ao prazer e a dor foi mencionado antes que estes tm como causa o contato, em outras palavras, a percepo das formas, desta forma a segunda questo tambm est respondida. [Retorna]

[7] Proliferaes mentais (papaca-sankha): A tendncia da mente de criar distines e diferenciaes at mesmo nas experincias mais banais no presente, dando dessa forma origem a idias que resultam em conflito. Tal como indicado no Snp IV.14, a causa dessas classificaes a percepo, Eu sou o pensador. Veja tambm a nota 1 desse discurso e o MN 18. [Retorna]

[8] Neste caso a palavra esprito (yakkha) equivalente a ser ou pessoa. [Retorna]

[9] Uma interpretao alternativa desta sentena poderia ser: Alguns dos sbios no declaram as realizaes imateriais como o estado mais sublime, como a purificao de um ser? [Retorna]

[10] Em outras palavras, o sbio compreende que ambos grupos mencionados antes recorrem ao seu conhecimento para mensurar o objetivo, sem compreender a dependncia ainda latente no seu conhecimento. Os sbios do primeiro grupo confundem a experincia da nem percepo, nem no percepo, como sendo o objetivo, e assim eles ainda dependem desse estado de concentrao. Os sbios do segundo grupo, pelo fato de reivindicarem serem expertos, mostram que ainda h uma presuno latente na sua suposta experincia de iluminao, e dessa forma no esto totalmente libertados do apego. Ambos grupos ainda sustentam o conceito de um esprito que purificado na realizao da purificao. Uma vez que essas dependncias sejam compreendidas, ele se liberta das disputas e dos estados de ser/existir e no ser/existir. desse modo que o conhecimento um meio para atingir o objetivo, mas o objetivo em si no definido em termos de conhecimentos. [Retorna]

>> Prximo Sutta

 

 

Revisado: 13 Maio 2006

Copyright © 2000 - 2021, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flavio Maia: designer.