Samyutta Nikaya XLVI.6

Kundaliya Sutta

Kundaliya

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


Em certa ocasião, o Abençoado estava em Saketa no Parque do Gamo de Anjana. Então, o errante Kundaliya foi até o Abençoado e ambos se cumprimentaram. Quando a conversa cortês e amigável havia terminado ele sentou a um lado e disse:

“Mestre Gotama, eu sou um daqueles que permanece nos parques monásticos e freqüenta assembléias. Depois da refeição, quando já terminei meu desjejum, meu hábito é vagar e perambular de parque em parque, de jardim em jardim. Lá eu vejo alguns contemplativos e brâmanes participando em discussões com o propósito de defenderem as suas próprias doutrinas em debate e condenar [as doutrinas dos outros]. Mas por qual propósito vive o Mestre Gotama?”

“Kundaliya, o Tathagata vive pelo benefício e fruto do verdadeiro conhecimento e libertação.”

“Mas, Mestre Gotama, quais coisas, quando desenvolvidas e cultivadas, realizam o verdadeiro conhecimento e libertação?”

“Os sete fatores da iluminação, Kundaliya, quando desenvolvidos e cultivados realizam o verdadeiro conhecimento e libertação.”

“Mas, Mestre Gotama, quais coisas, quando desenvolvidas e cultivadas, realizam os sete fatores da iluminação?”

“Os quatro fundamentos da atenção plena, Kundaliya, quando desenvolvidos e cultivados realizam os sete fatores da iluminação.”

“Mas, Mestre Gotama, quais coisas, quando desenvolvidas e cultivadas, realizam os quatro fundamentos da atenção plena?”

“Os três tipos de conduta benéfica, Kundaliya, quando desenvolvidos e cultivados realizam os quatro fundamentos da atenção plena.”

“Mas, Mestre Gotama, quais coisas, quando desenvolvidas e cultivadas, realizam os três tipos de conduta benéfica?”

“A contenção das faculdades dos sentidos, Kundaliya, quando desenvolvida e cultivada realiza os três tipos de conduta benéfica.

“E como, Kundaliya, a contenção das faculdades dos sentidos é desenvolvida e cultivada para realizar os três tipos de conduta benéfica? Neste caso, Kundaliya, tendo visto uma forma agradável com o olho, um bhikkhu não a deseja ou fica excitado com ela, ou gera cobiça por ela. O seu corpo permanece firme e a sua mente permanece firme, tranquilos no interior e bem libertados. E tendo visto uma forma desagradável com o olho, ele não fica consternado por isso, não fica intimidado, não fica deprimido, ele permanece sem má vontade. O seu corpo permanece firme e a sua mente permanece firme, tranquilos no interior e bem libertados.

“Além disso, Kundaliya, tendo ouvido um som agradável com o ouvido ... tendo cheirado um aroma agradável com o nariz ... tendo saboreado um sabor agradável com a língua ... tendo tocado um tangível agradável com o corpo ... tendo conscientizado um objeto mental agradável com a mente, um bhikkhu não o deseja, ou fica excitado com ele ou gera cobiça por ele. O seu corpo permanece firme e a sua mente permanece firme, tranquilos no interior e bem libertados. E tendo ouvido um som desagradável com o ouvido ... tendo conscientizado um objeto mental desagradável com a mente, ele não fica consternado por isso, não fica intimidado, não fica deprimido, ele permanece sem má vontade. O seu corpo permanece firme e a sua mente permanece firme, tranquilos no interior e bem libertados.

“Quando, Kundaliya, depois de ter visto uma forma com o olho, o corpo e a mente do bhikkhu permanecerem firmes, tranquilos no interior e bem libertados em relação a ambas, as formas agradáveis e as desagradáveis; quando, depois dele ter ouvido um som com o ouvido ... cheirado um aroma com o nariz ... saboreado um sabor com a língua ... tocado um tangível com o corpo ... conscientizado um objeto mental com a mente, o corpo e a mente do bhikkhu permanecerem firmes, tranquilos no interior e bem libertados em relação a ambos, os objetos mentais agradáveis e os desagradáveis, então a sua contenção das faculdades dos sentidos terá sido desenvolvida e cultivada para ele realizar os três tipos de conduta benéfica.

“E como, Kundaliya, os três tipos de conduta benéfica são desenvolvidos e cultivados para realizar os quatro fundamentos da atenção plena? Neste caso, Kundaliya, tendo abandonado a conduta corporal imprópria, um bhikkhu desenvolve a conduta corporal apropriada; tendo abandonado a conduta verbal imprópria, um bhikkhu desenvolve a conduta verbal apropriada; tendo abandonado a conduta mental imprópria, um bhikkhu desenvolve a conduta mental apropriada. É dessa forma que os três tipos de conduta benéfica são desenvolvidos e cultivados para realizar os quatro fundamentos da atenção plena.

“E como, Kundaliya, os quatro fundamentos da atenção plena são desenvolvidos e cultivados para realizar os sete fatores da iluminação? Neste caso, Kundaliya, um bhikkhu permanece contemplando o corpo como um corpo, ardente, plenamente consciente e com atenção plena, tendo colocado de lado a cobiça e o desprazer pelo mundo. Ele permanece contemplando as sensações como sensações ... a mente como mente ... os objetos mentais como objetos mentais, ardente, plenamente consciente e com atenção plena, tendo colocado de lado a cobiça e o desprazer pelo mundo. É dessa forma que os quatro fundamentos da atenção plena são desenvolvidos e cultivados para realizar os sete fatores da iluminação.

“E como, Kundaliya, os sete fatores da iluminação são desenvolvidos e cultivados para realizar o verdadeiro conhecimento e libertação? Neste caso, Kundaliya, um bhikkhu desenvolve o fator da iluminação da atenção plena, que tem como base o afastamento, desapego e cessação que amadurece no abandono [1] ... ele desenvolve o fator da iluminação da equanimidade, que tem como base o afastamento, desapego e cessação que amadurece no abandono. É dessa forma que os sete fatores da iluminação são desenvolvidos e cultivados para realizar o verdadeiro conhecimento e libertação.”

Quando isso foi dito, o errante Kundaliya disse para o Abençoado: “Magnífico, Mestre Gotama! Magnífico, Mestre Gotama! Mestre Gotama esclareceu o Dhamma de várias formas, como se tivesse colocado em pé o que estava de cabeça para baixo, revelasse o que estava escondido, mostrasse o caminho para alguém que estivesse perdido ou segurasse uma lâmpada no escuro para aqueles que possuem visão pudessem ver as formas. Eu busco refúgio no Mestre Gotama, no Dhamma e na Sangha dos bhikkhus. Que o Mestre Gotama me aceite como o discípulo leigo que buscou refúgio para o resto da vida.”

 


 

Notas:

[1] O afastamento, (viveka), pode ser de cinco tipos: (i) em relação a um aspecto em particular (temporário, através da prática de insight); (ii) através da supressão (temporário, ao alcançar os jhanas); (iii) através da erradicação (permanente, através do caminho supramundano); (iv) através do apaziguamento ( permanente, através do fruto do caminho supramundano); (v) através da escapatória (permanente, em Nibbana). A mesma explicação se aplica ao desapego, (viraga), e à cessação, (nirodha). O abandono se refere ao abandono das contaminações. [Retorna]

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 16 Abril 2013

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.