Samyutta Nikaya XLVI.54

Mettasahagata Sutta

Acompanhado pelo Amor Bondade

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


Em certa ocasião, o Abençoado estava entre os Koliyas numa cidade denominada Haliddavasana. Então, ao amanhecer, vários bhikkhus se vestiram e tomando as suas tigelas e os mantos externos foram para Haliddavasana para esmolar alimentos. Então, eles pensaram: “Ainda é muito cedo para esmolar alimentos em Haliddavasana. E se nós fossemos até o parque dos errantes de outras seitas,” e assim eles foram até o parque dos errantes de outras seitas e ao chegar os cumprimentaram. Quando a conversa amigável e cortês havia terminado, eles sentaram a um lado. Os errantes lhes disseram:

“Amigos, o contemplativo Gotama ensina o Dhamma aos seus discípulos deste modo: ‘Venham, bhikkhus, abandonem os cinco obstáculos, as corrupções da mente que enfraquecem a sabedoria e permaneçam permeando o primeiro quadrante com a mente imbuída de amor bondade, do mesmo modo o segundo, do mesmo modo o terceiro, do mesmo modo o quarto; assim acima, abaixo, em volta e em todos os lugares, para todos bem como para si mesmos, permaneçam permeando o mundo todo com a mente imbuída de amor bondade, abundante, transcendente, imensurável, sem hostilidade e sem má vontade. Permaneçam permeando o primeiro quadrante com a mente imbuída de compaixão, do mesmo modo o segundo, do mesmo modo o terceiro, do mesmo modo o quarto; assim acima, abaixo, em volta e em todos os lugares, para todos bem como para si mesmos, permaneçam permeando o mundo todo com a mente imbuída de compaixão, abundante, transcendente, imensurável, sem hostilidade e sem má vontade. Permaneçam permeando o primeiro quadrante com a mente imbuída de alegria altruísta, do mesmo modo o segundo, do mesmo modo o terceiro, do mesmo modo o quarto; assim acima, abaixo, em volta e em todos os lugares, para todos bem como para si mesmos, permaneçam permeando o mundo todo com a mente imbuída de alegria altruísta, abundante, transcendente, imensurável, sem hostilidade e sem má vontade. Permaneçam permeando o primeiro quadrante com a mente imbuída de equanimidade, do mesmo modo o segundo, do mesmo modo o terceiro, do mesmo modo o quarto; assim acima, abaixo, em volta e em todos os lugares, para todos bem como para si mesmos, permaneçam permeando o mundo todo com a mente imbuída de equanimidade, abundante, transcendente, imensurável, sem hostilidade e sem má vontade.’

“Nós também, amigos, ensinamos aos nossos discípulos desta maneira: ‘Venham, amigos, abandonem os cinco obstáculos ... (igual acima) ... permaneçam permeando o mundo todo com a mente imbuída de amor bondade ... compaixão ... alegria altruísta ... equanimidade ... sem má vontade.’ Qual é então a distinção, amigos, qual é a variação, qual é a diferença entre o ensinamento do Dhamma do contemplativo Gotama e o nosso, entre as instruções dele e as nossas?”

Então, aqueles bhikkhus nem aprovaram nem desaprovaram as palavras dos errantes. Sem dizer isto ou aquilo eles se levantaram dos seus assentos e foram embora, pensando: “Devemos entender o significado dessas palavras na presença do Abençoado.”

Depois de terem esmolado alimentos em Haliddavasana e retornado, após a refeição eles foram até o Abençoado e depois de cumprimentá-lo sentaram a um lado e relataram o que havia ocorrido. [O Abençoado disse:]

“Bhikkhus, os errantes de outras seitas que assim falam devem ser questionados da seguinte forma: ‘Amigos, como é desenvolvida a libertação da mente através do amor bondade? Qual é o seu destino, o seu clímax, o seu fruto, o seu objetivo último? Como é desenvolvida a libertação da mente através da compaixão? Qual é o seu destino, o seu clímax, o seu fruto, o seu objetivo último? Como é desenvolvida a libertação da mente através da alegria altruísta? Qual é o seu destino, o seu clímax, o seu fruto, o seu objetivo último? Como é desenvolvida a libertação da mente através da equanimidade? Qual é o seu destino, o seu clímax, o seu fruto, o seu objetivo último?’ Sendo questionados dessa forma, os errantes de outras seitas fracassarão na exposição desse assunto, e mais ainda, eles se meterão em dificuldades. Por que isso? Porque não é o território deles. Bhikkhus, eu não vejo ninguém no mundo com os seus devas, Maras e Brahmas, esta população com os seus contemplativos e brâmanes, seus príncipes e povo, que pudesse satisfazer a mente com uma resposta a essas questões, exceto o Tathagata ou os seus discípulos, ou alguém que tenha aprendido com eles.

“E como, bhikkhus, é desenvolvida a libertação da mente através do amor bondade? Qual é o seu destino, o seu clímax, o seu fruto, o seu objetivo último? Nesse caso, bhikkhus, um bhikkhu desenvolve o fator da iluminação da atenção plena acompanhado pelo amor bondade ... ele desenvolve o fator da iluminação da equanimidade acompanhado pelo amor bondade, que tem como base o afastamento, desapego e cessação, que amadurece no abandono. [1] Se ele desejar: ‘Que eu permaneça percebendo o repulsivo no não repulsivo,’ ele permanece percebendo o repulsivo naquilo. Se ele desejar: ‘Que eu permaneça percebendo o não repulsivo no repulsivo,’ ele permanece percebendo o não repulsivo naquilo. Se ele desejar: ‘Que eu permaneça percebendo o repulsivo no não repulsivo e no repulsivo,’ ele permanece percebendo o repulsivo naquilo. Se ele desejar: ‘Que eu permaneça percebendo o não repulsivo no repulsivo e no não repulsivo,’ ele permanece percebendo o não repulsivo naquilo. Se ele desejar: ‘Evitando ambos, o não repulsivo e o repulsivo, que eu permaneça equânime, com atenção plena e plena consciência,’ então, ele permanece assim equânime, com atenção plena e plena consciência. [2] Ou então, ele entra e permanece na libertação do belo. Bhikkhus, a libertação da mente através do amor bondade tem o belo como seu clímax, eu digo, para um bhikkhu sábio, aqui, que não tenha penetrado uma libertação superior.

“E como, bhikkhus, é desenvolvida a libertação da mente através da compaixão? Qual é o seu destino, o seu clímax, o seu fruto, o seu objetivo último? Nesse caso, bhikkhus, um bhikkhu desenvolve o fator da iluminação da atenção plena acompanhado pela compaixão ... ele desenvolve o fator da iluminação da equanimidade acompanhado pela compaixão que tem como base o isolamento, desapego e cessação, que amadurece na libertação. Se ele desejar: ‘Que eu permaneça percebendo o repulsivo no não repulsivo,’ ele permanece percebendo o repulsivo naquilo ... Se ele desejar: ‘Evitando ambos, o não repulsivo e o repulsivo, que eu permaneça equânime, com atenção plena e plena consciência,’ então, ele permanece assim equânime, com atenção plena e plena consciência. Ou então, com a completa superação das percepções da forma, com o desaparecimento das percepções do contato sensorial, sem dar atenção às percepções da diversidade, consciente de que o ‘espaço é infinito’ ele entra e permanece na base do espaço infinito. Bhikkhus, a libertação da mente através da compaixão tem a base do espaço infinito como seu clímax, eu digo, para um bhikkhu sábio, aqui, que não tenha penetrado uma libertação superior.

“E como, bhikkhus, é desenvolvida a libertação da mente através da alegria altruísta? Qual é o seu destino, o seu clímax, o seu fruto, o seu objetivo último? Nesse caso, bhikkhus, um bhikkhu desenvolve o fator da iluminação da atenção plena acompanhado pela alegria altruísta ... ele desenvolve o fator da iluminação da equanimidade acompanhado pela alegria altruísta, que tem como base o isolamento, desapego e cessação, que amadurece na libertação. Se ele desejar: ‘Que eu permaneça percebendo o repulsivo no não repulsivo,’ ele permanece percebendo o repulsivo naquilo ... Se ele desejar: ‘Evitando ambos, o não repulsivo e o repulsivo, que eu permaneça equânime, com atenção plena e plena consciência,’ então, ele permanece assim equânime, com atenção plena e plena consciência. Ou então, com a completa superação da base do espaço infinito, consciente de que a ‘consciência é infinita,’ ele entra e permanece na base da consciência infinita. Bhikkhus, a libertação da mente através da alegria altruísta tem a base da consciência infinita como seu clímax, eu digo, para um bhikkhu sábio, aqui, que não tenha penetrado uma libertação superior.

“E como, bhikkhus, é desenvolvida a libertação da mente através da equanimidade? Qual é o seu destino, o seu clímax, o seu fruto, o seu objetivo último? Nesse caso, bhikkhus, um bhikkhu desenvolve o fator da iluminação da atenção plena acompanhado pela equanimidade ... ele desenvolve o fator da iluminação da equanimidade acompanhado pela equanimidade, que tem como base o isolamento, desapego e cessação, que amadurece na libertação. Se ele desejar: ‘Que eu permaneça percebendo o repulsivo no não repulsivo,’ ele permanece percebendo o repulsivo naquilo ... Se ele desejar: ‘Evitando ambos, o não repulsivo e o repulsivo, que eu permaneça equânime, com atenção plena e plena consciência,’ então, ele permanece assim equânime, com atenção plena e plena consciência. Ou então, com a completa superação da base da consciência infinita, consciente de que ‘não há nada,’ ele entra e permanece na base do nada. Bhikkhus, a libertação da mente através da equanimidade tem a base do nada como seu clímax, eu digo, para um bhikkhu sábio, aqui, que não tenha penetrado uma libertação superior.”

 


 

Notas:

[1] Esta combinação dos fatores da iluminação com os brahmaviharas é incomum. Por si só os brahmaviharas conduzem ao renascimento nos mundos de Brahma e não a Nibbana. No entanto, quando eles são integrados na estrutura do caminho Budista, podem ser usados para gerar a concentração que irá servir como base para o insight e que por seu turno resultará na iluminação. [Retorna]

[2] (i) Para perceber o repulsivo no não repulsivo ele permeia um objeto não repulsivo, (por ex. uma pessoa atraente), com a percepção dos muitos tipos de impurezas no corpo ou o trata como impermanente; (ii) para perceber o não repulsivo no repulsivo ele permeia um objeto repulsivo, (ex. uma pessoa enraivecida), com amor bondade ou o trata como elementos; (iii) e (iv) simplesmente estende os dois primeiros modos de percepção a ambos os tipos de objeto conjuntamente; (v) é auto-explicativo. [Retorna]

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 16 Abril 2005

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.