Samyutta Nikaya XLVII.10

Bhikkhunupassaya Sutta

Moradia das Bhikkhunis

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


Então, ao amanhecer, o Venerável Ananda se vestiu e tomando a tigela e o manto externo, ele foi até a moradia das bhikkhunis e sentou num assento que havia sido preparado. Então, inúmeras bhikkhunis foram até o Venerável Ananda e depois de cumprimentá-lo sentaram a um lado e disseram:

“Aqui, Venerável Ananda, inúmeras bhikkhunis permanecem com as suas mentes bem estabelecidas nos quatro fundamentos da atenção plena, percebendo estágios sucessivos de elevada distinção.” [1]

“Assim é, irmãs, assim é! É de se esperar que qualquer um, irmãs – quer seja bhikkhu ou bhikkhuni – que permaneça com a mente bem estabelecida nos quatro fundamentos da atenção plena, perceba estágios sucessivos de elevada distinção.” Então, o Venerável Ananda, instruiu, motivou, estimulou e encorajou aquelas bhikkhunis com um discurso do Dhamma e depois ele se levantou do seu assento e partiu. Então, o Venerável Ananda foi para Vesali para esmolar alimentos. Depois de haver esmolado em Vesali e de haver retornado, após a refeição, ele foi até o Abençoado e depois de cumprimentá-lo sentou a um lado e relatou tudo que havia ocorrido. [O Abençoado disse:]

“Assim é, Ananda, assim é! É de se esperar que qualquer um, Ananda – quer seja bhikkhu ou bhikkhuni – que permaneça com a mente bem estabelecida nos quatro fundamentos da atenção plena, perceba estágios sucessivos de elevada distinção.

“Quais quatro? Neste caso, Ananda, um bhikkhu permanece contemplando o corpo como um corpo, ardente, plenamente consciente e com atenção plena, tendo colocado de lado a cobiça e o desprazer pelo mundo. Enquanto ele está contemplando o corpo como um corpo, surge nele, baseado no corpo, quer seja uma febre no corpo ou letargia mental ou a mente dele é distraída no exterior. Aquele bhikkhu deveria então dirigir a mente para um sinal inspirador. [2] Quando ele dirige a mente para algum sinal inspirador, a satisfação surge. Quando há satisfação, o êxtase surge. Quando a mente é alçada pelo êxtase, o corpo fica tranqüilo. Com o corpo tranqüilo, ele experimenta a felicidade. A mente daquele que sente felicidade, se torna concentrada. Ele pensa assim: ‘O propósito pelo qual dirigi a minha mente foi alcançado. Agora irei afastá-la.’ [3] Assim, ele afasta a mente e não aplica ou sustenta o pensamento. Ele compreende: ‘Sem o pensamento aplicado e sustentado, com atenção plena, eu sinto felicidade.’ [4]

“Outra vez, um bhikkhu permanece contemplando as sensações como sensações ... mente como mente ... objetos mentais como objetos mentais, ardente, plenamente consciente e com atenção plena, tendo colocado de lado a cobiça e o desprazer pelo mundo. Enquanto ele está contemplando os objetos mentais como objetos mentais, surge nele, baseado nos objetos mentais, quer seja uma febre no corpo ou letargia mental ou a mente dele é distraída no exterior. Aquele bhikkhu deveria então dirigir a mente para um sinal inspirador. Quando ele dirige a mente para algum sinal inspirador ... Ele compreende: ‘Sem o pensamento aplicado e sustentado, com atenção plena, eu sinto felicidade.’

“É desse modo, Ananda, que há a meditação dirigida.

“E como, Ananda, há a meditação não dirigida? Não dirigindo a mente para o exterior, um bhikkhu compreende: ‘A minha mente não está dirigida para o exterior.’ Então ele compreende: ‘Ela está sem limitações depois e antes, libertada, não dirigida.’ [5] Além disso, ele entende: ‘Eu permaneço contemplando o corpo como um corpo, ardente, plenamente consciente e com atenção plena; eu sinto felicidade.’

“Não dirigindo a mente para o exterior, um bhikkhu compreende: ‘A minha mente não está dirigida para o exterior.’ Então ele compreende: ‘Ela está sem limitações depois e antes, libertada, não dirigida.’ Além disso, ele entende: ‘Eu permaneço contemplando as sensações como sensações, ardente, plenamente consciente e com atenção plena; eu sinto felicidade.’

“Não dirigindo a mente ao exterior, um bhikkhu compreende: ‘A minha mente não está dirigida ao exterior.’ Então ele compreende: ‘Ela está sem limitações depois e antes, libertada, não dirigida.’ Além disso ele entende: ‘Eu permaneço contemplando a mente como mente, ardente, plenamente consciente e com atenção plena; eu sinto felicidade.’

“Não dirigindo a mente para o exterior, um bhikkhu compreende: ‘A minha mente não está dirigida para o exterior.’ Então ele compreende: ‘Ela está sem limitações depois e antes, libertada, não dirigida.’ Além disso, ele entende: ‘Eu permaneço contemplando os objetos mentais como objetos mentais, ardente, plenamente consciente e com atenção plena; eu sinto felicidade.’

“É desse modo, Ananda, que há a meditação não dirigida.

“Portanto, Ananda, eu ensinei a meditação dirigida, eu ensinei a meditação não dirigida. Aquilo que por compaixão um Mestre deveria fazer para os seus discípulos, desejando o bem estar deles, isso eu fiz por você, Ananda. Ali estão aquelas árvores, aquelas cabanas vazias. Medite, Ananda, não adie ou então você irá se arrepender mais tarde. Essa é a nossa instrução para você."

Isso foi o que disse o Abençoado. O Venerável Ananda ficou satisfeito e contente com as palavras do Abençoado.

 


 

Notas:

[1] O comentário explica que se trata de estágios sucessivos no desenvolvimento da sabedoria como a compreensão dos quatro elementos primários e a atribuição das três características a todas as formações. [Retorna]

[2] As contaminações produzem uma febre tendo o corpo como base. Quando isso acontece o meditador não deve ficar excitado com as contaminações mas deve dirigir a mente para algum objeto que inspire confiança, como por exemplo o Buda. [Retorna]

[3] “Vou afastá-la do objeto inspirador e redirecioná-la para o objeto de meditação original.” [Retorna]

[4] O comentário explica que isto significa “sem o pensamento aplicado e sustentado contaminado,” mas a ausência do pensamento aplicado e sustentado, (vitakka, vicara), pressupõe que ele alcançou o segundo jhana. [Retorna]

[5] Veja o SN LI.20 – nota 1. [Retorna]

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 16 Abril 2005

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.