A tica Sexual no Budismo

Por

Ajaan Brahmavamso

Somente para distribuio gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuio gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribudo para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuio ou uso.
De outra forma todos os direitos esto reservados.

 


 

O Budismo significa muitas coisas para muitas pessoas. Para alguns, oferece conselhos sbios e compassivos sobre a forma de diminuir o sofrimento na moderna vida laica. Para outros, o caminho para a Iluminao, que d um fim a todo o sofrimento. O Budismo que conduz iluminao um tanto diferente, como ser mostrado a seguir. O lugar da sexualidade no Budismo expresso de maneira bastante clara no Primeiro Discurso do Buda, em que o Grande Mestre proclamou o famoso Caminho do Meio:

'A pessoa no deve buscar os prazeres sensuais que so baixos, vulgares, grosseiros, ignbeis e que no trazem benefcio; e a pessoa no deve buscar a mortificao que dolorosa, ignbil e que no traz benefcio. Assim foi dito. E com referncia a que foi dito isso?"

"A busca do prazer, cuja satisfao est vinculada aos desejos sensuais - baixos, vulgares, grosseiros, ignbeis e que no trazem benefcio um estado atormentado pelo sofrimento, aflio, desespero e febre e o caminho errado. Desengajar-se da busca do prazer, cuja satisfao est vinculada aos desejos sensuais - baixos, vulgares, grosseiros, ignbeis e que no trazem benefcio um estado sem sofrimento, aflio, desespero e febre e o caminho correto."

"A busca da mortificao - dolorosa, ignbil e que no traz benefcio - um estado atormentado pelo sofrimento, aflio, desespero e febre e o caminho errado. Desengajar-se da busca da mortificao - dolorosa, ignbil e que no traz benefcio um estado sem sofrimento, aflio, desespero e febre e o caminho correto."

"O Caminho do Meio descoberto pelo Tathagata evita ambos os extremos; proporcionando viso, proporcionando conhecimento, conduzindo paz, ao conhecimento direto, iluminao, a Nibbana."

Aranavibhanga Sutta

A declarao do Buda que a busca dos prazeres sensuais, que incluem o sexo, est fora do Caminho do Meio reforada muitas vezes no Sutta Pitaka. Por exemplo, no Latukikopama Sutta o Buda declara:

Agora, Udayin, o prazer e a alegria que surge na dependncia desses cinco elementos do prazer sensual chamado de prazer sensual um prazer baixo, um prazer grosseiro, um prazer ignbil. Eu digo desse tipo de prazer que no deve ser buscado, no deve ser desenvolvido, no deve ser cultivado e que deve ser temido ... (enquanto que o prazer dos quatro jhanas) ... Isto chamado de felicidade da renncia, a felicidade do afastamento, a felicidade da paz, a felicidade da iluminao. Eu digo desse tipo de prazer que ele deve ser buscado, deve ser desenvolvido, deve ser cultivado e que no deve ser temido."

Mesmo na poca do Buda, algumas pessoas confusas saam dizendo que a prtica sexual no era um obstculo para a Iluminao. O Buda repreendeu fortemente essa idia no bem conhecido Alagaddupama Sutta, comparando a compreenso errada dos ensinamentos a um homem que por estupidez agarra uma cobra venenosa pela cauda, e sofre de acordo:

"Homem tolo, em muitos discursos eu no declarei como as coisas obstrutivas so obstrues, e como elas so capazes de obstruir quem se ocupa com elas? Eu declarei que os prazeres sensuais proporcionam pouca gratificao, muito sofrimento, muito desespero e quanto perigo eles contm. Com o smile do osso ... com o smile do pedao de carne ... com o smile da tocha de capim ... com o smile da cova de carvo em brasa ... com o smile dos sonhos ... com o smile das mercadorias emprestadas ... com o smile da rvore carregada de frutos ... com o smile do matadouro ... com o smile da espada ... com o smile da cabea da cobra, eu declarei que os prazeres sensuais proporcionam pouca gratificao, muito sofrimento e muito desespero e quanto perigo eles contm. Mas voc, homem tolo, nos deturpou com o seu entendimento incorreto, causou prejuzo para si mesmo e acumulou muito demrito; pois isto lhe causar dano e sofrimento por um longo tempo."

De fato, o Buda ensinou que as prticas sexuais no s esto fora do caminho do meio, mas tambm fazem parte do desejo (kama-tanha, o desejo pelo prazer sensual) descrito na Segunda Nobre Verdade como a causa do sofrimento, tambm so apegos (kama-upadana, o apego ao prazer sensual), so um obstculo meditao (kama-chanda, o primeiro dos cinco nivarana), so uma contaminao da mente (kilesa), so um grilho impedindo a libertao (o quarto grilho ou samyojana kama-raga, cobia) e no fazem parte do comportamento de um ser iluminado.

O Buda percebeu que tais ensinamentos dificilmente seriam recebidos com entusiasmo pela maioria das pessoas, pois logo aps realizar a iluminao ele disse:

"Este Dhamma que eu alcancei profundo, difcil de ver e difcil de compreender, pacfico e sublime, que no pode ser alcanado atravs do mero raciocnio, ele sutil, para ser experimentado pelos sbios. Mas, esta populao se delicia com a adeso, est excitada com a adeso, desfruta da adeso. difcil para uma populao como esta ver esta verdade, isto , a condicionalidade isto/aquilo e a origem dependente. E tambm difcil de ver esta verdade, isto , o cessar de todas as formaes, o abandono de todas aquisies, o fim do desejo, desapego, cessao, Nibbana."

Ariyapariyesana Sutta

Mas ento, melhor ser verdadeiro do que ser popular. O venervel Ajaan Chah, o mestre com o qual treinei por muitos anos, de modo semelhante ensinava que as prticas sexuais devem ser abandonadas se algum aspira Iluminao. Por exemplo, lembro-me de um ocidental que veio certa vez visitar Ajaan Chah dizendo que ele era sexualmente ativo, mas sem estar apegado ao sexo. Ajaan Chah ridicularizou completamente a declarao dele como algo impossvel, dizendo algo assim: "Bah! Isso como dizer que pode haver sal que no salgado!"

Ajaan Chah ensinava a todos que o procuravam, monsticos e leigos, que o desejo sexual kilesa (contaminao da mente), um obstculo para o sucesso na meditao e uma obstruo iluminao. Ele ensinou que a atividade sexual deve ser abandonada se algum quiser dar um fim ao sofrimento. Ele nunca falava em louvor de sexo. Ele s falava em louvor de abrir mo, abandonar.

 

 

Revisado: 20 Dezembro 2018

Copyright © 2000 - 2021, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flavio Maia: designer.