Samyutta Nikaya XXXVI.31

Niramisa Sutta

Não Mundano

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


“Bhikkhus, há o êxtase mundano, há o êxtase não mundano e há um êxtase não mundano ainda maior. Há a felicidade mundana, há a felicidade não mundana e há uma felicidade não mundana ainda maior. Há a equanimidade mundana, há a equanimidade não mundana e há uma equanimidade não mundana ainda maior. Há a libertação mundana, há a libertação não mundana e há uma libertação não mundana ainda maior.

“E o que, bhikkhus, é o êxtase mundano? Existem esses cinco elementos do prazer sensual: formas conscientizadas através do olho que são desejáveis, agradáveis e fáceis de serem gostadas, conectadas com o desejo sensual e que provocam a cobiça. Sons conscientizados através do ouvido … aromas conscientizados através do nariz … sabores conscientizados através da língua … tangíveis conscientizados através do corpo que são desejáveis, agradáveis e fáceis de serem gostados, conectados com o desejo sensual e que provocam a cobiça. É o êxtase que surge na dependência desses cinco elementos do prazer sensual que é chamado de ‘êxtase mundano.’

“E o que, bhikkhus, é o êxtase não mundano? Afastado dos prazeres sensuais, afastado das qualidades não hábeis, um bhikkhu entra e permanece no primeiro jhana, que é caracterizado pelo pensamento aplicado e sustentado, com o êxtase e felicidade nascidos do afastamento. Abandonando o pensamento aplicado e sustentado, um bhikkhu entra e permanece no segundo jhana, que é caracterizado pela segurança interna e perfeita unicidade da mente, sem o pensamento aplicado e sustentado, com o êxtase e felicidade nascidos da concentração. Isso é chamado de ‘êxtase não mundano.’

“E o que, bhikkhus, é o êxtase não mundano ainda maior? Quando um bhikkhu que se libertou das impurezas revisa a sua mente livre da cobiça, livre da raiva, livre da delusão, então surge o êxtase. Isso é chamado de ‘êxtase não mundano ainda maior.’

“E o que, bhikkhus, é a felicidade mundana? Existem esses cinco elementos do prazer sensual: formas conscientizadas através do olho... sons conscientizados através do ouvido…aromas conscientizados através do nariz…sabores conscientizados através da língua…tangíveis conscientizados através do corpo que são desejáveis, agradáveis e fáceis de serem gostados, conectados com o desejo sensual e que provocam a cobiça. É a felicidade que surge na dependência desses cinco elementos do prazer sensual que é chamada de ‘felicidade mundana.’

“E o que, bhikkhus, é a felicidade não mundana? Afastado dos prazeres sensuais, afastado das qualidades não hábeis, um bhikkhu entra e permanece no primeiro jhana ... Abandonando o pensamento aplicado e sustentado, um bhikkhu entra e permanece no segundo jhana ... Abandonando o êxtase, um bhikkhu entra e permanece no terceiro jhana que é caracterizado pela felicidade sem o êxtase, acompanhada pela atenção plena, plena consciência e equanimidade, acerca do qual os nobres declaram: ‘Ele permanece numa estada feliz, equânime e plenamente atento.’ Isso é chamado de ‘felicidade não mundana.’

“E o que, bhikkhus, é a felicidade não mundana ainda maior? Quando um bhikkhu que se libertou das impurezas revisa a sua mente livre da cobiça, livre da raiva, livre da delusão, então surge a felicidade. Isso é chamado de ‘felicidade não mundana ainda maior.’

“E o que, bhikkhus, é a equanimidade mundana? Existem esses cinco elementos do prazer sensual: formas conscientizadas através do olho... tangíveis conscientizados através do corpo que são desejáveis, agradáveis e fáceis de serem gostados, conectados com o desejo sensual e que provocam a cobiça. É a equanimidade que surge na dependência desses cinco elementos do prazer sensual que é chamada de ‘equanimidade mundana.’

“E o que, bhikkhus, é a equanimidade não mundana? Com o o completo desaparecimento da felicidade, um bhikkhu entra e permanece no quarto jhana, que possui nem felicidade nem sofrimento, com a atenção plena e a equanimidade purificadas. Isso é chamado de ‘equanimidade não mundana.’

“E o que, bhikkhus, é a equanimidade não mundana ainda maior? Quando um bhikkhu que se libertou das impurezas revisa a sua mente livre da cobiça, livre da raiva, livre da delusão, então surge a equanimidade. Isso é chamado de ‘equanimidade não mundana ainda maior.’

“E o que, bhikkhus, é a libertação mundana? A libertação conectada com o reino da forma. O que é a libertação não mundana? A libertação conectada com o reino sem forma. E o que é a libertação não mundana ainda maior? Quando um bhikkhu que se libertou das impurezas revisa a sua mente livre da cobiça, livre da raiva, livre da delusão, nisso surge a libertação. Essa é chamada a libertação não mundana ainda maior.”

 

 

Revisado: 16 Abril 2013

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.