Samyutta Nikaya XXXV.232

Kotthita Sutta

Kotthita

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


Certa ocasião, o Ven. Sariputta e o Ven. Maha Kotthita estavam em Benares, no Parque do Gamo, em Isipatana. Então, ao anoitecer o Ven. Maha Kotthita saiu do seu isolamento e foi até o Ven. Sariputta e ambos se cumprimentaram. Quando a conversa cortês e amigável havia terminado ele sentou a um lado e disse para o Ven. Sariputta:

“Como é, amigo Sariputta, o olho é o grilhão das formas ou são as formas o grilhão do olho? O ouvido ... O nariz ... A língua ... O corpo ... A mente é o grilhão dos objetos mentais ou são os objetos mentais o grilhão da mente?”

“Amigo Kotthita, o olho não é o grilhão das formas nem são as formas o grilhão do olho, mas melhor dito, o desejo e a cobiça que surge na dependência de ambos: esse é o grilhão. O ouvido não é o grilhão dos sons ... O nariz não é o grilhão dos aromas ... A língua não é o grilhão dos sabores ... O corpo não é o grilhão das sensações tangíveis ... A mente não é o grilhão dos objetos mentais, nem os objetos mentais são o grilhão da mente, mas melhor dito, o desejo e a cobiça que surge na dependência de ambos: esse é o grilhão.

“Suponha. amigo, que um boi preto e um boi branco fossem unidos por um único arreio ou canga. Alguém falaria corretamente se dissesse: ‘O boi preto é o grilhão do boi branco, o boi branco é o grilhão do boi preto’?”

“Não, amigo. O boi preto não é o grilhão do boi branco, nem o boi branco é o grilhão do preto, mas melhor dito, o arreio ou canga pelo qual eles estão unidos: esse é o grilhão."

“Da mesma forma, amigo, o olho não é o grilhão das formas, nem são as formas o grilhão do olho, mas melhor dito, o desejo e a cobiça que surge na dependência de ambos: esse é o grilhão. O ouvido não é o grilhão dos sons ... O nariz não é o grilhão dos aromas ... A língua não é o grilhão dos sabores ... O corpo não é o grilhão das sensações tangíveis ... A mente não é o grilhão dos objetos mentais, nem os objetos mentais são o grilhão da mente, mas melhor dito, o desejo e a cobiça que surge na dependência de ambos: esse é o grilhão.

“Se, amigo, o olho fosse o grilhão das formas ou se as formas fossem o grilhão do olho, então esta vida santa para o correto fim do sofrimento não poderia ser discernida. Mas visto que o olho não é o grilhão das formas, nem as formas são o grilhão do olho, mas melhor dito, o desejo e a cobiça que surge na dependência de ambos é o grilhão, então a vida santa para o correto fim do sofrimento é discernida.

"Se, amigo, o ouvido fosse o grilhão dos sons ou se os sons fossem o grilhão do ouvido ... Se a mente fosse o grilhão dos objetos mentais ou se os objetos mentais fossem o grilhão da mente, então esta vida santa para o correto fim do sofrimento não poderia ser discernida. Mas visto que a mente não é o grilhão dos objetos mentais, nem os objetos mentais são o grilhão da mente, mas melhor dito, o desejo e a cobiça que surge na dependência de ambos é o grilhão, então a vida santa para o correto fim do sofrimento é discernida..

“Desse modo também, amigo, pode ser compreendido como isto assim é: há no Abençoado o olho, o Abençoado vê a forma com o olho, no entanto não há desejo e cobiça na mente do Abençoado; o Abençoado está com a mente bem libertada. Há no Abençoado o ouvido, o Abençoado ouve um som com o ouvido ... Há no Abençoado a mente, o Abençoado percebe um objeto mental com a mente, no entanto não há desejo e cobiça na mente do Abençoado; o Abençoado está com a mente bem libertada.

“É desse modo, amigo, que pode ser compreendido como o olho não é o grilhão das formas, nem as formas são o grilhão do olho, mas melhor dito, o desejo e a cobiça que surge na dependência de ambos: esse é o grilhão. O ouvido não é o grilhão dos sons ... A mente não é o grilhão dos objetos mentais, nem os objetos mentais são o grilhão da mente, mas melhor dito, o desejo e a cobiça que surge na dependência de ambos: esse é o grilhão.”

 


 

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 4 Dezembro 2004

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.