Majjhima Nikaya 116

Isigili Sutta

Isigili: A Garganta dos Profetas

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


1. Assim ouvi. [1] Em certa ocasião o Abençoado estava em Rajagaha, em Isigili – a Garganta dos Profetas. Lá ele se dirigiu aos monges desta forma: “Bhikkhus” – “Venerável Senhor,” eles responderam. O Abençoado disse o seguinte:

2. “Vocês vêem, bhikkhus, não vêem, aquela montanha Vebhara?”[2] - “Sim, venerável senhor.”

“Havia um outro nome, outra designação, para essa montanha Vebhara. Vocês vêem, bhikkhus, não vêem, aquela montanha Pandava?” - “Sim, venerável senhor.”

“Havia um outro nome, outra designação, para essa montanha Pandava. Vocês vêem, bhikkhus, não vêem, aquela montanha Vepulla?” - “Sim, venerável senhor.”

“Havia um outro nome, outra designação, para essa montanha Vepulla. Vocês vêem, bhikkhus, não vêem, aquela montanha Gijjhakuta – o Pico do Abutre?” - “Sim, venerável senhor.”

“Havia um outro nome, outra designação, para essa montanha Gijjhakuta - o Pico do Abutre. Vocês vêem, bhikkhus, não vêem, aquela montanha Isigili - a Garganta dos Profetas?” - “Sim, venerável senhor.”

3. “Havia um outro nome, outra designação, para essa montanha Isigili - a Garganta dos Profetas. Pois em tempos passados quinhentos paccekabuddhas [3] viveram por muito tempo em Isigili, a Garganta dos Profetas. Eles foram vistos subindo essa montanha e uma vez lá encima, eles não mais foram vistos. As pessoas que viram aquilo disseram: ‘Essa montanha engole os profetas.’ E assim foi que este lugar passou a ser chamado ‘A Garganta dos Profetas.’ Eu lhes direi, bhikkhus, os nomes dos paccekabuddhas, eu relatarei os nomes dos paccekabuddhas, eu ensinarei para vocês os nomes dos paccekabuddhas. Ouçam e prestem muita atenção ao que vou dizer.” – “Sim, venerável senhor,” os bhikkhus responderam. O Abençoado disse o seguinte:

4. “Bhikkhus, o paccekabuddha Arittha viveu por muito tempo nesta montanha Isigili. O paccekabuddha Uparittha viveu por muito tempo nesta montanha Isigili. O paccekabuddha Tagarasikhin [4] ... Yasassin ... Sudassana ... Piyadassin ... Gandhara ... Pindola ... Upasabha ... Nitha ... Tatha ...Sutava ... Bhavitatta viveu por muito tempo nesta montanha Isigili.

5. “Esses seres santificados, desprovidos do desejo, livres do sofrimento,
realizaram o despertar por si mesmos -
ouçam o meu relato dos nomes daqueles, os mais sublimes
dentre os homens, que arrancaram a flecha [da dor].

Arittha, Uparittha, Tagarasikhin, Yasassin,
Sudassana, e Piyadassin o iluminado,
Gandhara, Pindola, Upasabha também,
Nitha, Tatha, Sutava, Bhavitatta.

6. “Sumbha, Subha, Methula e Atthama
depois Assumegha, Anigha, Sudatha -
e Hingu e Hinga, o muito poderoso,
paccekabuddhas não mais conduzidos ao devir.

Dois sábios com os nomes Jali e Atthaka,
depois Kosala o iluminado, depois Subahu,
Upanemi, Nemi e Santacitta
íntegro e verdadeiro, imaculado e sábio.

Kala, Upakala, Vijita e Jita;
Anga e Panga e Gutijjita também;
Passin conquistou o apego, a raiz do sofrimento;
Aparajita conquistou os poderes de Mara.

Satthar, Pavattar, Sarabhanga, Lomahamsa,
Uccangamaya, Asita, Anasava,
Manomaya e Bandhumant livres do orgulho,
Tadadhimutta imaculado e resplandecente;

Ketumbaraga, Matanga e Ariya,
depois Accuta, Accutagama, Byamaka,
Sumangala, Dabbila, Supatitthita,
Asayha, Khemabhirata, e Sorata,

Durannaya, Sangha e depois Ujjaya;
outro sábio, Sayha, com o nobre empenho.
E doze entre - Anandas, Nandas e Upanandas –
e Bharadvaja suportando seu último corpo;

Depois Bodhi, Mahanama o supremo,
Bharadvaja com o cabelo longo e claro;
Tissa e Upatissa não destinados ao devir;
Upasidarin e Sidarin, livres do desejo.

Iluminado era Mangala, livre da cobiça;
Usabha cortou a rede, a raiz do sofrimento.
Upanita alcançou o estado de paz,
purificado, excelente, verdadeiro.

Jeta, Jayanta, Paduma e Uppala,
Padumuttara, Rakkhita e Pabbata,
Manatthaddha glorioso, Vitaraga
e Kanha iluminados com a mente libertada.

7. “Esses e também outros eminentes e poderosos
paccekabuddhas não mais destinados ao devir -
honra a esses sábios que, transcendendo o desejo,
realizaram o parinibbana, acima de qualquer limite.”

 


 

Notas:

[1] No Sri Lanka este sutta é recitado com freqüência como um discurso para proteção e faz parte da compilação medieval, Maha Pirit Pota, “O Grande Livro da Proteção.” [Retorna]

[2] Esta, bem como as montanhas que vêm em seguida, circundam Rajagaha. [Retorna]

[3] Um paccekabuddha é aquele que realiza a iluminação e a libertação por si mesmo, sem contar com o Dhamma ensinado pelo Buda, mas não é capaz de ensinar o Dhamma aos outros e de estabelecer a Revelação. Os paccekabuddhas surgem apenas numa época em que não existe no mundo a revelação do Buda. [Retorna]

[4] Tagarasikhin é mencionado no Ud 5:4/50 e SN 3:20/i.92. [Retorna]

 

 

Revisado: 3 Julho 2004

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.