Samyutta Nikaya XXII.1

Nakulapita Sutta

Para Nakulapita

Somente para distribuio gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuio gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribudo para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuio ou uso.
De outra forma todos os direitos esto reservados.

 


Ouvi que em certa ocasio o Abenoado estava entre os Bhaggas, em Sumsumaragira, no Bosque de Bhesakala, no Parque do Gamo. Ento, o chefe de famlia Nakulapita foi at o Abenoado e depois de cumpriment-lo sentou a um lado e disse:

Senhor, eu sou um homem velho, envelhecido, com a idade avanada, pressionado pelos anos, avanado na vida, chegando ao ltimo estgio. Eu sou atormentado pelo corpo e sofro com cada momento. E muito raramente eu vejo o Abenoado e os bhikkhus que nutrem o corao. Possa o Abenoado ensinar-me, possa o Abenoado instruir-me, para o meu bem-estar e felicidade por muito tempo.

Assim , chefe de famlia. Assim . O corpo sofrimento, fraco e atormentado. Se qualquer um que com esse corpo declarasse, por um momento que seja, ter verdadeira sade, a que outra razo deveramos atribuir isso, seno tolice? Portanto, chefe de famlia, assim voc deve praticar: Mesmo que eu sofra no meu corpo, minha mente no sofrer. Assim como voc deve praticar.

Ento, o chefe de famlia Nakulapita, satisfeito e contente com as palavras do Abenoado, levantou-se do seu assento e depois de homenagear o Abenoado, mantendo-o sua direita, partiu. Ele ento foi at o Ven. Sariputta e depois de cumpriment-lo sentou a um lado e o Ven. Sariputta disse o seguinte:

Suas faculdades esto serenas, chefe de famlia, sua complexo est pura e brilhante. Voc teve a oportunidade de ouvir hoje um discurso do Dhamma na presena do Abenoado?

Como poderia ser de outra forma, venervel senhor? Eu acabo de receber do Abenoado a ambrosia de um discurso do Dhamma.

E como voc recebeu do Abenoado a ambrosia de um discurso do Dhamma.?

Agora mesmo fui at o Abenoado e depois de cumpriment-lo sentei a um lado e disse:

Senhor, eu sou um homem velho, envelhecido, com a idade avanada, pressionado pelos anos, avanado na vida, chegando ao ltimo estgio. Eu sou atormentado pelo corpo e sofro com cada momento. E muito raramente eu vejo o Abenoado e os bhikkhus que nutrem o corao. Possa o Abenoado ensinar-me, possa o Abenoado instruir-me, para o meu bem-estar e felicidade por muito tempo.

Quando isto foi dito, o Abenoado disse: Assim , chefe de famlia. Assim . O corpo sofrimento, fraco e atormentado. Se qualquer um que com esse corpo declarasse, por um momento que seja, ter verdadeira sade, a que outra razo deveramos atribuir isso, seno tolice? Portanto, chefe de famlia, assim voc deve praticar: Mesmo que eu sofra no meu corpo, minha mente no sofrer. Assim como voc deve praticar. Assim como recebi do Abenoado a ambrosia de um discurso do Dhamma.

Mas, porque no lhe ocorreu questionar mais o Abenoado: De que forma algum sofre no corpo e sofre na mente? E de que forma algum sofre no corpo, porm no sofre na mente?

Eu viria de uma grande distncia para ouvir a explicao dessas palavras na presena do Ven. Sariputta. Seria bom se o prprio Ven. Sariputta me esclarecesse isso.

"Ento, nesse caso, chefe de famlia, oua e preste muita ateno quilo que eu vou dizer. - Sim, venervel senhor, o chefe de famlia Nakulapita respondeu. O Ven. Sariputta disse o seguinte:

Como, chefe de famlia, algum sofre no corpo e sofre na mente? o caso em que uma pessoa comum sem instruo que no respeita os nobres, que no proficiente nem disciplinada no Dhamma deles, que no respeita os homens verdadeiros, que no proficiente nem disciplinada no Dhamma deles, supe que a forma o eu, ou o eu possudo de forma, ou a forma como estando no eu, ou o eu como estando na forma. Ela est obcecada com a idia de que Eu sou a forma ou A forma minha. Enquanto ela est obcecada com essas idias, sua forma muda e se altera. Com a mudana e alterao da forma, surgem nela a tristeza, lamentao, dor, angstia e desespero.

Ela supe que a sensao o eu, ou o eu possudo de sensao, ou a sensao como estando no eu, ou o eu como estando na sensao. Ela est obcecada com a idia de que Eu sou a sensao ou A sensao minha. Enquanto ela est obcecada com essas idias, sua sensao muda e se altera. Com a mudana e alterao da sensao, surgem nela a tristeza, lamentao, dor, angstia e desespero.

Ela supe que a percepo o eu, ou o eu possudo de percepo, ou a percepo como estando no eu, ou o eu como estando na percepo. Ela est obcecada com a idia de que Eu sou a percepo ou A percepo minha. Enquanto ela est obcecada com essas idias, sua percepo muda e se altera. Com a mudana e alterao da percepo, surgem nela a tristeza, lamentao, dor, angstia e desespero.

Ela supe que as formaes volitivas so o eu, ou o eu possudo de formaes volitivas, ou as formaes volitivas como estando no eu, ou o eu como estando nas formaes volitivas. Ela est obcecada com a idia de que Eu sou as formaes volitivas ou As formaes volitivas so minhas. Enquanto ela est obcecada com essas idias, suas formaes volitivas mudam e se alteram. Com a mudana e alterao das formaes volitivas surgem nela a tristeza, lamentao, dor, angstia e desespero.

"Ela supe que a conscincia o eu, ou o eu possudo de conscincia, ou a conscincia como estando no eu, ou o eu como estando na conscincia. Ela est obcecada com a idia de que Eu sou a conscincia ou A conscincia minha. Enquanto ela est obcecada com essas idias, sua conscincia muda e se altera. Com a mudana e alterao da conscincia surgem nela a tristeza, lamentao, dor, angstia e desespero.

Assim, chefe de famlia, como algum sofre no corpo e na mente.

E como que algum sofre no corpo, porm no sofre na mente? o caso em que um nobre discpulo bem instrudo que respeita os nobres, que proficiente e disciplinado no Dhamma deles, que respeita os homens verdadeiros, que proficiente e disciplinado no Dhamma deles no supe que forma o eu, ou o eu possudo de forma, ou a forma como estando no eu, ou o eu como estando na forma. Ele no est obcecado com a idia de que Eu sou a forma ou A forma minha. Enquanto ele no est obcecado com essas idias, sua forma muda e se altera. Com a mudana e alterao da forma no surgem nele a tristeza, lamentao, dor, angstia e desespero.

Ele no supe que a sensao o eu...

Ele no supe que a percepo o eu...

Ele no supe que as formaes volitivas so o eu...

Ele no supe que a conscincia o eu, ou o eu possuido de conscincia, ou a conscincia como estando no eu, ou o eu como estando na conscincia. Ele no est obcecado com a idia de que 'Eu sou a conscincia' ou 'A conscincia minha.' Enquanto ele no est obcecado com essas idias, sua conscincia muda e se altera. Com a mudana e alterao da conscincia no surgem nele a tristeza, lamentao, dor, angstia e desespero.

Assim, chefe de famlia, como algum sofre no corpo, porm no sofre na mente.

Isso foi o que o disse o Ven. Sariputta. O chefe de famlia Nakulapita ficou satisfeito e contente com as palavras do Ven. Sariputta.

>> Prximo Sutta

 

 

Revisado: 21 Dezembro 2006

Copyright © 2000 - 2021, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flavio Maia: designer.