Samyutta Nikaya XXII.78

Siha Sutta

O Leão

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


“Bhikkhus, o leão, o rei dos animais, ao anoitecer sai do seu covil. Ele se espreguiça, inspeciona os quatro quadrantes, ruge o seu rugido de leão três vezes e depois ele vai em busca da caça.

“Agora, quaisquer animais que ouçam o rugido do leão, a maioria são agarrados pelo medo, agitação e terror. Aqueles animais que vivem nos buracos, se escondem nos buracos; aqueles que vivem nas florestas se refugiam nas florestas; e os pássaros se elevam no céu. Todos os elefantes reais que vivem nos vilarejos, cidades ou capitais, amarrados com fortes correias de couro, arrebentam e rompem essas correias e passando urina e excremento, correm em todas as direções apavorados. Tanto poder, bhikkhus, tem o leão, o rei dos animais, sobre os outros animais, tão poderosa é a sua influência e majestade.

“De modo semelhante, bhikkhus, um Tathagata surge no mundo, um arahant, perfeitamente iluminado, consumado no verdadeiro conhecimento e conduta, bem-aventurado, conhecedor dos mundos, um líder insuperável de pessoas preparadas para serem treinadas, mestre de devas e humanos, desperto, sublime. Ele ensina o Dhamma assim: ‘Assim é a forma, essa é a origem da forma, essa é a cessação da forma; essa é a sensação ... a percepção ... as formações volitivas ... a consciência, essa é a origem da consciência, essa é a cessação da consciência.'

“Então, bhikkhus, quaisquer devas que existam – com vida longa, belos, cheios de felicidade, vivendo por muito tempo nos seus paraísos celestiais – eles também, ao ouvirem o Dhamma ensinado pelo Tathagata, a maioria são agarrados pelo medo, agitação e terror, e exclamam: ‘Oh, nós que pensávamos sermos permanentes somos na verdade impermanentes. Nós que pensávamos estarmos seguros estamos na verdade inseguros. Nós que pensávamos sermos eternos somos na verdade não-eternos. Portanto de fato somos impermanentes, inseguros e não-eternos e estamos dentro da esfera da identidade.’”

"Tanto poder, bhikkhus, tem o Tathagata sobre o mundo com os seus devas, tão poderosa é a sua influência e majestade."

Isso foi o que o Abençoado disse. Tendo dito isso o Mestre disse ainda mais:

"Quando o Buda, através do conhecimento direto,
coloca em movimento a roda do Dhamma,
o Mestre insuperável no mundo
com os seus devas [torna isto conhecido]:

"A cessação da identidade
e a origem da identidade,
também o Nobre Caminho Óctuplo
que conduz ao alívio do sofrimento.

"Então aqueles devas com vida longa,
belos, resplandecentes na sua glória,
são tomados pelo medo e terror,
tal como os animais que ouvem o rugido do leão.

"'Nós não transcendemos a identidade;
pelo que parece somos impermanentes.'
[Assim eles dizem] tendo ouvido os ensinamentos
do Arahant, o Liberto."

 


>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 26 Abril 2014

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.