Samyutta Nikaya XLII.8

Sakhadhamma Sutta

Trompetista

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


Certa ocasião o Abençoado estava em Nalanda no Manguezal de Pavarika. Então, o chefe tribal Asibandhakaputta, um discípulo dos niganthas, foi até o Abençoado e depois de cumprimentá-lo sentou a um lado. O Abençoado disse:

"De que modo, chefe tribal, o Nigantha Nataputta ensina o Dhamma aos seus discípulos?"

"Venerável senhor, o Nigantha Nataputta ensina o Dhamma aos seus discípulos assim: 'Qualquer um que mate seres vivos está destinado a um estado de privação, ao inferno. Qualquer um que tome aquilo que não for dado está destinado a um estado de privação, ao inferno. Qualquer um que pratique a conduta sexual imprópria está destinado a um estado de privação, ao inferno. Qualquer um que fale mentiras está destinado a um estado de privação, ao inferno. A pessoa é conduzida ao renascimento pelo modo em que ela habitualmente permanece.' É desse modo que o Nigantha Nataputta ensina o Dhamma aos seus discípulos."

"Chefe tribal, se fosse o caso de que cada um é conduzido ao renascimento pelo modo em que habitualmente permanece, então de acordo com a palavra do Nigantha Nataputta, ninguém estaria destinado a um estado de privação, ao inferno. O que você pensa, chefe tribal? No caso de alguém que mata seres vivos, se for comparada uma ocasião com a outra, durante o dia ou durante a noite, qual é mais frequente: as ocasiões em que ele mata seres vivos ou aquelas em que ele não faz isso?"

"No caso de alguém que mata seres vivos, venerável senhor, se for comparada uma ocasião com a outra, durante o dia ou durante a noite, as ocasiões em que ele está matando seres vivos são menos frequentes enquanto que aquelas em que ele não faz isso são mais frequentes."

"Portanto, chefe tribal, se fosse o caso de que cada um é conduzido ao renascimento pelo modo em que habitualmente permanece, então de acordo com a palavra do Nigantha Nataputta, ninguém estaria destinado a um estado de privação, ao inferno.

"O que você pensa, chefe tribal? No caso de alguém que toma aquilo que não for dado ... pratica a conduta sexual imprópria ... fala mentiras, se for comparada uma ocasião com a outra, durante o dia ou durante a noite, qual é mais frequente: as ocasiões em que ele fala mentiras ou aquelas em que ele não faz isso?"

"No caso de alguém que fala mentiras, venerável senhor, se for comparada uma ocasião com a outra, durante o dia ou durante a noite, as ocasiões em que ele está falando mentiras são menos frequentes enquanto que aquelas em que ele não faz isso são mais frequentes."

"Portanto, chefe tribal, se fosse o caso de que cada um é conduzido ao renascimento pelo modo em que habitualmente permanece, então de acordo com a palavra do Nigantha Nataputta, ninguém estaria destinado a um estado de privação, ao inferno.

"Aqui, chefe tribal, um determinado mestre tem uma doutrina e entendimento assim: 'Qualquer um que mate seres vivos ... que tome aquilo que não for dado ... pratique a conduta sexual imprópria ... fale mentiras está destinado a um estado de privação, ao inferno.' Então um discípulo tem plena convicção naquele mestre. Ele pensa: 'Meu mestre tem uma doutrina e entendimento assim: "Qualquer um que mate seres vivos está destinado a um estado de privação, ao inferno." Agora, eu matei seres vivos, então eu também estou destinado a um estado de privação, ao inferno.' Assim ele obtém esse entendimento. Se ele não abandonar essa asserção e esse estado mental, e se ele não abandonar esse entendimento, então de acordo com o seu merecimento ele será, como se fosse, soltado no inferno.

"Ele pensa: 'Meu mestre tem uma doutrina e entendimento assim: "Qualquer um que tome aquilo que não for dado ... pratique a conduta sexual imprópria ... fale mentiras está destinado a um estado de privação, ao inferno." Agora, eu menti, então eu também estou destinado a um estado de privação, ao inferno.' Assim ele obtém esse entendimento. Se ele não abandonar essa asserção e esse estado mental, e se ele não abandonar esse entendimento, então de acordo com o seu merecimento ele será, como se fosse, soltado no inferno.

"Mas aqui, um Tathagata surge no mundo, um arahant perfeitamente iluminado, consumado no verdadeiro conhecimento e conduta, bem-aventurado, conhecedor dos mundos, um líder insuperável de pessoas preparadas para serem treinadas, mestre de devas e humanos, desperto, sublime. De muitas formas ele critica e censura matar seres vivos, e ele diz: 'Abstenham-se de matar seres vivos.' Ele critica e censura tomar aquilo que não for dado, e ele diz: 'Abstenham-se de tomar aquilo que não for dado.' Ele critica e censura a conduta sexual imprópria, e ele diz: 'Abstenham-se da conduta sexual imprópria.' Ele critica e censura a linguagem mentirosa, e ele diz: 'Abstenham-se de falar mentiras.'

"Então um discípulo tem plena convicção naquele mestre. Ele pensa: 'Meu mestre tem uma doutrina e entendimento assim: De muitas formas o Abençoado critica e censura matar seres vivos, e ele diz: 'Abstenham-se de matar seres vivos.' Agora, eu matei seres vivos. Isso não foi apropriado; isso não foi bom. Mas embora eu me arrependa disso, essa minha ação ruim não pode ser desfeita.' Tendo refletido dessa forma, ele abandona matar seres vivos e se abstém de matar seres vivos no futuro. Assim ocorre o abandono daquela ação ruim, assim ocorre a transcendência daquela ação ruim.

"Ele pensa: 'Meu mestre tem uma doutrina e entendimento assim: "De muitas formas o Abençoado critica e censura tomar aquilo que não for dado ... praticar a conduta sexual imprópria ... falar mentiras, e ele diz: 'Abstenham-se de falar mentiras.' Agora, eu falei mentiras. Isso não foi apropriado; isso não foi bom. Mas embora eu me arrependa disso, essa minha ação ruim não pode ser desfeita.' Tendo refletido dessa forma, ele abandona falar mentiras e se abstém falar mentiras no futuro. Assim ocorre o abandono daquela ação ruim, assim ocorre a transcendência daquela ação ruim.

"Tendo abandonado matar seres vivos, ele se abstém de matar seres vivos, tendo abandonado tomar aquilo que não for dado, ele se abstém de tomar aquilo que não for dado, tendo abandonado a conduta sexual imprópria, ele se abstém da conduta sexual imprópria, tendo abandonado falar mentiras, ele se abstém de falar mentiras, tendo abandonado a linguagem maliciosa, ele se abstém da linguagem maliciosa, tendo abandonado a linguagem grosseira, ele se abstém da linguagem grosseira, tendo abandonado a linguagem frívola, ele se abstém da linguagem frívola, tendo abandonado a cobiça, ele não tem cobiça, tendo abandonado a má vontade, ele tem uma mente sem má vontade, tendo abandonado o entendimento incorreto, ele tem o entendimento correto.

"Então, chefe tribal, aquele nobre discípulo - que assim está desprovido de cobiça, desprovido de má vontade, não confuso, com plena consciência, sempre plenamente atento - permanece permeando o primeiro quadrante com a mente imbuída de amor bondade, da mesma forma o segundo, da mesma forma o terceiro, da mesma forma o quarto; assim acima, abaixo, em volta e em todos os lugares, para todos bem como para si mesmo, ele permanece permeando o mundo todo com a mente imbuída de amor bondade, abundante, transcendente, imensurável, sem hostilidade e sem má vontade. Como se um poderoso trompetista fizesse com pouca dificuldade uma proclamação aos quatro quadrantes, da mesma forma através desta libertação da mente através do amor bondade, qualquer kamma limitante que tenha sido feito ali não permanece, não persiste. [1]

"Com o coração pleno de compaixão, ele permanece permeando o primeiro quadrante com a mente imbuída de compaixão ... Ele permanece permeando o primeiro quadrante com a mente imbuída de alegria altruísta … Ele permanece permeando o primeiro quadrante com a mente imbuída de equanimidade … abundante, transcendente, imensurável, sem hostilidade e sem má vontade. Como se um poderoso trompetista fizesse com pouca dificuldade uma proclamação aos quatro quadrantes, da mesma forma através desta libertação da mente através da equanimidade, qualquer kamma limitante que tenha sido feito ali não permanece, não persiste."

Quando isso foi dito, o chefe tribal Asibandhakaputta disse para o Abençoado:

"Magnífico, Mestre Gotama! Magnífico, Mestre Gotama! Mestre Gotama esclareceu o Dhamma de várias formas, como se tivesse colocado em pé o que estava de cabeça para baixo, revelasse o que estava escondido, mostrasse o caminho para alguém que estivesse perdido ou segurasse uma lâmpada no escuro para aqueles que possuem visão pudessem ver as formas. Eu busco refúgio no Mestre Gotama, no Dhamma e na Sangha dos bhikkhus. Que o Mestre Gotama me aceite como discípulo leigo que nele buscou refúgio para o resto da sua vida."

 


Notas:

[1] A libertação da mente através do amor bondade significa os jhanas, e o kamma que não permanece é o kamma da esfera sensual que é chamado kamma limitante.

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 16 Março 2013

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.