Majjhima Nikaya 3

Dhammadayada Sutta

Herdeiros no Dhamma

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


 

1. Assim ouvi. Em certa ocasião o Abençoado estava em Savatthi no Bosque de Jeta, no Parque de Anathapindika. Lá ele se dirigiu aos monges desta forma: “Bhikkhus” [1] – “Venerável Senhor,” eles responderam. O Abençoado disse o seguinte:

2. “Bhikkhus, sejam os meus herdeiros no Dhamma, não os meus herdeiros nas coisas materiais. Por compaixão por vocês eu pensei: ‘Como poderão os meus discípulos serem os meus herdeiros no Dhamma, não os meus herdeiros nas coisas materiais?’ Se vocês forem os meus herdeiros nas coisas materiais e não os meus herdeiros no Dhamma, vocês serão censurados assim: ‘Os discípulos do Mestre vivem como seus herdeiros nas coisas materiais e não como seus herdeiros no Dhamma’; e eu serei censurado assim: ‘Os discípulos do Mestre vivem como seus herdeiros nas coisas materiais e não como seus herdeiros no Dhamma’

“Se vocês forem os meus herdeiros no Dhamma e não os meus herdeiros nas coisas materiais, vocês não serão censurados [pois será dito]: ‘Os discípulos do Mestre vivem como os seus herdeiros no Dhamma e não como seus herdeiros nas coisas materiais’; e eu não serei censurado [pois será dito]: ‘Os discípulos do Mestre vivem como os seus herdeiros no Dhamma e não como seus herdeiros nas coisas materiais.’ Por conseguinte, bhikkhus, sejam os meus herdeiros no Dhamma e não os meus herdeiros nas coisas materiais. Por compaixão por vocês eu pensei: ‘Como os meus discípulos poderão ser os meus herdeiros no Dhamma e não os meus herdeiros nas coisas materiais?’

3. “Agora, bhikkhus, suponham que eu tivesse comido, recusasse mais comida, estivesse satisfeito, terminado, comido o suficiente, aquilo que necessito, e algo de comida esmolada houvesse restado para ser jogada fora. Então dois bhikkhus chegassem famintos e fracos e eu lhes dissesse: ‘Bhikkhus, eu comi, recusei mais comida, estou satisfeito, terminei, comi o suficiente, aquilo que necessito, mas ainda resta algo de comida esmolada para ser jogada fora. Comam se quiserem; se vocês não comerem então irei jogá-la fora onde não há vegetação ou na água onde não há vida.’ Então um bhikkhu pensaria: ‘O Abençoado comeu ... aquilo que necessita, mas ainda resta algo de comida esmolada do Abençoado para ser jogada fora; se não comermos o Abençoado irá jogá-la fora ... Mas isto foi dito pelo Abençoado: “Bhikkhus, sejam os meus herdeiros no Dhamma e não os meus herdeiros nas coisas materiais.” Agora, esta comida esmolada é uma das coisas materiais. E se ao invés de comer esta comida esmolada eu passasse todo o dia e a noite faminto e fraco.’ E ao invés de comer aquela comida esmolada, ele passa aquele dia e noite faminto e fraco. Então o segundo bhikkhu pensaria: ‘O Abençoado comeu ... aquilo que necessita, mas ainda resta algo de comida esmolada do Abençoado para ser jogada fora; se não comermos o Abençoado irá jogá-la fora ... E se eu comesse essa comida esmolada e passasse todo o dia e a noite nem faminto, nem fraco. E depois de comer a comida esmolada ele passa o dia e a noite nem faminto, nem fraco. Agora embora aquele bhikkhu ao comer aquela comida esmolada tenha passado o dia e a noite nem faminto, nem fraco, apesar disso o primeiro bhikkhu será mais respeitado e elogiado por mim. Porque? Porque isso irá por muito tempo contribuir para a sua escassez de desejos, o seu contentamento, para a obliteração, para o seu fácil sustento e para a estimulação de energia. [2] Por conseguinte bhikkhus, sejam os meus herdeiros no Dhamma, não os meus herdeiros nas coisas materiais. Por compaixão por vocês eu pensei: ‘Como os meus discípulos poderão ser os meus herdeiros no Dhamma e não os meus herdeiros nas coisas materiais?’”

4. Isso foi o que o Abençoado disse. Tendo dito isso, ele levantou do seu assento e foi para a sua moradia. Assim que ele partiu, o venerável Sariputta se dirigiu aos monges desta forma: “Amigos Bhikkhus” – “Amigo,” eles responderam. O venerável Sariputta disse o seguinte:

5. “Amigos, de que forma os discípulos do Mestre que vivem em afastamento não treinam afastados? E de que forma os discípulos do Mestre que vivem em afastamento treinam afastados?”

“De fato, amigo, nós viríamos de uma longa distância para aprender do venerável Sariputta qual o significado dessa frase. Seria bom se o venerável Sariputta pudesse explicar o significado dessa frase. Tendo ouvido dele, os bhikkhus o recordarão.”

“Então, amigos, ouçam e prestem muita atenção àquilo que eu vou dizer.”

“Sim, amigo,” os bhikkhus responderam. O venerável Sariputta disse o seguinte:

6. “Amigos, de que forma os discípulos do Mestre que vivem em afastamento não treinam afastados? Aqui, discípulos do Mestre que vivem em afastamento não treinam afastados; eles não abandonam aquilo que o Mestre diz para eles abandonarem; eles são luxuriosos e negligentes; líderes na degeneração, negligenciam o afastamento.

“Nisso os bhikkhus sêniores devem ser criticados por três razões. [3] Como discípulos do Mestre que vive em afastamento eles não treinam afastados: eles devem ser criticados por esta primeira razão. Eles não abandonam aquilo que o Mestre diz para eles abandonarem: eles devem ser criticados por esta segunda razão. Eles são luxuriosos e negligentes, líderes na degeneração, negligenciam o afastamento: eles devem ser criticados por esta terceira razão. Os bhikkhus sêniores devem ser criticados por essas três razões.

“Nisso os bhikkhus intermediários devem ser criticados por três razões. Como discípulos do Mestre que vive em afastamento eles não treinam afastados: eles devem ser criticados por esta primeira razão. Eles não abandonam aquilo que o Mestre diz para eles abandonarem: eles devem ser criticados por esta segunda razão. Eles são luxuriosos e negligentes, líderes na degeneração, negligenciam o afastamento: eles devem ser criticados por esta terceira razão. Os bhikkhus intermediários devem ser criticados por essas três razões.

“Nisso os bhikkhus júniores devem ser criticados por três razões. Como discípulos do Mestre que vive em afastamento eles não treinam afastados: eles devem ser criticados por esta primeira razão. Eles não abandonam aquilo que o Mestre diz para eles abandonarem: eles devem ser criticados por esta segunda razão. Eles são luxuriosos e negligentes, líderes na degeneração, negligenciam o afastamento: eles devem ser criticados por esta terceira razão. Os bhikkhus júniores devem ser criticados por essas três razões.

“É dessa forma que os discípulos do Mestre que vive em afastamento não treinam afastados.

7. “De que forma, amigos, os discípulos do Mestre que vivem em afastamento treinam afastados? Aqui, discípulos do Mestre que vivem em afastamento treinam afastados; eles abandonam aquilo que o Mestre diz para eles abandonarem; eles não são luxuriosos e negligentes; eles são ávidos por evitar a degeneração e são os líderes no afastamento.

“Nisso os bhikkhus sêniores devem ser elogiados por três razões. Como discípulos do Mestre que vive em afastamento eles treinam afastados: eles devem ser elogiados por esta primeira razão. Eles abandonam aquilo que o Mestre diz para eles abandonarem: eles devem ser elogiados por esta segunda razão. Eles não são luxuriosos e negligentes, eles são ávidos por evitar a degeneração e são os líderes no afastamento: eles devem ser elogiados por esta terceira razão. Os bhikkhus sêniores devem ser elogiados por essas três razões.

“Nisso os bhikkhus intermediários devem ser elogiados por três razões. Como discípulos do Mestre que vive em afastamento eles treinam afastados: eles devem ser elogiados por esta primeira razão. Eles abandonam aquilo que o Mestre diz para eles abandonarem: eles devem ser elogiados por esta segunda razão. Eles não são luxuriosos e negligentes, eles são ávidos por evitar a degeneração e são os líderes no afastamento: eles devem ser elogiados por esta terceira razão. Os bhikkhus intermediários devem ser elogiados por essas três razões.

“Nisso os bhikkhus júniores devem ser elogiados por três razões. Como discípulos do Mestre que vive em afastamento eles treinam afastados: eles devem ser elogiados por esta primeira razão. Eles abandonam aquilo que o Mestre diz para eles abandonarem: eles devem ser elogiados por esta segunda razão. Eles não são luxuriosos e negligentes, eles são ávidos por evitar a degeneração e são os líderes no afastamento: eles devem ser elogiados por esta terceira razão. Os bhikkhus júniores devem ser elogiados por essas três razões.

“É dessa forma que os discípulos do Mestre que vive em afastamento treinam afastados.

8. “Amigos, o mal nisso é a cobiça e a raiva. [4] Há um Caminho do Meio para o abandono da cobiça e da raiva, que proporciona visão, proporciona conhecimento, que conduz à paz, ao conhecimento direto, à iluminação, a Nibbana. E qual é esse Caminho do Meio? É exatamente este Nobre Caminho Óctuplo; isto é, entendimento correto, pensamento correto, linguagem correta, ação correta, modo de vida correto, esforço correto, atenção plena correta, concentração correta. Esse é o Caminho do Meio que proporciona visão, proporciona conhecimento, que conduz à paz, ao conhecimento direto, à iluminação, a Nibbana.[5]

9-15. “O mal nisso é o raiva e o rancor … desprezo e a insolência … inveja e a avareza … dissimulação e a trapaça … teimosia e a rivalidade … presunção e a arrogância … vaidade e a negligência. Há um Caminho do Meio para o abandono da vaidade e negligência, que proporciona visão, proporciona conhecimento, que conduz à paz, ao conhecimento direto, à iluminação, a Nibbana. E qual é esse Caminho do Meio? É exatamente este Nobre Caminho Óctuplo; isto é, entendimento correto, pensamento correto, linguagem correta, ação correta, modo de vida correto, esforço correto, atenção plena correta, concentração correta. Esse é o Caminho do Meio que proporciona visão, proporciona conhecimento, que conduz à paz, ao conhecimento direto, à iluminação, a Nibbana.”

Isso foi o que disse o venerável Sariputta. Os bhikkhus ficaram satisfeitos e contentes com as palavras do venerável Sariputta.

 


 

Notas:

[1] MA: O Buda proferiu este discurso porque muitos bhikkhus estavam exultantes com os ganhos e honrarias concedidas à Sangha, negligenciando o treinamento espiritual. É óbvio que o Buda não poderia estabelecer uma regra de treinamento que proibisse a satisfação das necessidades básicas, mas ele queria mostrar a prática dos herdeiros no Dhamma para aqueles bhikkhus que desejavam ardentemente o treinamento. [Retorna]

[2] MA explica que todas essas cinco qualidades gradualmente preenchem todos os estágios da prática culminando no estado de arahant. [Retorna]

[3] Bhikkhus sêniores, (thera), são aqueles com mais de dez retiros da estação das chuvas desde a ordenação, (upasampada); bhikkhus intermediários possuem entre cinco e nove retiros da estação das chuvas desde a ordenação, e bhikkhus júniores possuem menos de cinco retiros da estação das chuvas desde a ordenação.[Retorna]

[4] As qualidades ruins aqui mencionadas, e nas seções que seguem, são introduzidas para mostrar os estados mencionados acima, (verso 6), na frase: “Eles não abandonam aquilo que o Mestre diz para eles abandonarem.” Esses são também os fatores que induzem um bhikkhu a se tornar um herdeiro nas coisas materiais ao invés de um herdeiro no Dhamma. No MN 7.3 as mesmas dezesseis qualidades, são mencionadas como as “corrupções que contaminam a mente", (cittassa upakkilesa). [Retorna]

[5] O Nobre Caminho Óctuplo é aqui apresentado para mostrar a prática que faz um “herdeiro no Dhamma.” A antítese entre as corrupções e o caminho recapitula, sob um novo ângulo, o contraste entre os “herdeiros nas coisas materiais” e os “herdeiros no Dhamma” com o qual o Buda iniciou o sutta. [Retorna]

 

 

Revisado: 29 Fevereiro 2008

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.