Dhamma Sem Renascimento?

Por

Bhikkhu Bodhi

Somente para distribuio gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuio gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribudo para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuio ou uso.
De outra forma todos os direitos esto reservados.

 


 

De acordo com a nfase dada nos dias de hoje de que ensinamentos religiosos sejam pertinentes e que possam ser verificados diretamente, em certos crculos do Dhamma, a doutrina do renascimento, respeitada ao longo de muitas geraes, tem sido submetida a uma sria dvida. Embora somente poucos pensadores Budistas contemporneos vo to longe ao ponto de sugerir que a doutrina seja descartada por carecer de uma base cientfica, um outro entendimento est se estabelecendo gradualmente de que se o renascimento um fato ou no, a doutrina do renascimento no tem qualquer influncia fundamental na prtica do Dhamma e por isso no possvel argumentar com segurana de que faa parte dos ensinamentos Budistas. O Dhamma, se diz, est preocupado somente com o aqui e agora e em nos ajudar a resolver as nossas dificuldades ou inibies de natureza psicolgica ou emocional, atravs do auto-conhecimento e honestidade consigo mesmo. Todo o restante do Budismo pode ser abandonado, como parte das armadilhas religiosas de uma cultura do passado, totalmente inadequado para o Dhamma da nossa era tecnolgica.

Se deixarmos de lado as nossas preferncias por um momento e buscarmos diretamente na fonte dos ensinamentos, encontraremos o fato incontestvel de que o prprio Buda ensinou acerca do renascimento e o ensinou como um dos princpios bsicos da sua doutrina. Visto no seu conjunto, os discursos do Buda nos mostram que longe de ser uma mera concesso viso do mundo que existia na sua poca ou uma inveno cultural da sia, a doutrina do renascimento tem implicaes significativas em todo o conjunto da prtica do Dhamma, afetando tanto o objetivo pelo qual a prtica iniciada bem como a motivao atravs da qual ela mantida at a sua finalizao.

O objetivo do caminho Budista a libertao do sofrimento e o Buda esclarece de forma ampla que o sofrimento do qual a libertao necessria o sofrimento do apego ao samsara, o ciclo que se repete de nascimento e morte. Com certeza, o Dhamma possui um aspecto que visvel diretamente e que pode ser verificado pessoalmente. Atravs da inspeo direta da nossa prpria experincia podemos ver que a tristeza, tenso, medo e angstia sempre surgem pela nossa cobia, averso e ignorncia e por isso podem ser eliminadas com a remoo dessas impurezas. A importncia desse lado diretamente visvel da prtica do Dhamma no deve ser subestimada, pois serve para confirmar nossa confiana na eficcia libertadora do caminho Budista. No entanto, subestimar a doutrina do renascimento e explicar todo o propsito do Dhamma como sendo a melhoria do sofrimento mental atravs de um aprimorado auto-conhecimento retirar do Dhamma aqueles aspectos mais abrangentes dos quais se derivam a sua amplitude e profundidade. Agindo assim, se incorre no risco de no final, reduzi-lo a pouco mais que um antigo sistema sofisticado de psicoterapia humanstica.

O prprio Buda indicou, de maneira clara, que a raiz do problema da existncia humana no est simplesmente no fato de sermos vulnerveis ao sofrimento, angstia e medo, mas tambm de nos amarrarmos, atravs do nosso apego egosta, a um modelo de constante auto regenerao de nascimento, envelhecimento, enfermidade e morte, dentro do qual experimentamos as formas de aflio mental mais especficas. Ele tambm mostrou que o perigo mais bsico contido nas impurezas o seu papel causal na sustentao do ciclo de renascimentos. Enquanto elas permanecerem nos nveis mais profundos da mente, elas iro nos arrastar atravs do ciclo de vir a ser no qual iremos derramar uma enxurrada de lgrimas "maior do que a gua contida no oceano." Quando esses aspectos so considerados com o devido cuidado, vemos que a prtica do Dhamma no tem como objetivo fornecer uma cmoda reconciliao entre as nossas personalidades atuais e a nossa situao no mundo, mas em dar incio a uma profunda transformao interna que ir culminar na nossa completa libertao do ciclo de existncia.

Reconheamos que para a maioria de ns a principal motivao para iniciar o caminho do Dhamma a sensao que nos atormenta de insatisfao com a rotina no iluminada das nossas vidas ao invs de uma percepo aguada dos perigos do ciclo de renascimentos. No entanto, se formos seguir o Dhamma at o fim e quisermos encontrar o seu pleno potencial de conferir paz e a mais alta sabedoria, necessrio que a motivao para a nossa prtica se desenvolva para alm daquilo que originalmente nos induziu a iniciar o caminho. A nossa motivao bsica tem que crescer na direo daquelas verdades fundamentais que nos foram mostradas pelo Buda e incorporando essas verdades, devemos us-las para alimentar a nossa prpria capacidade de conduzir-nos realizao do objetivo.

A nossa motivao adquire a necessria maturidade atravs do cultivo do entendimento correto, o primeiro fator do Nobre Caminho ctuplo, que tal como explicado pelo Buda inclui o entendimento dos princpios de kamma e renascimento como fundamentais para a estrutura da nossa existncia. Embora a contemplao do momento presente seja a chave para o desenvolvimento da meditao de insight, seria um grande erro crer que a prtica do Dhamma consista unicamente da focalizao da ateno plena no momento presente. O caminho Budista enfatiza o papel da sabedoria como o instrumento para a libertao e a sabedoria deve compreender no somente a penetrao do momento presente na sua profundidade mas a compreenso dos horizontes passados e futuros dentro dos quais a nossa existncia presente se desdobra. Reconhecer plenamente o princpio do renascimento nos dar a perspectiva panormica a partir da qual poderemos avaliar as nossas vidas dentro do seu contexto mais amplo e dentro da rede de interrelaes. Isso ir estimular a nossa prpria busca do caminho e ir revelar o significado profundo do objetivo para o qual a nossa prtica est direcionada, o fim do ciclo de renascimentos com a libertao final da mente de todo sofrimento.

 

 

Revisado: 13 Dezembro 2000

Copyright © 2000 - 2021, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flavio Maia: designer.