Samyutta Nikaya XLVI.3

Sila Sutta

Virtude

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


“Bhikkhus, aqueles bhikkhus consumados na virtude, consumados na concentração, consumados na sabedoria, consumados na libertação, consumados no conhecimento e visão da libertação: até mesmo ver esses bhikkhus é benéfico, eu digo; até mesmo ouví-los ... até mesmo aproximar-se deles ... até mesmo assistí-los ... até mesmo recordar-se deles ... até mesmo seguir a vida santa sob eles é benéfico, eu digo. Por que razão? Porque quando alguém ouviu o Dhamma desses bhikkhus, ele permanece isolado através de dois tipos de isolamento: isolamento do corpo e isolamento da mente.

“Permanecendo assim isolado, ele se recorda do Dhamma e reflete sobre isso. Sempre, bhikkhus, que um bhikkhu, permanecendo assim isolado, se recordar do Dhamma e refletir sobre isso, nessa ocasião o fator da iluminação da atenção plena será estimulado pelo bhikkhu; nessa ocasião o bhikkhu desenvolverá o fator da iluminação da atenção plena; nessa ocasião o fator da iluminação da atenção plena alcançará a sua plenitude através do seu desenvolvimento naquele bhikkhu. [1]

“Permanecendo assim com atenção plena, ele investiga aquele Dhamma com sabedoria, ele o examina, faz uma análise. Sempre, bhikkhus, que um bhikkhu permanece assim com atenção plena, nessa ocasião o fator da iluminação da investigação dos fenômenos é estimulado pelo bhikkhu; nessa ocasião o bhikkhu desenvolve o fator da iluminação da investigação dos fenômenos; nessa ocasião o fator da iluminação da investigação dos fenômenos alcança a sua plenitude através do seu desenvolvimento naquele bhikkhu.

“Enquanto ele investiga aquele Dhamma com sabedoria, ele o examina, faz uma análise, a energia dele é estimulada sem enfraquecimento. Sempre, bhikkhus, que a energia de um bhikkhu é estimulada sem enfraquecimento, enquanto ele investiga aquele Dhamma com sabedoria, nessa ocasião o fator da iluminação da energia é estimulado pelo bhikkhu; nessa ocasião o bhikkhu desenvolve o fator da iluminação da energia; nessa ocasião o fator da iluminação da energia alcança a sua plenitude através do seu desenvolvimento naquele bhikkhu.

“Quando a energia dele é estimulada, surge nele o êxtase. Sempre, bhikkhus, que o êxtase surge num bhikkhu cuja energia é estimulada, nessa ocasião o fator da iluminação do êxtase é estimulado pelo bhikkhu; nessa ocasião, o bhikkhu desenvolve o fator da iluminação do êxtase; nessa ocasião o fator da iluminação do êxtase alcança a sua plenitude através do seu desenvolvimento naquele bhikkhu.

“Naquele cuja mente está elevada pelo êxtase, o corpo fica calmo e a mente fica tranqüila. Sempre, bhikkhus, que o corpo fica calmo e a mente fica tranqüila num bhikkhu cuja mente está elevada pelo êxtase, nessa ocasião, o fator da iluminação da tranqüilidade é estimulado pelo bhikkhu; nessa ocasião, o bhikkhu desenvolve o fator da iluminação da tranqüilidade; nessa ocasião, o fator da iluminação da tranqüilidade alcança a sua plenitude através do seu desenvolvimento naquele bhikkhu.

“Naquele em que o corpo está calmo e que sente felicidade, a mente se torna concentrada. Sempre, bhikkhus, que a mente fica concentrada num bhikkhu cujo corpo está calmo e que sente felicidade, nessa ocasião, o fator da iluminação da concentração é estimulado pelo bhikkhu; nessa ocasião, o bhikkhu desenvolve o fator da iluminação da concentração; nessa ocasião, o fator da iluminação da concentração alcança a sua plenitude através do seu desenvolvimento naquele bhikkhu.

“Ele olha de perto com equanimidade para a mente assim concentrada. Sempre, bhikkhus, que um bhikkhu olhar de perto para a mente assim concentrada, nessa ocasião, o fator da iluminação da equanimidade será estimulado pelo bhikkhu; nessa ocasião, o bhikkhu desenvolverá o fator da iluminação da equanimidade; nessa ocasião, o fator da iluminação da equanimidade alcançará a sua plenitude através do seu desenvolvimento naquele bhikkhu.

“Bhikkhus, quando esses sete fatores da iluminação tiverem sido desenvolvidos e cultivados desse modo, sete frutos e benefícios podem ser esperados. Quais são os sete frutos e benefícios?

“Ele realiza o conhecimento supremo cedo nesta mesma vida.

“Se ele não realizar o conhecimento supremo cedo nesta mesma vida, então ele realizará o conhecimento supremo ao morrer.

“Se ele não realizar o conhecimento supremo cedo nesta mesma vida ou ao morrer, então, com a completa destruição dos cinco primeiros grilhões, ele realiza Nibbana no intervalo.[2]

“Se ele não realizar o conhecimento supremo cedo nesta mesma vida ... ou Nibbana não for realizado no intervalo, então, com a completa destruição dos cinco primeiros grilhões, Nibbana é realizado ao pousar.

“Se ele não realizar o conhecimento supremo cedo nesta mesma vida ... ou Nibbana não for realizado ao pousar, então, com a completa destruição dos cinco primeiros grilhões, Nibbana é realizado sem esforço.

“Se ele não realizar o conhecimento supremo cedo nesta mesma vida ... ou Nibbana não for realizado sem esforço, então, com a completa destruição dos cinco primeiros grilhões, Nibbana é realizado com esforço.

“Se ele não realizar o conhecimento supremo cedo nesta mesma vida ... ou Nibbana não for realizado com esforço, então, com a completa destruição dos cinco primeiros grilhões, ele estará destinado a um plano superior, o plano Akanittha.

“Quando, bhikkhus, os sete fatores da iluminação tiverem sido desenvolvidos e cultivados desse modo, esses sete frutos e benefícios podem ser esperados.”

 


 

Notas:

[1] As três fases empregadas para descrever o cultivo de cada fator da iluminação podem ser entendidas como descrição dos três estágios sucessivos de desenvolvimento: estímulo inicial, amadurecimento e plenitude. [Retorna]

[2] Esta classificação dos que não retornam, (anagami), em cinco tipos aparece também em outros suttas. De acordo com o comentário “realizar Nibbana no intervalo” significa aquele que renasce nas Moradas Puras e realiza o estado de arahant na primeira metade do tempo de vida. Esse tipo é subdividido em três, dependendo se o estado de arahant for realizado: (i) no mesmo dia do renascimento; (ii) depois de passar 100 ou 200 éons; ou (iii) depois de passar 400 éons. “Realizar Nibbana ao pousar” é explicado como aquele que realiza o estado de arahant depois de transcorrida a primeira metade do tempo de vida. Para o comentário, realizar Nibbana com esforço ou sem esforço são os modos através dos quais os dois primeiros tipos de anagami realizam Nibbana. No entanto, essa explicação do comentário desconsidera o sentido literal da denominação dos dois primeiros tipos e também desconsidera a natureza seqüencial e mutuamente exclusiva dos cinco tipos como descrito em outros suttas (AN IV 70-74). Se então entendermos os termos no seu sentido literal, como parece ser o correto, realizar Nibbana no intervalo significa realizar Nibbana no intervalo entre duas vidas, talvez num estado intermediário. Nibbana ao pousar seria realizar Nibbana ao renascer na nova existência. Os dois termos seguintes designam dois tipos que realizam Nibbana ao longo da vida seguinte, com distintos graus de esforço. O último é aquele que renasce em planos sucessivos nas Moradas Puras, completando o tempo de vida em cada um, até realizar o estado de arahant no plano Akanittha, que é o plano mais elevado das Moradas Puras. [Retorna]

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 1 Junho 2015

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.