Samyutta Nikaya XII.22

Dasabala (dutiya) Sutta

Os Dez Poderes

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


Em Savatthi. “Bhikkhus, possuindo esses dez poderes e esses quatro tipos de intrepidez o Tathagata reivindica o lugar de líder do rebanho, ruge o seu rugido de leão nas assembléias e coloca em movimento a roda de Brahma [1] : ‘Assim é a forma, essa é a sua origem, essa é a sua cessação; assim é a sensação, essa é a sua origem, essa é a sua cessação; assim é a percepção, essa é a sua origem, essa é a sua cessação; assim são as formações volitivas, essa é a sua origem, essa é a sua cessação; assim é a consciência, essa é a sua origem, essa é a sua cessação. Portanto, quando existe isso, aquilo existe; com o surgimento disso, aquilo surge. Quando não existe isso, aquilo também não existe; com a cessação disto, aquilo cessa. Isto é, da ignorância como condição, as formações volitivas [surgem]. Das formações volitivas como condição, a consciência. Da consciência como condição, a mentalidade-materialidade (nome e forma). Da mentalidade-materialidade (nome e forma) como condição, as seis bases dos sentidos. Das seis bases dos sentidos como condição, o contato. Do contato como condição, a sensação. Da sensação como condição, o desejo. Do desejo como condição, o apego. Do apego como condição, o ser/existir. Do ser/existir como condição, o nascimento. Do nascimento como condição, então o envelhecimento e morte, tristeza, lamentação, dor, angústia e desespero surgem. Essa é a origem de toda essa massa de sofrimento. Mas do desaparecimento e cessação sem deixar vestígios dessa mesma ignorância cessam as formações volitivas. Da cessação das formações volitivas cessa a consciência. Da cessação da consciência cessa a mentalidade-materialidade (nome e forma). Da cessação da mentalidade-materialidade (nome e forma) cessam as seis bases dos sentidos. Da cessação das seis bases dos sentidos cessa o contato. Da cessação do contato cessa a sensação. Da cessação da sensação cessa o desejo. Da cessação do desejo cessa o apego. Da cessação do apego cessa o ser/existir. Da cessação do ser/existir cessa o nascimento. Da cessação do nascimento, então o envelhecimento e morte, tristeza, lamentação, dor, angústia e desespero, tudo cessa. Essa é a cessação de toda essa massa de sofrimento.”

“Bhikkhus, o Dhamma foi assim bem exposto por mim, elucidado, anunciado, revelado, despido de remendos. Quando, bhikkhus, o Dhamma foi assim bem exposto por mim, elucidado, anunciado, revelado, despido de remendos, isso é o suficiente para que o membro de um clã que seguiu a vida santa com base na fé desperte a sua energia da seguinte forma: ‘Com satisfação eu deixaria a carne e o sangue do meu corpo secar, deixando só pele, tendões e ossos, se eu não tiver atingido o que pode ser atingido através da firmeza humana, da energia humana e do esforço humano, não haverá nenhum relaxamento na minha energia.’

“Bhikkhus, a pessoa preguiçosa permanece com o sofrimento, manchada pelos estados ruins e prejudiciais, e substancial é o benefício pessoal que ela negligencia. Mas a pessoa energética permanece com a felicidade, isolada dos estados ruins e prejudiciais, e substancial é o benefício pessoal que ela alcança. Não é através do inferior que o supremo é alcançado; mas, é através do supremo que o supremo é alcançado. Bhikkhus, esta vida santa é como uma ambrosia; o Mestre está presente. Portanto, bhikkhus, despertem a sua energia para alcançar aquilo que ainda não foi alcançado, para lograr aquilo que ainda não foi logrado, para realizar aquilo que ainda não foi realizado, [com o pensamento]: ‘Dessa forma esta nossa vida santa não será estéril, mas frutuosa e fértil; e quando usamos os mantos, comida esmolada, moradia e medicamentos [que nos são oferecidos pelos outros] essas oferendas que eles nos proporcionam lhes trarão muitos frutos e benefícios.’ Assim, bhikkhus, vocês deveriam praticar.

“Considerando o seu próprio bem, bhikkhus, é o suficiente para se esforçar pelo objetivo com diligência; considerando o bem dos outros, é o suficiente para se esforçar pelo objetivo com diligência; considerando o bem de ambos, é o suficiente para se esforçar pelo objetivo com diligência.”

 


 

Notas:

[1] Veja o MN 12 para uma descrição dos dez poderes e dos quatro tipos de intrepidez do Tathagata. [Retorna].

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 2 Abril 2008

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.