Samyutta Nikaya XXXV.127

Bharadvaja Sutta

Sobre Bharadvaja

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


Certa ocasião, o Ven. Pindola Bharadvaja estava em Kosambi no monastério de Ghosita. Então, o Rei Udena foi até ele e ao chegar eles se cumprimentaram. Quando a conversa cortês e amigável havia terminado o rei sentou a um lado e disse para o Ven. Pindola Bharadvaja:

“Qual é a razão, mestre Bharadvaja, qual é a causa, pela qual bhikkhus jovens, com o cabelo negro, dotados com as bênçãos da juventude, no primeiro estágio da vida, que apesar de não se terem entretido com os prazeres sensuais, adotam a vida santa completamente perfeita e imaculada por toda a vida e mantêm-na por muito tempo?”

“Grande rei, isto foi dito pelo Abençoado que sabe e vê, um arahant, perfeitamente iluminado: ‘Venham agora, bhikkhus: com relação às mulheres que possuem idade suficiente para ser a sua mãe, estabeleçam a idéia de que elas são a sua mãe. Com relação às mulheres com idade suficiente para ser a sua irmã, estabeleçam a idéia de que elas são a sua irmã. Com relação às mulheres que são jovens o suficiente para ser a sua filha, estabeleçam a idéia de que elas são a sua filha.’ Essa é uma razão, essa é uma causa, grande rei, pela qual bhikkhus jovens ... adotam a vida santa completamente perfeita e imaculada por toda a vida e mantêm-na por muito tempo.”

“A mente é licenciosa, mestre Bharadvaja. Algumas vezes pensamentos de cobiça surgem até mesmo em relação a mulheres que possuem idade suficiente para ser nossa mãe ... irmã ... jovens o suficiente para ser nossa filha. Existe alguma outra razão, outra causa, pela qual bhikkhus jovens ... adotam a vida santa completamente perfeita e imaculada por toda a vida e mantêm-na por muito tempo?”

“Grande rei, isto foi dito pelo Abençoado que sabe e vê, um arahant, perfeitamente iluminado: ‘Venham agora, bhikkhus: reflitam sobre este mesmo corpo, da sola dos pés para cima, do topo da cabeça para baixo, envolto pela pele, cheio de todo tipo de coisas impuras: ‘Neste corpo existem cabelos, pêlos do corpo, unhas, dentes, pele, carne, tendões, ossos, tutano, rins, coração, fígado, diafragma, baço, pulmões, intestino grosso, intestino delgado, conteúdo do estômago, fezes, bílis, fleuma, pus, sangue, suor, gordura, lágrimas, saliva, muco, líquido sinovial e urina.’ Essa também é uma razão, essa também é uma causa, grande rei, pela qual bhikkhus jovens ... adotam a vida santa completamente perfeita e imaculada por toda a vida e mantêm-na por muito tempo.”

“Isso é fácil, mestre Bharadvaja, para aqueles bhikkhus que são desenvolvidos em relação ao corpo, desenvolvidos em relação à virtude, desenvolvidos em relação à mente, desenvolvidos em relação à sabedoria. Mas é difícil para aqueles bhikkhus que não são desenvolvidos em relação ao corpo, não são desenvolvidos em relação à virtude, não são desenvolvidos em relação à mente, não são desenvolvidos em relação à sabedoria. Algumas vezes, embora alguém pense, ‘Vou considerar isso como pouco atrativo,’ aquilo passa a ser atrativo. Existe alguma outra razão, outra causa, pela qual bhikkhus jovens … adotam a vida santa completamente perfeita e imaculada por toda a vida e mantêm-na por muito tempo?”

“Grande rei, isto foi dito pelo Abençoado que sabe e vê, um arahant, perfeitamente iluminado: ‘Venham agora, bhikkhus: Guardem as portas dos meios dos sentidos. Ao ver uma forma com o olho, não se agarrem aos seus sinais ou detalhes, pelo qual estados prejudiciais de cobiça e tristeza poderiam tomá-los se vocês permanecessem com a faculdade do olho descuidada. Pratiquem a contenção, protejam a faculdade do olho, se empenhem na contenção da faculdade do olho.

“’Ao ouvir um som com o ouvido...

“’Ao cheirar um aroma com o nariz...

“’Ao saborear um sabor com a língua...

“’Ao sentir um tangível com o corpo…

“’Ao conscientizar um objeto mental com a mente, não se agarrem aos seus sinais ou detalhes, pelo qual estados prejudiciais de cobiça e tristeza poderiam tomá-los se vocês permanecessem com a faculdade da mente descuidada. Pratiquem a contenção, protejam a faculdade da mente, se empenhem na contenção da faculdade da mente.’

“Essa também é uma razão, essa também é uma causa, grande rei, pela qual bhikkhus jovens ... adotam a vida santa completamente perfeita e imaculada por toda a vida e mantêm-na por muito tempo.”

“É maravilhoso, mestre Bharadvaja! É impressionante, mestre Bharadvaja! Quão bem isso foi dito pelo Abençoado que sabe e vê, um arahant, perfeitamente iluminado! Então, essa é a razão, essa é a causa pela qual bhikkhus jovens com o cabelo negro, dotados com as bênçãos da juventude, no primeiro estágio da vida, que apesar de não se terem entretido com os prazeres sensuais, adotam a vida santa completamente perfeita e imaculada por toda a vida e mantêm-na por muito tempo. No meu caso também, quando entro no meu harém sem guardar o corpo, a linguagem, a mente, sem estabelecer a atenção plena e sem a contenção dos sentidos, sou assaltado pelos pensamentos de cobiça. Mas sempre que entro no meu harém guardando o corpo, a linguagem, a mente, com a atenção plena estabelecida e com os sentidos contidos, não sou assaltado pela cobiça..

“Magnífico, Mestre Bharadvaja! Magnífico, Mestre Bharadvaja! Mestre Bharadvaja esclareceu o Dhamma de várias formas, como se tivesse colocado em pé o que estava de cabeça para baixo, revelasse o que estava escondido, mostrasse o caminho para alguém que estivesse perdido ou segurasse uma lâmpada no escuro para aqueles que possuem visão pudessem ver as formas. Eu busco refúgio no Abençoado, no Dhamma e na Sangha dos bhikkhus. Que o Mestre Bharadvaja se lembre de mim como o discípulo leigo que buscou refúgio para o resto da vida.”

 


 

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 16 Abril 2013

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.