Samyutta Nikaya XXXV.166

Bahiratitadianatta Sutta

Abandonando a Idéia da Identidade

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


Então, um certo bhikkhu foi até o Abençoado e depois de cumprimentá-lo sentou a um lado e disse: “Venerável senhor, como é que alguém deve compreender, como é que alguém deve ver, para que a idéia da identidade seja abandonada?”

“Bhikkhu, quando alguém compreende e vê o olho como impermanente, a idéia da identidade é abandonada. Quando alguém compreende e vê as formas como impermanentes ... a consciência no olho como impermanente ... o contato no olho como impermanente ... qualquer sensação que surja tendo o contato no olho como condição – quer seja prazerosa, dolorosa ou nem prazerosa, nem dolorosa - como impermanente, a idéia da identidade é abandonada.

Quando alguém compreende e vê o ouvido como impermanente ... a mente como impermanente ... os objetos mentais como impermanentes ... a consciência na mente como impermanente ... o contato na mente como impermanente ... qualquer sensação que surja tendo o contato na mente como condição – quer seja prazerosa, dolorosa ou nem prazerosa, nem dolorosa - como impermanente, a idéia da identidade é abandonada. É quando alguém compreende e vê assim que a idéia da identidade é abandonada.”

 


 

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 20 Dezembro 2014

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.