Majjhima Nikaya 151

Pindapataparisuddhi Sutta

A Purificação das Esmolas

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


1. Assim ouvi. Em certa ocasião o Abençoado estava em Rajagaha, no Bambual, no Santuário dos Esquilos. Então, ao anoitecer, o venerável Sariputta levantou da meditação e foi até o Abençoado. Depois de cumprimentá-lo, ele sentou a um lado. O Abençoado disse:

2. “Sariputta, as suas faculdades estão serenas. A sua complexão está pura e brilhante. Em qual permanência você freqüentemente permanece agora, Sariputta?”

“Agora, venerável senhor, eu permaneço freqüentemente no vazio.” [1]

“Muito bem, Sariputta! Agora, de fato, você permanece freqüentemente na permanência de um grande homem. Pois essa é a permanência de um grande homem, isto é, o vazio. [2]

3. “Portanto, Sariputta, se um bhikkhu desejar: ‘Que eu agora permaneça freqüentemente no vazio,’ ele deveria considerar o seguinte: ‘No caminho que percorri até o vilarejo para esmolar alimentos, ou no lugar em que perambulei esmolando alimentos, ou no caminho de volta da esmola de alimentos, houve na minha mente algum desejo, cobiça, raiva, delusão ou aversão com relação a formas percebidas pelo olho?’ [3] Se, ao revisar deste modo, ele compreende que: ‘No caminho que percorri até o vilarejo para esmolar alimentos, ou no lugar em que perambulei esmolando alimentos, ou no caminho de volta da esmola de alimentos, houve na minha mente desejo, cobiça, raiva, delusão ou aversão com relação a formas percebidas pelo olho,’ então, ele deve fazer o esforço para abandonar esses estados ruins e prejudiciais. Mas, se ao revisar ele compreende que: ‘No caminho que percorri até o vilarejo para esmolar alimentos, ou no lugar em que perambulei esmolando alimentos, ou no caminho de volta da esmola de alimentos, não houve na minha mente nenhum desejo, cobiça, raiva, delusão ou aversão com relação a formas percebidas pelo olho,’ então, ele pode permanecer feliz e contente, treinando dia e noite nos estados benéficos.

4-8. “Outra vez, Sariputta, um bhikkhu deveria considerar o seguinte: ‘No caminho que percorri até o vilarejo para esmolar alimentos, ou no lugar em que perambulei esmolando alimentos, ou no caminho de volta da esmola de alimentos, houve na minha mente algum desejo, cobiça, raiva, delusão ou aversão com relação a sons percebidos pelo ouvido? ... com relação a aromas percebidos pelo nariz? ... com relação a sabores percebidos pela língua? ... com relação a tangíveis percebidos pelo corpo? ... com relação a objetos mentais percebidos pela mente?’ Se, ao revisar deste modo, ele compreende que: ‘No caminho que percorri até o vilarejo para esmolar alimentos, ou no lugar em que perambulei esmolando alimentos, ou no caminho de volta da esmola de alimentos, houve na minha mente desejo, cobiça, raiva, delusão ou aversão com relação a objetos mentais percebidos pela mente,’ então, ele deve fazer o esforço para abandonar esses estados ruins e prejudiciais. Mas, se ao revisar ele compreende que: ‘No caminho que percorri até o vilarejo para esmolar alimentos, ... não houve na minha mente nenhum desejo, cobiça, raiva, delusão ou aversão com relação a objetos mentais percebidos pela mente,’ então, ele pode permanecer feliz e contente, treinando dia e noite nos estados benéficos.

9. “Outra vez, Sariputta, um bhikkhu deveria considerar o seguinte: ‘Os cinco elementos do prazer sensual foram abandonados por mim?’ [4] Se, ao revisar deste modo, ele compreende que: ‘Os cinco elementos do prazer sensual não foram abandonados por mim,’ então, ele deve fazer o esforço para abandonar esses cinco elementos do prazer sensual. Mas, se ao revisar ele compreende que: ‘Os cinco elementos do prazer sensual foram abandonados por mim,’ então, ele pode permanecer feliz e contente, treinando dia e noite nos estados benéficos.

10. “Outra vez, Sariputta, um bhikkhu deveria considerar o seguinte: ‘Os cinco obstáculos foram abandonados por mim?’ Se, ao revisar deste modo, ele compreende que: ‘Os cinco obstáculos não foram abandonados por mim,’ então, ele deve fazer o esforço para abandonar esses cinco obstáculos. Mas, se ao revisar ele compreende que: ‘Os cinco obstáculos foram abandonados por mim,’ então ele pode permanecer feliz e contente, treinando dia e noite nos estados benéficos.

11. “Outra vez, Sariputta, um bhikkhu deveria considerar o seguinte: ‘Os cinco agregados influenciados pelo apego foram compreendidos completamente por mim?’ Se, ao revisar deste modo, ele compreende que: ‘Os cinco agregados influenciados pelo apego não foram compreendidos completamente por mim,’ então, ele deve fazer o esforço para compreender completamente esses cinco agregados influenciados pelo apego. Mas, se ao revisar ele compreende que: ‘Os cinco agregados influenciados pelo apego foram compreendidos completamente por mim,’ então ele pode permanecer feliz e contente, treinando dia e noite nos estados benéficos.

12. “Outra vez, Sariputta, um bhikkhu deveria considerar o seguinte: ‘Os quatro fundamentos da atenção plena foram desenvolvidos por mim?’ Se, ao revisar deste modo, ele compreende que: ‘Os quatro fundamentos da atenção plena não foram desenvolvidos por mim,’ então, ele deve fazer o esforço para desenvolver esses quatro fundamentos da atenção plena. Mas, se ao revisar ele compreende que: ‘Os quatro fundamentos da atenção plena foram desenvolvidos por mim,’ então, ele pode permanecer feliz e contente, treinando dia e noite nos estados benéficos.

13-19. “Outra vez, Sariputta, um bhikkhu deveria considerar o seguinte: ‘Os quatro tipos de esforço correto foram desenvolvidos por mim? ... As quatro bases para o poder espiritual foram desenvolvidas por mim? .... As cinco faculdades foram desenvolvidas por mim? ... Os cinco poderes foram desenvolvidos por mim? ... Os sete fatores da iluminação foram desenvolvidos por mim? ... O Nobre Caminho Óctuplo foi desenvolvido por mim? ... A tranqüilidade e o insight foram desenvolvidos por mim?’ Se, ao revisar deste modo, ele compreende que: ‘A tranqüilidade e o insight não foram desenvolvidos por mim,’ então, ele deve fazer o esforço para desenvolvê-los. Mas, se ao revisar ele compreende que: ‘A tranqüilidade e o insight foram desenvolvidos por mim,’ então, ele pode permanecer feliz e contente, treinando dia e noite nos estados benéficos.

20. “Outra vez, Sariputta, um bhikkhu deveria considerar o seguinte: ‘O conhecimento verdadeiro e a libertação foram realizados por mim?’ Se, ao revisar deste modo, ele compreende que: ‘O conhecimento verdadeiro e a libertação não foram realizados por mim,’ então ele deve fazer o esforço para realizar o conhecimento verdadeiro e a libertação. Mas, se ao revisar ele compreende que: ‘O conhecimento verdadeiro e a libertação foram realizados por mim,’ então, ele pode permanecer feliz e contente, treinando dia e noite nos estados benéficos. [5]

21. “Sariputta, todos os contemplativos e brâmanes do passado, que purificaram as suas esmolas, assim o fizeram revisando repetidamente dessa maneira. Todos os contemplativos e brâmanes do futuro, que purificarem as suas esmolas, assim o farão revisando repetidamente dessa maneira. Todos os contemplativos e brâmanes do presente, que purificam as suas esmolas, assim o fazem revisando repetidamente dessa maneira. Portanto, Sariputta, você deve treinar deste modo: ‘Nós purificaremos as nossas esmolas revisando repetidamente dessa maneira.’”

Isso foi o que disse o Abençoado. O venerável Sariputta ficou satisfeito e contente com as palavras do Abençoado.

 


 

Notas:

[1] MA: O fruto da realização do vazio pelo arahant. Veja o MN43–nota 31 e o MN 121-nota 8. [Retorna]

[2] MA: Esta é a permanência de grandes homens (mahapurisa) tal como os Budas, paccekabuddhas, e os grandes discípulos dos Tathagatas. [Retorna]

[3] Dentre os cinco termos, desejo e cobiça são sinônimos, tal qual raiva e aversão. [Retorna]

[4] Começando com esta seção um desenvolvimento gradual pode ser discernido. O abandono dos cinco elementos do prazer sensual é o passo preliminar para o desenvolvimento de jhanas, e o abandono dos cinco obstáculos (§10) o antecedente imediato à realização do primeiro jhana. A compreesão completa dos cinco agregados (§11) indica a sabedoria do insight necessária para realizar o estágio de entrar na correnteza, e as seções sobre os trinta e sete apoios para a iluminação (§§12-18) o cultivo dos fatores necessários para alcançar os estágios de iluminação seguintes. A seção sobre a tranqüilidade e o insight (§19), embora aplicável a todos os estágios, pode ser vista como concretizada pelo que não retorna em busca do estado de arahant. Por fim, a seção sobre o conhecimento verdadeiro e libertação significa a realização do caminho e fruto do estado de arahant. [Retorna]

[5] Embora o arahant tendo realizado plenamente o conhecimento verdadeiro, (vijja), e a libertação, (vimutti), e portanto não necessite treinamento adicional, ele continua a cultivar a tranqüilidade e o insight de modo a entrar na bem-aventurança dos jhanas, na fruição do estado de arahant, e na cessação da percepção e sensação. [Retorna]

 

 

Revisado: 6 Junho 2005

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.