Majjhima Nikaya 13

Mahadukkhakkhandha Sutta

O Grande Discurso da Massa de Sofrimento

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


Este sutta também está disponível em áudio, clique para Ouvir


1. Assim ouvi. Em certa ocasião o Abençoado estava em Savatthi no Bosque de Jeta, no Parque de Anathapindika.

2. Então, ao amanhecer, vários bhikkhus se vestiram e tomando as suas tigelas e os mantos externos foram para Savatthi para esmolar alimentos. Então eles pensaram: “Ainda é muito cedo para esmolar alimentos em Savatthi. E se nós fossemos até o parque dos errantes de outras seitas,” e assim eles foram até o parque dos errantes de outras seitas e ao chegar os cumprimentaram. Quando a conversa amigável e cortês havia terminado, eles sentaram a um lado. Os errantes lhes disseram:

3. “Amigos, o contemplativo Gotama descreve a completa compreensão dos prazeres sensuais e nós também; o contemplativo Gotama descreve a completa compreensão da forma material e nós também; o contemplativo Gotama descreve a completa compreensão das sensações e nós também. Qual é então a distinção, amigos, qual é a variação, qual é a diferença entre o ensinamento do Dhamma do contemplativo Gotama e o nosso, entre as instruções dele e as nossas?” [1]

4. Então, aqueles bhikkhus nem aprovaram nem desaprovaram as palavras dos errantes. Sem dizer isto ou aquilo eles se levantaram dos seus assentos e foram embora, pensando: “Devemos entender o significado dessas palavras na presença do Abençoado.

5. Depois de haver esmolado alimentos em Savatthi e de haver retornado, após a refeição eles foram até o Abençoado e depois de cumprimentá-lo sentaram a um lado e relataram o que havia ocorrido. [O Abençoado disse:]

6. “Bhikkhus, os errantes de outras seitas que assim falam devem ser questionados da seguinte forma: ‘Mas, amigos, qual é a gratificação, qual é o perigo e qual é a escapatória no caso dos prazeres sensuais? Qual é a gratificação, qual é o perigo e qual é a escapatória no caso da forma material? Qual é a gratificação, qual é o perigo e qual é a escapatória no caso das sensações?’ Sendo questionados dessa forma, os errantes de outras seitas irão fracassar na exposição desse assunto, e mais ainda, eles irão se meter em dificuldades. Por que isso? Porque não é o território deles. Bhikkhus, eu não vejo ninguém no mundo com os seus devas, Maras e Brahmas, esta população com os seus contemplativos e brâmanes, seus príncipes e o povo, que pudesse satisfazer a mente com uma resposta a essas questões, exceto o Tathagata, ou os seus discípulos, ou alguém que tenha aprendido com eles.

(PRAZERES SENSUAIS)

7. (i) “E o que, bhikkhus, é a gratificação no caso dos prazeres sensuais? Bhikkhus, existem esses cinco elementos do prazer sensual. Quais cinco? Formas percebidas pelo olho que são desejáveis, agradáveis e fáceis de serem gostadas, conectadas com o desejo sensual e que provocam a cobiça. Sons percebidos pelo ouvido ... Aromas percebidos pelo nariz ... Sabores percebidos pela língua ... Tangíveis percebidos pelo corpo que são desejáveis, agradáveis e fáceis de serem gostados, conectados com o desejo sensual e que provocam a cobiça. Esses são os cinco elementos do prazer sensual. Agora o prazer e a alegria que surgem na dependência desses cinco elementos do prazer sensual são a gratificação no caso dos prazeres sensuais.

8. (ii) “E o que , bhikkhus, é o perigo no caso dos prazeres sensuais? Aqui, bhikkhus, por conta da atividade pela qual um membro de um clã ganha a vida – quer seja registrando ou contabilizando, ou calculando, ou cultivando, ou comerciando, ou administrando, ou como arqueiro, ou a serviço do rei, ou qualquer outra atividade que seja – ele tem que enfrentar o frio, ele tem que enfrentar o calor, ele se fere pelo contato com moscas, mosquitos, vento, sol e criaturas rastejantes; ele se arrisca a morrer de fome e sede. Agora, esse é um perigo no caso dos prazeres sensuais, uma massa de sofrimento visível no aqui e agora, tendo o prazer sensual como condição, tendo o prazer sensual como fonte, tendo o prazer sensual como base, tendo como causa, simplesmente, os prazeres sensuais.

9. “Se nenhum bem é recebido pelo membro de um clã ao se empenhar e se esforçar no seu trabalho, ele fica triste, se angustia e lamenta, ele chora batendo no peito e fica perturbado, clamando: ‘Meu trabalho é em vão, meu esforço infrutífero!’ Agora, esse também é um perigo no caso dos prazeres sensuais ... tendo como causa, simplesmente, os prazeres sensuais.

10. “Se algum bem é recebido pelo membro de um clã ao se empenhar e se esforçar no seu trabalho, ele experimenta dor e angústia ao protegê-lo: ‘Como farei para que nem reis nem ladrões roubem os meus bens, nem o fogo os queime, nem as águas os carreguem, nem herdeiros odiosos os levem?’ E enquanto ele guarda e protege os seus bens, reis ou ladrões os roubam ou o fogo os queima, ou as águas os carregam, ou herdeiros odiosos os levam. E ele fica triste, se angustia e lamenta, ele chora batendo no peito e fica perturbado, clamando: ‘O que eu tinha não tenho mais!’ Agora, esse também é um perigo no caso dos prazeres sensuais ... tendo como causa, simplesmente, os prazeres sensuais.

11. “Além disso, tendo o prazer sensual como condição, tendo o prazer sensual como fonte, tendo o prazer sensual como base, tendo como causa, simplesmente, os prazeres sensuais, reis brigam com reis, nobres com nobres, brâmanes com brâmanes, chefes de família com chefes de família; a mãe briga com o filho, o filho com a mãe, o pai com o filho, o filho com o pai, o irmão briga com o irmão, o irmão com a irmã, a irmã com o irmão, o amigo com o amigo. E nas suas brigas, rixas e disputas eles se atacam uns aos outros com as mãos, pedras, paus ou facas e com isso eles causam a si próprios a morte ou sofrimento igual à morte. Agora esse também é um perigo no caso dos prazeres sensuais ... tendo como causa, simplesmente, os prazeres sensuais.

12. “Além disso, tendo o prazer sensual como condição ... os homens tomam espadas e escudos e afivelam arcos e coldres e eles se lançam na batalha, concentrados em fila dupla com flechas e lanças voando e espadas cintilando; e ali eles são feridos por flechas e lanças e as suas cabeças são decepadas por espadas e com isso eles causam a si próprios a morte ou sofrimento igual à morte. Agora esse também é um perigo no caso dos prazeres sensuais ... tendo como causa, simplesmente, os prazeres sensuais.

13. “Além disso, tendo o prazer sensual como condição ... os homens tomam espadas e escudos e afivelam arcos e coldres, e eles se lançam contra bastiões escorregadios, com flechas e lanças voando e espadas cintilando; e ali eles são feridos por flechas e lanças e molhados com líquidos ferventes e esmagados sob objetos pesados e as suas cabeças são decepadas por espadas e com isso eles causam a si próprios a morte ou sofrimento igual à morte. Agora esse também é um perigo no caso dos prazeres sensuais ... tendo como causa, simplesmente, os prazeres sensuais.

14. “Além disso, tendo o prazer sensual como condição ... homens arrombam casas, pilham riquezas, cometem roubo, emboscam nas estradas, seduzem as mulheres dos outros e quando capturados, os reis lhes infligem muitos tipos de tortura. Os reis fazem com que eles sejam açoitados com chicotes, golpeados com varas, golpeados com clavas; as mãos são cortadas, os pés são cortados, as mãos e os pés são cortados; as orelhas são cortadas, o nariz é cortado, as orelhas e o nariz são cortados; eles são sujeitos ao ‘pote de mingau,’ ao ‘barbeado com a concha polida,’ à ‘boca de Rahu,’ à ‘grinalda ardente,’ à ‘mão ardente,’ às ‘lâminas de capim,’ à ‘túnica de casca de árvore,’ ao ‘antílope,’ aos ‘ganchos de carne,’ às ‘moedas,’ à ‘conserva em desinfetante’ ao ‘pino que gira,’ ao ‘colchão de palha enrolado’; [2] eles são molhados com óleo fervente, atirados para serem devorados pelos cães, empalados vivos em estacas, decapitados com espadas – e com isso eles causam a si próprios a morte ou sofrimento igual à morte. Agora esse também é um perigo no caso dos prazeres sensuais ... tendo como causa, simplesmente, os prazeres sensuais.

15. “Além disso, tendo o prazer sensual como condição, tendo o prazer sensual como fonte, tendo o prazer sensual como base, tendo como causa, simplesmente, os prazeres sensuais, as pessoas se entregam ao comportamento impróprio com o corpo, linguagem e mente. Tendo feito isso, na dissolução do corpo, após a morte, elas reaparecem num estado de privação, num destino infeliz, nos reinos inferiores, até mesmo no inferno. Agora esse também é um perigo no caso dos prazeres sensuais, uma massa de sofrimento na vida que está por vir [3] tendo o prazer sensual como causa, o prazer sensual como fonte, o prazer sensual como base, tendo como causa, simplesmente, os prazeres sensuais.

16. (iii) “E o que , bhikkhus, é a escapatória no caso dos prazeres sensuais? É a remoção do desejo e cobiça, o abandono do desejo e cobiça pelos prazeres sensuais. [4] Essa é a escapatória no caso dos prazeres sensuais.

17. “Que esses contemplativos e brâmanes, que não compreendem como na verdade é a gratificação como gratificação, o perigo como perigo e a escapatória como escapatória no caso dos prazeres sensuais, possam eles mesmos compreender completamente os prazeres sensuais ou instruir outra pessoa de modo que ela possa compreender completamente os prazeres sensuais – isso é impossível. Que esses contemplativos e brâmanes, que compreendem como na verdade é a gratificação como gratificação, o perigo como perigo e a escapatória como escapatória no caso dos prazeres sensuais, possam eles mesmos compreender completamente os prazeres sensuais ou instruir outra pessoa de modo que ela possa compreender completamente os prazeres sensuais – isso é possível.

(FORMA MATERIAL)

18. (i) “E o que, bhikkhus, é a gratificação no caso da forma material? Suponham que houvesse uma jovem da classe dos nobres ou da classe dos brâmanes ou da casa de um chefe de família, no seu décimo quinto ou décimo sexto aniversário, nem muito alta nem muito baixa, nem muito magra nem muito gorda, nem com a tez muito escura nem muito clara. A sua beleza e graciosidade estão no seu auge?” – “Sim, venerável senhor.” – “Agora o prazer e a alegria que surgem na dependência dessa beleza e graciosidade são a gratificação no caso da forma material.”

19. (ii) “E o que, bhikkhus, é o perigo no caso da forma material? Mais tarde alguém poderá ver aquela mesma mulher com oitenta, noventa ou cem anos, idosa, curvada como o suporte de um teto, redobrada, apoiada numa bengala, cambaleante, frágil, a juventude perdida, os dentes quebrados, os cabelos grisalhos, careca, enrugada, com os membros todos manchados. O que vocês pensam bhikkhus? A antiga beleza e graciosidade desapareceram e o perigo se tornou evidente?” – “Sim, venerável senhor” – “Bhikkhus, esse é o perigo no caso da forma material.

20. “Além disso, alguém poderá ver aquela mesma mulher aflita, sofrendo e gravemente enferma, deitada suja em seu próprio excremento e urina, levantada por alguns e deitada por outros. O que vocês pensam bhikkhus? A antiga beleza e graciosidade desapareceram e o perigo se tornou evidente?” – “Sim, venerável senhor” – “Bhikkhus, esse também é o perigo no caso da forma material.

21. “Além disso, alguém poderá ver aquela mesma mulher como um cadáver descartado num cemitério, um, dois ou três dias morta, inchada, lívida e ressumando matéria. O que vocês pensam bhikkhus? A antiga beleza e graciosidade desapareceram e o perigo se tornou evidente?– “Sim, venerável senhor” – “Bhikkhus, esse também é o perigo no caso da forma material.”

22-29. “Além disso, alguém poderá ver aquela mesma mulher como um cadáver descartado num cemitério, sendo devorada por corvos, gaviões, urubus, cães, chacais ou vários tipos de vermes ... um esqueleto com carne e sangue, mantidos unidos pelos tendões ... um esqueleto descarnado lambuzado de sangue, mantido unido pelos tendões ... ossos desconectados espalhados em todas as direções – aqui um osso da mão, ali um osso do pé, aqui um osso da perna, ali um osso das costelas, aqui um osso do quadril, ali um osso da coluna, aqui o crânio ... ossos esbranquiçados, com a cor das conchas ... ossos empilhados, com mais de um ano ... ossos apodrecidos e convertidos em pó. O que vocês pensam bhikkhus? A antiga beleza e graciosidade desapareceram e o perigo se tornou evidente?” – “Sim, venerável senhor” – “Bhikkhus, esse também é o perigo no caso da forma material.”

30. (iii) “E o que, bhikkhus, é a escapatória no caso da forma material? É a remoção do desejo e cobiça, o abandono do desejo e cobiça pela forma material. Essa é a escapatória no caso da forma material.”

31. “Que esses contemplativos e brâmanes, que não compreendem como na verdade é a gratificação como gratificação, o perigo como perigo e a escapatória como escapatória no caso da forma material, possam eles mesmos compreender completamente a forma material ou instruir outra pessoa de modo que ela possa compreender completamente a forma material – isso é impossível. Que esses contemplativos e brâmanes, que compreendem como na verdade é a gratificação como gratificação, o perigo como perigo e a escapatória como escapatória no caso da forma material, possam eles mesmos compreender completamente a forma material ou instruir outra pessoa de modo que ela possa compreender completamente a forma material – isso é possível.

(SENSAÇÕES)

32. (i) “E o que, bhikkhus, é a gratificação no caso das sensações? Aqui, bhikkhus, um bhikkhu afastado dos prazeres sensuais, afastado das qualidades não hábeis, entra e permanece no primeiro jhana, que é caracterizado pelo pensamento aplicado e sustentado, com o êxtase e felicidade nascidos do afastamento. [5] Em tal ocasião ele não opta pela sua própria aflição, pela aflição de outrem ou pela aflição de ambos. Nessa ocasião ele sente sensações que estão isentas de aflições. A maior gratificação no caso das sensações é estar livre de aflições, eu digo.

33-35. “Além disso, abandonando o pensamento aplicado e sustentado, um bhikkhu entra e permanece no segundo jhana, que é caracterizado pela segurança interna e perfeita unicidade da mente, sem o pensamento aplicado e sustentado, com o êxtase e felicidade nascidos da concentração ... abandonando o êxtase ... ele entra e permanece no terceiro jhana ... com o completo desaparecimento da felicidade ele entra e permanece no quarto jhana ... Em tal ocasião ele não opta pela sua própria aflição, pela aflição de outrem ou pela aflição de ambos. Nessa ocasião ele sente sensações que estão isentas de aflições. A maior gratificação no caso das sensações é estar livre de aflições, eu digo.

36. (ii) “E o que, bhikkhus, é o perigo no caso das sensações? As sensações são impermanentes, insatisfatórias e sujeitas à mudança. Esse é o perigo no caso das sensações.

37. (iii) “E o que, bhikkhus, é a escapatória no caso das sensações? ? É a remoção do desejo e cobiça, o abandono do desejo e cobiça pelas sensações. Essa é a escapatória no caso das sensações.

38. “Que esses contemplativos e brâmanes, que não compreendem como na verdade é a gratificação como gratificação, o perigo como perigo e a escapatória como escapatória no caso das sensações, possam eles mesmos compreender completamente as sensações ou instruir outra pessoa de modo que ela possa compreender completamente as sensações – isso é impossível. Que esses contemplativos e brâmanes, que compreendem como na verdade é a gratificação como gratificação, o perigo como perigo e a escapatória como escapatória no caso das sensações, possam eles mesmos compreender completamente as sensações ou instruir outra pessoa de modo que ela possa compreender completamente as sensações – isso é possível.”

Isso foi o que disse o Abençoado. Os bhikkhus ficaram satisfeitos e contentes com as palavras do Abençoado.

 


 

Notas:

[1] MA: “Completa compreensão” (pariñña) neste caso significa a superação (samatikkama) ou abandono (pahana). Os errantes de outras seitas identificam a completa compreensão dos prazeres sensuais com o primeiro jhana, a completa compreensão da forma material com os mundos de existência imaterial e a completa compreensão das sensações com o mundo de existência sem percepção. O Buda, em contraste, descreve a completa compreensão dos prazeres sensuais com o caminho do que não retorna e a completa compreensão de ambos, forma material e sensações, com o caminho do arahant. [Retorna]

[2] MA proporciona uma impressionante descrição de cada uma destas formas de tortura. [Retorna]

[3] Deve ser observado que enquanto os perigos anteriores eram chamados de “uma massa de sofrimento visível no aqui e agora” (sanditthiko dukkhakkhandho), este é chamado de “uma massa de sofrimento na vida que está por vir” (samparayiko dukkhakkhandho). De acordo com Ajaan Brahm, “aqui e agora” deve ser interpretado como “nesta vida.”[Retorna]

[4] MA diz que Nibbana é a remoção e abandono do desejo e cobiça pelos prazeres sensuais, pois na dependência de Nibbana, o desejo e a cobiça são abandonados. Pode-se também considerar a inclusão do caminho do que não retorna, que realiza o abandono do desejo e cobiça pelos prazeres sensuais. [Retorna]

[5] Para explicar o perigo nas sensações, o Buda escolhe o mais refinado e exaltado tipo de prazer mundano, a felicidade e paz dos jhanas e mostra que mesmo esses estados são impermanentes e por isso insatisfatórios. [Retorna]

 

 

Revisado: 2 Maio 2007

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.