Samyutta Nikaya I.25

Arahant Sutta

Arahant

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


[Uma devata:]

“Se um bhikkhu é um arahant,
perfeito, com as impurezas destruídas,
alguém que possui o seu último corpo,
ele ainda assim diria, ‘Eu falo’?
e ele diria, ‘Eles falam comigo’?”[1]

[O Abençoado:]

“Quando um bhikkhu é um arahant,
perfeito, com as impurezas destruídas,
alguém que possui o seu último corpo,
ele poderá dizer, ‘Eu falo.’
e ele poderá dizer, ‘Eles falam comigo.’
Hábil, compreendendo a linguagem de uso corrente no mundo,
ele emprega esses termos como meras expressões.” [2]

[Devata:]

“Quando um bhikkhu é um arahant,
perfeito, com as impurezas destruídas,
alguém que possui o seu último corpo,
é porque ele se encontrou com a presunção
que ele diria, ‘Eu falo,’
que ele diria, ‘Eles falam comigo’?”[ 3]

[O Abençoado:]

“Aquele que abandonou por completo
a cadeia de ilusões com relação ao eu,
esses vínculos foram dispersos, não existem mais.
Rico em sabedoria, ele escapou para mais além
das concepções e suposições da mente errante.
Ele ainda poderá dizer, ‘Eu falo,’
ele também poderá dizer, ‘Eles falam comigo.’
Hábil, compreendendo a linguagem de uso corrente no mundo,
ele emprega esses termos como meras expressões.”

 


Notas:

[1] Este deva que habitava um bosque, ouviu os bhikkhus na floresta empregando expressões como “eu como, eu sento, meu manto, minha tigela, etc.” Pensando, “Eu pensei que esses bhikkhus fossem arahants, mas os arahants podem falar de uma forma que faça supor a idéia da existência de um eu?” O deva foi até o Buda e formulou a sua pergunta. [Retorna]

[2] Veja também o DN 9.53 : “Mas, Citta, esses são apenas nomes, expressões, modos de linguagem, designações de uso corrente no mundo, que o Tathagata usa sem se agarrar nelas.” [Retorna]

[3] De acordo com o comentário, neste ponto o deva pensou que enquanto que os arahants não falariam dessa forma devido a uma idéia (de um eu), eles poderiam assim fazer porque ainda tinham presunção ( isto é, asmimana, a presunção “eu sou”). Por conseguinte ele formula a segunda pergunta e o Buda responde indicando que os arahants abandonaram por completo a presunção. [Retorna]

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 24 Fevereiro 2007

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.