Samyutta Nikaya XII.12

Moliyaphagguna Sutta

Moliyaphagguna

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


Em Savatthi. “Bhikkhus, existem esses quatro tipos de alimentos para a manutenção dos seres que já nasceram e para o sustento daqueles que estão em busca de um nascimento. Quais quatro? O alimento comida, grosseira ou sutil, o contato como o segundo, a volição mental como o terceiro e a consciência como o quarto. Estes são os quatro tipos de alimento para a manutenção dos seres que já nasceram e para o sustento daqueles que estão buscando o nascimento.

Quando isso foi dito, o venerável Moliyaphagguna disse para o Abençoado: “Venerável senhor, quem consome o alimento consciência?”

“Essa não é uma pergunta válida,” o Abençoado respondeu. “Eu não digo ‘alguém consome.’ Se eu dissesse ‘alguém consome,’ então nesse caso esta seria uma pergunta válida: ‘Venerável senhor, quem consome?’ Mas eu não falo dessa forma. Visto que não falo dessa forma, se alguém me perguntar, ‘Venerável senhor, para que o alimento consciência [é uma condição]?’ essa seria uma pergunta válida. A resposta válida a essa pergunta é: ‘O alimento consciência é uma condição para a produção de uma renovada existência futura. Quando há aquilo que foi gerado, as seis bases dos sentidos são geradas; com as seis bases dos sentidos como condição, surge o contato.’”

“Venerável senhor, quem realiza o contato?”

“Essa não é uma pergunta válida,” o Abençoado respondeu. “Eu não digo ‘alguém realiza o contato.’ Se eu dissesse ‘alguém realiza o contato,’ então nesse caso esta seria uma pergunta válida: ‘Venerável senhor, quem realiza o contato?’ Mas eu não falo dessa forma. Visto que não falo dessa forma, se alguém me perguntar, ‘Venerável senhor, com o que como condição o contato [surge]?’ essa seria uma pergunta válida. A resposta válida a essa pergunta é: ‘Com as seis bases como condição, o contato [surge]; com o contato como condição, a sensação.’”

“Venerável senhor, quem sente?”

“Essa não é uma pergunta válida,” o Abençoado respondeu. “Eu não digo ‘alguém sente.’ Se eu dissesse ‘alguém sente,’ então nesse caso esta seria uma pergunta válida: ‘Venerável senhor, quem sente?’ Mas eu não falo dessa forma. Visto que não falo dessa forma, se alguém me perguntar, ‘Venerável senhor, com o que como condição a sensação [surge]?’ essa seria uma pergunta válida. A resposta válida a essa pergunta é: ‘Com o contato como condição, a sensação [surge]; com a sensação como condição, o desejo.’”

“Venerável senhor, quem deseja?”

“Essa não é uma pergunta válida,” o Abençoado respondeu. “Eu não digo ‘alguém deseja.’ Se eu dissesse ‘alguém deseja,’ então nesse caso esta seria uma pergunta válida: ‘Venerável senhor, quem deseja?’ Mas eu não falo dessa forma. Visto que não falo dessa forma, se alguém me perguntar, ‘Venerável senhor, com o que como condição o desejo [surge]?’ essa seria uma pergunta válida. A resposta válida a essa pergunta é: ‘Com a sensação como condição, o desejo [surge]; com o desejo como condição, o apego; com o apego como condição, o ser/existir. Essa é a origem de toda essa massa de sofrimento.’”

“Mas, Phagguna, do desaparecimento e cessação sem deixar vestígios dessa mesma ignorância cessam as formações volitivas. Da cessação das formações volitivas cessa a consciência. Da cessação da consciência cessa a mentalidade-materialidade (nome e forma). Da cessação da mentalidade-materialidade (nome e forma) cessam as seis bases dos sentidos. Da cessação das seis bases dos sentidos cessa o contato. Da cessação do contato cessa a sensação. Da cessação da sensação cessa o desejo. Da cessação do desejo cessa o apego. Da cessação do apego cessa o ser/existir. Da cessação do ser/existir cessa o nascimento. Da cessação do nascimento, então o envelhecimento e morte, tristeza, lamentação, dor, angústia e desespero, tudo cessa. Essa é a cessação de toda essa massa de sofrimento.”

 


 

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 4 Setembro 2004

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.