Sutta Nipata IV.10

Purabheda Sutta

Antes da Dissolução do Corpo

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


“Vendo como,
comportando-se como,
é dito que alguém
está em paz?
Gotama, responda-me
- tendo sido perguntado -
a respeito da pessoa suprema.”

O Buda:

“Quem está tranquilo, que extinguiu o desejo antes da dissolução do corpo,
que não se preocupa como as coisas começaram ou como irão terminar,[1]
e nenhuma fixação naquilo que acontece no entremeio,[2]
ele não tem preferências.

Sem raiva, sem medo e sem orgulho.
Nada abala a sua compostura e nada é motivo para que ele se arrependa.
Ele é um sábio com a linguagem sob controle.

Ele não anseia pelo futuro e não se entristece pelo passado.
Ele experimenta o isolamento no meio dos contatos sensuais.[3]
Não há idéias ou opiniões que possam dirigi-lo.[4]

Reservado, não-enganador,
não-mesquinho, não-avarento,
não-insolente, inofensivo,
ele não emprega
linguagem maliciosa.

Nem embriagado pelas tentações,
nem entregue ao orgulho,
ele é gentil, destro,
além da cobiça e desapego.[5]

Não é com a esperança de ganhos materiais que ele realiza as suas tarefas;
se não há nenhum ganho ele não fica perturbado.
Ele não tem desejos que incrementem a cobiça por novos prazeres.

Equânime – sempre – com atenção plena,
ele não concebe a si mesmo no mundo como
igual,
superior,
inferior.
Ele não possui orgulho.

Por compreender o Dhamma,
ele está livre de dependências
e não há nada do qual ele dependa.
Nele não há mais o desejo por ser/existir ou não ser/existir.

Ele, eu digo, está em paz.
Ele não busca pelos prazeres sensuais,
Não há absolutamente nada que possa atar
aquele que superou o apego.

Ele não tem filhos
riquezas,
terras,
gado -
Ele não tem nada a que se agarrar como seu
e nada que rejeitar como não seu.

Ele não se perturba
por aquilo que as pessoas comuns
ou brâmanes e contemplativos
possam dizer dele.

Com a cobiça extinta, sem ser possessivo,
o sábio não considera a si mesmo
como superior,
igual,
ou inferior.
Ele não especula, está livre da especulação.

Para quem nada no mundo lhe pertence,
que não se entristece por não ter nada,
que não adota idéias especulativas:
dele se diz
estar
em paz.”

 


 

Notas:

[1] Nenhum desejo ou idéias com relação ao passado ou futuro. [Retorna]

[2] Para discussões sobre como o iluminado não pode ser classificado nem mesmo no presente, veja o MN 72 e SN XXII.85-86. [Retorna]

[3] “Ele experimenta o isolamento no meio dos contatos sensuais” = ele experimenta o contato vazio de um eu. [Retorna]

[4] Veja o AN X.93. [Retorna]

[5] Veja o Snp IV.6 – nota 2. [Retorna]

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 13 Maio 2006

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.