Majjhima Nikaya 124

Bakkula Sutta

Bakkula

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


1. Assim ouvi. Em certa ocasião o venerável Bakkula estava em Rajagaha, no Bambual, no Santuário dos Esquilos.[1]

2. Então, Acela Kassapa, um antigo companheiro do venerável Bakkula na sua vida laica, foi até o venerável Bakkula e ambos se cumprimentaram. Quando a conversa cortês e amigável havia terminado, ele sentou a um lado e perguntou ao venerável Bakkula:

3. “Amigo Bakkula, quanto tempo faz que você seguiu a vida santa?”

“São oitenta anos desde que segui a vida santa, amigo.”

“Amigo Bakkula, nesses oitenta anos quantas vezes você teve relações sexuais?”

“Amigo Kassapa, você não deveria fazer uma pergunta desse tipo. Você deveria fazer uma pergunta deste tipo: ‘Amigo Bakkula, nesses oitenta anos quantas vezes as percepções de desejo sexual surgiram em você?’”

“Amigo Bakkula, nesses oitenta anos quantas vezes as percepções de desejo sexual surgiram em você?”

“Amigo Kassapa, nos oitenta anos desde que segui a vida santa eu não me recordo de nenhuma percepção de desejo sexual ter surgido em mim uma vez sequer.”

[Que nos oitenta anos, desde que ele seguiu a vida santa, o venerável Bakkula não se recorde de nenhuma percepção de desejo sexual ter surgido nele uma vez sequer – disso nos lembraremos como uma qualidade maravilhosa e admirável do venerável Bakkula.] [2]

4-5. “Amigo Kassapa, nos oitenta anos desde que segui a vida santa eu não me recordo de nenhuma percepção de má vontade ... de nenhuma percepção de crueldade ter surgido em mim uma vez sequer.”

[Que nos oitenta anos, desde que ele seguiu a vida santa, o venerável Bakkula não se recorde de nenhuma percepção de má vontade ... nenhuma percepção de crueldade ter surgido nele uma vez sequer – disso nos lembraremos como uma qualidade maravilhosa e admirável do venerável Bakkula.]

6. “Amigo Kassapa, nos oitenta anos desde que segui a vida santa eu não me recordo de nenhum pensamento de desejo sexual ter surgido em mim uma vez sequer.”

[... disso também nos lembraremos como uma qualidade maravilhosa e admirável do venerável Bakkula.]

7-8. “Amigo Kassapa, nos oitenta anos desde que segui a vida santa eu não me recordo de nenhum pensamento de má vontade ... de nenhum pensamento de crueldade ter surgido em mim uma vez sequer.”

[...disso também nos lembraremos como uma qualidade maravilhosa e admirável do venerável Bakkula]

9-15. “Amigo Kassapa, nos oitenta anos desde que segui a vida santa eu não me recordo de nenhuma vez ter aceito um manto dum chefe de família [3] ... de nenhuma vez ter usado um manto dado por um chefe de família ... de nenhuma vez ter cortado um manto com uma tesoura ... de nenhuma vez ter costurado um manto com uma agulha ... de nenhuma vez ter tingido um manto com corante ... de nenhuma vez ter confeccionado um manto no dia de kathina ... de nenhuma vez ter trabalhado na confecção de mantos para os companheiros na vida santa.”

[...disso também nos lembraremos como uma qualidade maravilhosa e admirável do venerável Bakkula.]

16-19. “Amigo, nos oitenta anos desde que segui a vida santa eu não me recordo de nenhuma vez ter aceito um convite para uma refeição ... de nenhuma vez ter tido o pensamento: ‘Oh, que alguém me convide para uma refeição!’ ... de nenhuma vez ter-me sentado dentro de uma casa ... de nenhuma vez ter comido dentro de uma casa.”

[... disso também nos lembraremos como uma qualidade maravilhosa e admirável do venerável Bakkula.]

20-25. “Amigo, nos oitenta anos desde que segui a vida santa eu não me recordo de nenhuma vez ter apreendido os sinais ou detalhes de uma mulher ... de nenhuma vez ter ensinado o Dhamma para uma mulher, mesmo que fossem quatro versos duma estrofe ... de nenhuma vez ter ido até o alojamento das bhikkhunis ... de nenhuma vez ter ensinado o Dhamma para uma bhikkhuni ... de nenhuma vez ter ensinado o Dhamma para uma aprendiz ... de nenhuma vez ter ensinado o Dhamma para uma noviça.”

[...disso também nos lembraremos como uma qualidade maravilhosa e admirável do venerável Bakkula.].

26-29. “Amigo, nos oitenta anos desde que segui a vida santa eu não me recordo de nenhuma vez ter dado a admissão na vida santa ... de nenhuma vez ter dado a admissão completa ... de nenhuma vez ter dado dependência ... de nenhuma vez ter tido um noviço me acompanhando.”

[...disso também nos lembraremos como uma qualidade maravilhosa e admirável do venerável Bakkula.]

30-37. “Amigo, nos oitenta anos desde que segui a vida santa eu não me recordo de nenhuma vez ter-me banhado numa casa de banhos ... de nenhuma vez ter-me banhado com pó de banho .. de nenhuma vez ter desempenhado a tarefa de massagear os membros dos meus companheiros na vida santa ... de nenhuma vez uma aflição ter surgido em mim, ainda que pelo tempo que leva para ordenhar uma vaca ... de nenhuma vez ter tomado medicamentos, ainda que um pedaço de uma noz ... de nenhuma vez ter usado uma almofada ... de nenhuma vez ter arrumado uma cama ... de nenhuma vez para o retiro das chuvas ter entrado em residência num alojamento dentro dum vilarejo.”

[...disso também nos lembraremos como uma qualidade maravilhosa e admirável do venerável Bakkula.]

38. “Amigo, durante sete dias depois de ter seguido a vida santa eu me alimentei de comida esmolada como um devedor; no oitavo dia o conhecimento supremo surgiu.”[4]

[Que durante sete dias o venerável Bakkula tenha se alimentado de comida esmolada como um devedor; e que no oitavo dia o conhecimento supremo tenha surgido nele - disso também nos lembraremos como uma qualidade maravilhosa e admirável do venerável Bakkula.]

39. [Então Acela Kassapa disse:] “Eu receberia a admissão neste Dhamma e Disciplina, eu receberia a admissão completa.” E Acela Kassapa recebeu a admissão neste Dhamma e Disciplina, ele recebeu a admissão completa.[5] Permanecendo só, isolado, diligente, ardente e decidido, em pouco tempo, ele alcançou e permaneceu no objetivo supremo da vida santa pelo qual membros de um clã deixam a vida em família pela vida santa, tendo conhecido e realizado por si mesmo no aqui e agora. Ele soube: “O nascimento foi destruído, a vida santa foi vivida, o que deveria ser feito foi feito, não há mais vir a ser a nenhum estado.” E o venerável Kassapa se tornou um dos Arahants.

40. Então, numa outra ocasião, o venerável Bakkula tomou uma chave e foi de cela em cela, dizendo: “Venham, veneráveis senhores; venham, veneráveis senhores. Hoje realizarei o parinibbana.”

[Que o venerável Bakkula tenha tomado uma chave e tenha ido de cela em cela, dizendo: “Venham, veneráveis senhores; venham, veneráveis senhores. Hoje realizarei o parinibbana” -disso também nos lembraremos como uma qualidade maravilhosa e admirável do venerável Bakkula]

41. Então, sentado no meio da Sangha de bhikkhus, o venerável Bakkula realizou o parinibbana. [6]

[Que sentado no meio da Sangha de bhikkhus, o venerável Bakkula tenha realizado o parinibbana - disso também nos lembraremos como uma qualidade maravilhosa e admirável do venerável Bakkula.][7]

 


 

Notas:

[1] De acordo com MA, o ven. Bakkula se tornou monge aos oitenta anos, sendo que ele teria 160 anos na época deste sutta. Ele foi declarado pelo Buda como sendo o discípulo mais destacado em relação à boa saúde. [Retorna]

[2] MA diz que o trecho que a seguir se encontra entre colchetes foi acrescentado pelos bhikkhus sêniores que compilaram o Dhamma. [Retorna]

[3] Este trecho e aqueles que seguem mostram o ven. Bakkula como um que segue as práticas ascéticas. Kathina é o dia, após o retiro das chuvas de três meses, no qual os bhikkhus confeccionam novos mantos com os tecidos que receberam. [Retorna]

[4] MA diz que depois dele ter seguido a vida santa, ele continuou sendo uma pessoa comum durante sete dias mas no oitavo dia ele realizou o estado de arahant junto com os conhecimentos analíticos (patisambhida). [Retorna]

[5] MA: O ven. Bakkula mesmo não lhe conferiu a ordenação, (o que seria uma violação do seu tipo de prática), mas ele fez com que outros bhikkhus a dessem. [Retorna]

[6] MA: O ven. Bakkula considerou que durante toda a sua vida ele nunca se permitiu ser um fardo para os outros bhikkhus, e ele não queria que o seu corpo fosse um fardo depois da morte. Assim ele entrou numa meditação com o elemento fogo e realizou o parinibbana fazendo com que todo o seu corpo fosse consumido pelas chamas. E só restaram as relíquias. [Retorna]

[7] MA diz que este sutta foi recitado durante a segunda compilação do Dhamma, que foi realizada cerca de cem anos depois da morte do Buda. [Retorna]

 

 

Revisado: 3 Julho 2004

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.