Samyutta Nikaya II.9

Candima Sutta

Candima

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


Em Savatthi. Agora, naquela ocasião o jovem deva Candima havia sido seqüestrado por Rahu, o senhor dos asuras. [1] Então, recordando-se do Abençoado, o jovem deva Candima recitou o seguinte verso:

“Presto homenagem ao Buda!
Oh herói! Você está completamente libertado.
Eu estou cativo,
por favor seja o meu refúgio.”

Então, referindo-se ao jovem deva Candima, o Abençoado se dirigiu em versos a Rahu, o senhor dos asuras:

“Candima buscou refúgio
no Tathagata, o Arahant.
Liberte Candima, Oh! Rahu,
os Budas têm compaixão pelo mundo.”

Então Rahu, o senhor dos asuras, libertou o jovem deva Candima e apressado foi até Vepacitti, o senhor dos asuras.[2] Ao chegar, chocado e aterrorizado, ele ficou em pé a um lado. Então, como ele ali permanecesse, Vepacitti, o senhor dos asuras, se dirigiu a ele em versos:

“Porque, Rahu, você veio tão apressado?
Porque você libertou Candima?
Chegando como que em choque,
porque você está aí parado com medo?”

“Minha cabeça teria se partido em sete,
enquanto vivesse eu não teria paz,
se, ao ouvir os versos do Buda,
eu não tivesse libertado Candima.”

 


 

Notas:

[1] Candima é um deva que vive na mansão da Lua, o nome em si significa a Lua. É óbvio que o seu aprisionamento por Rahu significa o eclipse lunar. [Retorna]

[2] Embora Rahu e Vepacitti sejam descritos como “o senhor dos asuras”, parece que Vepacitti é o superior e Rahu um subordinado. Vepacitti é o antagonista constante de Sakka, o senhor dos devas. [Retorna]

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 5 Fevereiro 2005

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.