Udana VIII.10

Dabba (dutiya) Sutta

Dabba (2)

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


Assim ouvi. Em certa ocasião o Abençoado estava em Savatthi no Bosque de Jeta, no Parque de Anathapindika. Lá ele se dirigiu aos monges desta forma: “Bhikkhus” - “ Venerável Senhor, “ eles responderam.

O Abençoado então disse o seguinte: "Quando Dabba Mallaputta elevou-se no ar, sentando de pernas cruzadas no céu, no espaço; entrando no elemento fogo, ao emergir ele realizou o parinibbana; o seu corpo queimou e foi totalmente consumido de modo que nem cinzas ou fuligem podiam ser vistos. Tal como quando manteiga ou óleo são queimados e consumidos, nem cinzas ou fuligem podem ser vistos, do mesmo modo, quando o venerável Dabba Mallaputta se elevou no ar, sentando de pernas cruzadas no céu, no espaço; entrando no elemento fogo, ao emergir ele realizou o parinibbana; o seu corpo queimou e foi totalmente consumido de modo que nem cinzas ou fuligem podiam ser vistos.”

Então, dando-se conta do significado disso, o Abençoado nessa ocasião exclamou:

"Não é possível discernir o destino da brasa que,
após golpeada com um martelo pelo ferreiro,
gradualmente se arrefece.
Igualmente, não se pode discernir o destino daqueles que
encontraram a felicidade inabalável.
Pois aqueles corretamente libertados cruzam a torrente dos desejos.”

 


Notas:

Traduzido por Gabriel Laera a quem agradecemos por esta contribuição ao Dhamma

 

 

Revisado: 2 Janeiro 2016

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.