O que é o Budismo Theravada ?

Este texto também está disponível em audiobook

O texto que segue é um breve resumo sobre o que é o Budismo Theravada. Os links na página podem servir como pontos de entrada para o restante do site.

Para conhecer um pouco mais da história do Theravada veja Budismo Theravada: Uma Cronologia Histórica.


Conteúdo:


A "Doutrina dos Anciãos"

Theravada ( Pali: thera "anciãos" + vada "palavra, doutrina" ), a "Doutrina dos Anciãos", é o nome da escola de Budismo que tem suas escrituras no Cânone em Pali ou Tipitaka, que os acadêmicos em geral aceitam como sendo o registro mais antigo dos ensinamentos do Buda.
No livro Essence of the Heart Sutra o Dalai Lama menciona que: ‘It is very important to understand that the core teachings of the Theravada tradition embodied in the Pali scriptures are the foundation of the Buddha’s teachings.’ (Em resumo os ensinamentos do Theravada contêm os ensinamentos fundamentais do Buda).
B. Alan Wallace, num artigo da Revista Mandala em Outubro de 2010, diz que "Apesar das muitas diferenças importantes entre as escolas Theravada, Mahayana e Vajrayana, os Budistas tradicionais de todas as escolas reconhecem que os suttas em Pali são o registro incontestado dos ensinamentos do Buda" (Despite the many important differences among Theravada, Mahayana, and Vajrayana schools of Buddhism, traditional Buddhists of all schools recognize the Pali suttas as being the most uncontested records of the Buddhas teachings).
Por muitos séculos, o Theravada tem sido a religião predominante no Sri Lanka, Myanmar, (antiga Birmânia), e Tailândia; atualmente o número de Budistas Theravada em todo o mundo excede 100 milhões de pessoas. Em décadas recentes o Theravada começou a fincar suas raízes no Ocidente – principalmente na Europa e nos Estados Unidos.

Os muitos nomes do Theravada

O Budismo Theravada é identificado através de muitos nomes. O próprio Buda chamava a religião que ele criou de dhamma-vinaya, "a doutrina e a disciplina," referindo-se aos dois aspectos fundamentais do sistema de treinamento ético e espiritual que ele ensinava. Devido à sua histórica predominância no sul e sudeste da Ásia ( Sri Lanka, Birmânia, Tailândia, Laos, Cambodja), o Theravada também é identificado como o "Budismo do Sul" em contraste com o " Budismo do Norte" que migrou da Índia para o Norte em direção à China, Tibete, Japão e Coréia. O Theravada também é freqüentemente identificado com "Hinayana" ( o “Veículo Menor/Inferior”), em contraste com o "Mahayana" ( o "Veículo Maior/Superior"), que em geral é o sinônimo para o Budismo Tibetano, Zen, Ch’an e outras expressões do Budismo no Norte da Ásia. O uso do termo pejorativo "Hinayana" tem sua origem nos primeiros cismas que ocorreram na comunidade monástica e que acabaram resultando no surgimento do que mais tarde se converteria no Mahayana. Muitos acadêmicos utilizam a denominação Hinayana despojada de qualquer intenção pejorativa.

Pali: o idioma do Theravada

O idioma dos textos canônicos do Theravada é o Pali, um idioma próximo ao Prakrit, que provavelmente era falado na região central da Índia durante o período do Buda. A maioria dos discursos proferidos pelo Buda foram memorizados pelo Ven. Ananda, o primo do Buda e seu assistente pessoal. Pouco depois da morte do Buda ( aprox. 544 EC), um grupo de 500 monges arahant – incluindo Ananda – se reuniu para recitar todos os discursos que eles haviam ouvido durante os 45 anos de ensinamento do Buda. Cada discurso (sutta) que foi registrado tem início com a observação evam me suttam - "Assim ouvi". Esses ensinamentos foram transmitidos dentro da comunidade monástica seguindo uma tradição oral firmemente estabelecida. Em aproximadamente 100 EC a Tipitaka foi compilada por escrito pela primeira vez no Sri Lanka por monges escribas.

É claro que jamais será possível provar que o Cânone em Pali contém as palavras tais como foram ditas pelo Buda histórico. No entanto, a sabedoria contida no Cânone tem servido ao longo de séculos como um guia indispensável para milhões de discípulos na sua busca da Iluminação.

Muitos estudantes do Theravada descobriram que aprender o idioma Pali – mesmo que seja um pouco aqui ou ali – aprofunda em muito o entendimento dos ensinamentos e do caminho da prática.

Um sumário dos ensinamentos do Buda

O que segue é um breve sumário dos ensinamentos chave do Budismo Theravada. Muito foi deixado de lado, porém esse resumo deve ser o suficiente para que você inicie a sua exploração.

Pouco após a sua Iluminação, o Buda ( "O Iluminado") proferiu o seu primeiro discurso definindo a estrutura básica sobre a qual se baseariam todos os seus ensinamentos seguintes. Essa estrutura básica são as Quatro Nobres Verdades, quatro princípios fundamentais da natureza (Dhamma) que emergiram da avaliação honesta e profunda que o Buda fez da condição humana e que servem para definir toda a abrangência da prática Budista. Essas verdades não são afirmações de fé. São na verdade categorias nas quais podemos enquadrar nossa experiência de tal forma a criar condições para a Iluminação:

    1. Dukkha: sofrimento, insatisfação, descontentamento, estresse;
    2. A causa de dukkha: a causa dessa insatisfação é o desejo (tanha) pela sensualidade, pelo ser/existir e por não ser/existir;
    3. A cessação de dukkha: o abandono desse desejo;
    4. O caminho que leva à cessação de dukkha: o Nobre Caminho Óctuplo – entendimento correto, pensamento correto, linguagem correta, ação correta, modo de vida correto, esforço correto, atenção plena correta e concentração correta.

Para cada uma dessas Nobres Verdades o Buda identificou uma tarefa específica que o praticante deve realizar: a primeira Nobre Verdade deve ser compreendida; a segunda deve ser abandonada; a terceira deve ser realizada; a quarta deve ser desenvolvida. A realização completa da terceira Nobre Verdade abre o caminho para a penetração de Nibbana (Sânscrito: Nirvana), a liberdade transcendente que é o objetivo máximo dos ensinamentos do Buda.

A última das Nobre Verdades – O Nobre Caminho Óctuplo – contém a prescrição de como aliviar nossa insatisfação e alcançar a eventual libertação, de uma vez por todas, desse ciclo de vida e morte (samsara) doloroso e desgastante ao qual – pela própria ignorância (avijja) das Quatro Nobres Verdades – estamos presos por tempos incontáveis. O Nobre Caminho Óctuplo oferece um guia prático e completo para o desenvolvimento mental de qualidades e habilidades benéficas que devem ser cultivadas se o praticante desejar alcançar o objetivo final, a liberdade e felicidade supremas, Nibbana.

Na prática o Buda ensinou o Nobre Caminho Óctuplo aos seus discípulos de acordo com um sistema de treinamento gradual, iniciando com o desenvolvimento de sila ou virtude (linguagem correta, ação correta e modo de vida correto, que na prática estão resumidos nos cinco preceitos), seguido pelo desenvolvimento de samadhi ou concentração (esforço correto, atenção plena correta e concentração correta), culminando com o pleno desenvolvimento de pañña ou sabedoria ( entendimento correto e pensamento correto). A prática de generosidade (dana) serve como um apoio para cada passo ao longo do caminho já que atua como um auxiliar na corrosão da tendência habitual ao desejo e também porque pode trazer grandes ensinamentos sobre as causas e resultados das ações de cada pessoa (kamma).

O progresso ao longo do caminho não segue uma trajetória linear simples. Em vez disso, o desenvolvimento de cada aspecto do Nobre Caminho Óctuplo encoraja o refinamento e fortalecimento dos demais, levando o praticante adiante em uma espiral ascendente de maturidade espiritual que culmina na Iluminação.

Vendo por um outro ângulo, a longa jornada no caminho para a Iluminação tem início a sério com os primeiros sinais de alguma movimentação na questão do entendimento correto, os primeiros lampejos de sabedoria através dos quais a pessoa reconhece tanto a validade da Primeira Nobre Verdade e a inevitabilidade da lei do kamma (sânscrito karma), a lei universal de causa e efeito. A partir do momento que a pessoa se dá conta de que más ações inevitavelmente trazem maus resultados e que boas ações trazem bons resultados, o desejo, de viver uma vida moralmente correta e íntegra, de adotar seriamente a prática de sila, cresce. A confiança criada a partir desse entendimento preliminar leva o praticante a ter ainda mais fé nos ensinamentos. O praticante se torna um "Budista" a partir do momento em que expressa uma determinação interior de "tomar o refúgio" na Jóia Tríplice: o Buda (tanto o Buda histórico como o potencial de cada um de alcançar a Iluminação), o Dhamma (tanto os ensinamentos do Buda histórico e a verdade última que eles revelam), e a Sangha (tanto a comunidade monástica que protegeu os ensinamentos e os colocou em prática desde os tempos do Buda como todos aqueles que alcançaram algum grau de Iluminação). Tendo fincado firmemente os pés no solo através da tomada do refúgio e, com o auxílio de um bom amigo (kalyanamitta) para ajudar a indicar o caminho, a pessoa estará pronta para trilhar o caminho, confiante de que estará seguindo as pegadas deixadas pelo próprio Buda.

Algumas vezes o Budismo é ingenuamente criticado como uma religião ou filosofia negativa ou pessimista. Apesar de tudo (esse é o argumento utilizado) a vida não é somente miséria e desapontamento: ela oferece muitos tipos de alegria e felicidade. Porque então existe essa obsessão pessimista no Budismo com a falta de satisfação e o sofrimento?

O Buda baseou os seus ensinamentos em uma franca avaliação da nossa situação como seres humanos: existe insatisfação e sofrimento no mundo. Ninguém pode contestar esse fato. Se os ensinamentos do Buda parassem por aí, os seus ensinamentos poderiam de fato ser considerados pessimistas e a vida totalmente sem esperança. Porém, como um médico que prescreve o remédio para uma enfermidade, o Buda oferece a esperança (a Terceira Nobre Verdade) e a cura (a Quarta). Os ensinamentos do Buda portanto permitem ter um alto grau de otimismo em um mundo complexo, confuso e difícil. Um professor contemporâneo resumiu bem: "Budismo é a busca da felicidade levada a sério".

O Buda alegava que a Iluminação que ele redescobriu está acessível a qualquer um que esteja disposto a fazer o esforço e comprometer-se a seguir o Nobre Caminho Óctuplo até o fim. Cabe a cada um de nós colocar essa afirmação à prova.

O Theravada vem para o Ocidente

Até o final do século 19 os ensinamentos do Theravada eram pouco conhecidos fora do Sul e Sudeste da Ásia onde eles floresceram durante quase 2.500 anos. No século 20 no entanto o Ocidente começou a tomar contato com o singular legado espiritual do Theravada e os ensinamentos da Iluminação. Em décadas mais recentes esse interesse aumentou significativamente, tendo a Sangha monástica das diferentes escolas dentro do Theravada estabelecido dezenas de monastérios na Europa e na América do Norte. Além disso um crescente número de centros de meditação leigos, que operam independentemente da Sangha, têm surgido para atender as demandas de leigos - Budistas ou não - que buscam aprender sobre aspectos selecionados dos ensinamentos do Buda, em particular a meditação vipassana.

A chegada do século 21 apresenta tanto oportunidades como perigos para o Theravada no Ocidente: os ensinamentos do Buda serão estudados pacientemente e colocados em prática, de forma que possam fincar raízes no Ocidente e beneficiar as futuras gerações ? O clima popular que prevalece hoje de "abertura" e intercâmbio entre as diferentes tradições religiosas conduzirá ao surgimento de uma nova e sólida forma de prática Budista típica desta era moderna ou, simplesmente levará à diluição e confusão desses ensinamentos preciosos? São questões em aberto que somente o tempo poderá responder.

Felizmente, o Buda nos deixou algumas diretrizes muito simples e claras para nos auxiliar a encontrar o caminho nesse labirinto de ensinamentos supostamente Budistas que estão disponíveis atualmente. Sempre que você questionar a autenticidade de algum ensinamento em particular, preste atenção ao conselho que o Buda deu à sua madrasta:

"Gotami, as qualidades que você provavelmente conhece, 'Essas qualidades conduzem à cobiça, não ao desapego; a estar agrilhoada, não a estar livre dos grilhões; ao acúmulo, não à renúncia; ao engrandecimento pessoal, não à modéstia; à insatisfação, não à satisfação; ao enredamento, não ao isolamento; à preguiça, não a estimular a energia; a ser um incômodo, não a não ser um incômodo': Você deve definitivamente entender, 'Isto não é o Dhamma, isto não é o Vinaya, essas não são as instruções do Mestre.'

"Quanto às qualidades que você provavelmente conhece, 'Essas qualidades conduzem ao desapego, não à cobiça; a estar livre dos grilhões, não a estar agrilhoada; à renúncia, não ao acúmulo; à modéstia, não ao engrandecimento pessoal; à satisfação, não à insatisfação; ao isolamento, não ao enredamento; a estimular a energia, não à preguiça; a não ser um incômodo, não a ser um incômodo: Você deve definitivamente entender, 'Isto é o Dhamma, isto é o Vinaya, essas são as instruções do Mestre.'"

AN VIII.53

É claro que o verdadeiro teste desses ensinamentos é se eles produzem no fundo do seu próprio coração, os resultados prometidos. O Buda nos colocou um desafio; cabe a cada um de nós individualmente colocar esse desafio à prova.


Revisado: 11 Junho 2011

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.