Anguttara Nikaya XI.2

Cetanakaraniya Sutta

Intenção Correta

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


“Alguém que tenha virtude, não é necessário o pensamento intencional: ‘Que a libertação do arrependimento surja em mim!’ É uma lei da natureza, bhikkhus, que naquele que tem virtude surge a libertação do arrependimento.

“Alguém que está livre do arrependimento, não é necessário o pensamento intencional: ‘Que a satisfação surja em mim!’ É uma lei da natureza, bhikkhus, que naquele que está livre do arrependimento surge a satisfação.

“Alguém que está satisfeito, não é necessário o pensamento intencional: ‘Que o êxtase surja em mim!’ É uma lei da natureza, bhikkhus, que naquele que está satisfeito surge o êxtase.

“Alguém cujo coração está extasiado, não é necessário o pensamento intencional: ‘Que meu corpo se acalme!’ É uma lei da natureza, bhikkhus, que naquele cujo coração está extasiado o corpo é acalmado.

“Alguém cujo corpo está calmo, não é necessário o pensamento intencional: ‘Que eu sinta felicidade!’ É uma lei da natureza, bhikkhus, que naquele cujo corpo está calmo, sente felicidade. [1]

“Alguém que sente felicidade, não é necessário o pensamento intencional: ‘Que a minha mente fique concentrada!’ É uma lei da natureza, bhikkhus, que naquele que sente felicidade, a mente se concentra.

“Alguém com a mente concentrada, não é necessário o pensamento intencional: ‘Que eu conheça e veja as coisas como elas na verdade são!’ É uma lei da natureza, bhikkhus, que uma mente concentrada conhece e vê as coisas como elas na verdade são.

“Alguém que conhece e vê as coisas como elas na verdade são, não é necessário o pensamento intencional: ‘Que eu experimente o desencantamento!’ É uma lei da natureza, bhikkhus, que aquele que vê as coisas como elas na verdade são, experimenta o desencantamento.

“Alguém que experimenta o desencantamento, não é necessário o pensamento intencional: ‘Que eu experimente o desapego!’ É uma lei da natureza, bhikkhus, que aquele que experimenta o desencantamento, experimenta o desapego.

“Alguém que experimenta o desapego, não é necessário o pensamento intencional: ‘Que eu realize o conhecimento e visão da libertação!’ É uma lei da natureza, bhikkhus, que aquele que experimenta o desapego, realiza o conhecimento e visão da libertação.

“Portanto, bhikkhus, o desapego possui o conhecimento e visão da libertação como seu benefício e recompensa, o desencantamento possui o desapego como seu benefício e recompensa, conhecer e ver as coisas como elas na verdade são possui o desencantamento como seu benefício e recompensa, a concentração possui conhecer e ver as coisas como elas na verdade são como seu benefício e recompensa, sentir felicidade possui a concentração como seu benefício e recompensa, o corpo calmo possui sentir felicidade como seu benefício e recompensa, o coração extasiado possui o corpo calmo como seu benefício e recompensa, a satisfação possui o êxtase como seu benefício e recompensa, estar livre do arrependimento possui a satisfação como seu benefício e recompensa, a conduta com virtude tem a libertação do arrependimento como seu benefício e recompensa.

“Assim, bhikkhus, as qualidades que precedem fluem para as qualidades que sucedem; as qualidades que sucedem conduzem à perfeição as qualidades que precedem - para cruzar desta margem para a outra margem.

 


 

Notas:

[1] Uma tradução alternativa para este verso:
“Alguém que sinta o corpo confortável e descontraído, não é necessário o pensamento intencional: ‘Eu me sinto tranqüilo e feliz!’ É uma lei da natureza, bhikkhus, que naquele cujo corpo está confortável e descontraído, se sente tranqüilo e feliz.” O corpo calmo ou confortável e descontraído também significa todos os sentidos acalmados.
Os equivalentes em Pali para alguns dos termos:
virtude - sila
arrependimento, remorso - vippatisara
satisfação, contentamento - pamujja
êxtase - piti
calma, tranquilidade, serenidade - passaddhi
felicidade - sukha
concentração - samadhi
ver as coisas como elas na verdade são - yatha butha ñanadassana
desencantamento - nibbida
desapego - viraga

Veja também: SN XII.23.

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 2 Março 2013

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.