Sutta Nipata III.1

Pabbaja Sutta

A Vida Santa

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


Eu descreverei como seguir a Vida Santa,
como ele, Aquele com Visão, seguiu a vida santa,
como ele pensou e escolheu a Vida Santa.
    “A vida em família é confinada,
        um caminho empoeirado,
    enquanto que a vida santa
        é como o ar livre."
Vendo isso, ele seguiu a vida santa.

Ao seguir a vida santa,
    ele evitou as ações ruins e prejudiciais com o corpo.
    Abandonando a linguagem ruim e prejudicial,
    ele purificou o seu modo de vida.
Então ele, o Buda, foi para Rajagaha,
a fortaleza dos Magadhas na montanha,
    para esmolar alimentos,
dotado com todas as marcas de um grande homem.
O rei Bimbisara, em pé no seu palácio, o viu,
e ao vê-lo, com as marcas consumadas,
disse: "Vejam aquele, senhores.
Que formoso, majestoso, puro!
Como é perfeito o seu comportamento!
Plenamente atento, com os olhos baixos,
olhando somente a uma pequena distância à sua frente
como alguém que não é de uma linhagem inferior:
Enviem os mensageiros reais imediatamente
para ver aonde irá esse bhikkhu."

Eles – os mensageiros enviados -
o seguiram.
    "Aonde irá este bhikkhu?
    Onde será que ele habita?"
Conforme ele ia de casa em casa -
bem contido, com as suas portas dos meios dos sentidos guardadas,
    plenamente atento, alerta -
a sua tigela se encheu rapidamente.
Então ele, o sábio, tendo esmolado comida,
deixou a cidade, dirigindo-se ao Monte Pandava.
    "Aquele deve ser o lugar que ele habita."
Vendo-o ir para aquele lugar,
três mensageiros se sentaram
enquanto que um retornou para contar ao rei.
"Aquele bhikkhu, majestade,
no flanco do Pandava,
senta como um tigre, um touro,
um leão em uma fenda na montanha."

Ouvindo as palavras do mensageiro,
o nobre rei guerreiro
imediatamente foi com a carruagem real,
para o Monte Pandava.
Indo até onde a carruagem permitia,
ele desceu e continuou a pé,
ao chegar ele sentou
e ambos se cumprimentaram.
Quando a conversa cortês e amigável havia terminado,
ele disse:
"Você é jovem, vigoroso,
na flor da juventude
dotado com a estatura e a cor
    de um nobre guerreiro.
O seu aspecto seria glorioso
    à frente de um exército
    dotado com um batalhão de elefantes.
Eu lhe ofereço riqueza: desfrute dela.
Eu pergunto o seu nascimento: me diga."

"Direto em frente, sua majestade,
na base do Himalaia,
há um país consumado
em energia e riqueza,
habitado pelos Kosalas:
    Do sol por clã,
    Sakya por nascimento.
Dessa linhagem eu segui a vida santa,
mas não em busca de prazeres sensuais.
Vendo o perigo nos prazeres sensuais
- e a renúncia como o descanso -
        Eu me esforço.
    É com isso que meu coração se delicia."

 

 

Revisado: 5 Fevereiro 2005

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.