Samyutta Nikaya LV.54

Gilana Sutta

Enfermo

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


Em certa ocasião, o Abençoado estava entre os Sakyas em Kapilavatthu, no Parque de Nigrodha. Agora, naquela ocasião um grande número de bhikkhus estavam empenhados em fazer um manto para o Abençoado, pensando: “Com este manto terminado, ao final dos três meses das chuvas, o Abençoado sairá perambulando.”

O Sakya Mahanama ouviu: “Um grande número de bhikkhus, dizem, estão empenhados em fazer um manto para o Abençoado, pensando que com aquele manto terminado, ao final dos três meses das chuvas, o Abençoado sairá perambulando.

Então, o Sakya Mahanama foi até o Abençoado e depois de cumprimentá-lo sentou a um lado e disse: “Venerável senhor, eu ouvi que um grande número de bhikkhus, dizem, estão empenhados em fazer um manto para o Abençoado ... Agora, eu não ouvi e aprendi na presença do Abençoado como um discípulo leigo sábio que esteja atormentado, sofrendo e gravemente enfermo deveria ser exortado por um outro discípulo leigo sábio.”

“Um discípulo leigo sábio, [1] Mahanama, que esteja atormentado, sofrendo e gravemente enfermo deve ser consolado por um outro discípulo leigo sábio com quatro consolações: ‘Que o venerável [2] tenha consolo. Você possui convicção comprovada no Buda assim: ‘O Abençoado é ... mestre de devas e humanos, iluminado e sublime.’ Você possui convicção comprovada no Dhamma ... na Sangha ... Você possui as virtudes apreciadas pelos nobres – intactas ... que conduzem à concentração.

“Depois que um nobre discípulo sábio, que esteja atormentado, sofrendo e gravemente enfermo tiver sido consolado por um outro discípulo leigo sábio com essas quatro consolações, ele deve ser perguntado: ‘Você está preocupado com a sua mãe e com o seu pai?’ Se ele disser: ‘Eu estou,’ deveria ser dito: ‘Mas, estimado senhor, você está sujeito à morte. Quer você fique preocupado com a sua mãe e com o seu pai ou não, você irá morrer do mesmo jeito. Portanto, por favor abandone a sua preocupação com a sua mãe e com o seu pai.”

“Se ele disser: ‘Eu abandonei a minha preocupação com a minha mãe e com o meu pai,’ ele deve ser perguntado: ‘Você está preocupado com a sua esposa e filhos?’ Se ele disser: ‘Eu estou,’ deveria ser dito: ‘Mas, estimado senhor, você está sujeito à morte. Quer você fique preocupado com a sua esposa e filhos ou não, você irá morrer do mesmo jeito. Portanto, por favor abandone a sua preocupação com a sua esposa e filhos.”

“Se ele disser: ‘Eu abandonei a minha preocupação com a minha esposa e filhos,’ ele deve ser perguntado: ‘Você está preocupado com os cinco elementos do prazer sensual humano?’ Se ele disser: ‘Eu estou,’ deveria ser dito: ‘Prazeres sensuais divinos, amigos, são mais excelentes e sublimes que os prazeres sensuais humanos. Portanto, por favor afaste a sua mente dos prazeres sensuais humanos e decida-se pelos devas do mundo dos Quatro Grandes Reis.’

“Se ele disser: ‘Minha mente foi afastada dos prazeres sensuais humanos e decidiu-se pelos devas do mundo dos Quatro Grandes Reis,’ deveria ser dito: ‘Os devas do Tavatimsa, amigo, são mais excelentes e sublimes que os devas do mundo dos Quatro Grandes Reis. Portanto, por favor afaste a sua mente dos devas do mundo dos Quatro Grandes Reis e decida-se pelos devas do Tavatimsa.

“Se ele disser: ‘Minha mente foi afastada dos devas do mundo dos Quatro Grandes Reis e decidiu-se pelos devas do Tavatimsa,’ deveria ser dito: ‘Mais excelente e sublime, amigo, que os devas do Tavatimsa são os devas do Yama ... os devas do Tusita ... os devas do Nimmanarati ... os devas do Paranimmitavasavatti ... o mundo de brahma, amigo, é mais excelente e sublime que os devas do Paranimmitavasavatti. Portanto, por favor afaste a sua mente dos devas do Paranimmitavasavatti e decida-se pelo mundo de brahma.’ [3]

“Se ele disser: ‘Minha mente foi afastada dos devas do Paranimmitavasavatti e decidiu-se pelo mundo de brahma,’ deveria ser dito: ‘Mesmo o mundo de brahma, amigo, é impermanente, instável, incluído na identidade. Portanto, por favor afaste a sua mente do mundo de brahma e dirija-a para a cessação da identidade.’ [4]

“Se ele disser: ‘Minha mente foi afastada do mundo de brahma; eu a dirigi para a cessação da identidade,’ então, Mahanama, eu digo que não há diferença entre um discípulo leigo que assim foi libertado e um bhikkhu que foi libertado faz cem anos, isto é, entre uma libertação e a outra.”

 


 

Notas:

[1] Sapañño upasako: o que se tem em mente é um que entrou na correnteza. [Retorna]

[2] Ayasma, em geral empregado ao se dirigir a monges mas com menos freqüência também empregado para discípulos leigos. [Retorna]

[3] No MN 97, Sariputta guia um brâmane que está morrendo empregando uma seqüência semelhante de reflexões, parando depois de dirigi-lo até o mundo de brahma. [Retorna]

[4] Sakayanirodha, isto é, nibbana. [Retorna]

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 16 Abril 2005

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.