Anguttara Nikaya X.176

Cunda Kammaraputta Sutta

Para Cunda, o ferreiro

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


Ouvi que em certa ocasião o Abençoado estava próximo a Pava no manguezal do ferreiro Cunda. Então o ferreiro Cunda foi até o Abençoado e depois de cumprimentá-lo sentou a um lado e o Abençoado disse: "Cunda, quais rituais de purificação você aprova?"

"Os brâmanes das terras do Ocidente, senhor - aqueles que carregam potes com água, usam grinaldas de plantas aquáticas, cultuam o fogo e purificam com a água: eles declararam rituais de purificação que eu aprovo."

"E que tipos de rituais de purificação eles declararam, esses brâmanes das terras do Ocidente que carregam potes com água, usam grinaldas de plantas aquáticas, cultuam o fogo e purificam com a água?"

"É o caso em que os brâmanes das terras do Ocidente … fazem com que os seus discípulos pratiquem da seguinte forma: 'Venha, agora, meu bom homem: Levante-se na hora apropriada da sua cama e toque a terra. Se você não tocar a terra, toque o estrume de vaca úmido. Se você não tocar o estrume de vaca úmido, toque a grama verde. Se você não tocar a grama verde, cultue o fogo. Se você não cultuar o fogo, homenageie o sol com as mãos postas. Se você não homenagear o sol com as mãos postas, entre na água três vezes ao cair da noite'. Esses são os rituais de purificação declarados pelos brâmanes das terras do Ocidente … que eu aprovo."

"Cunda, os rituais de purificação declarados pelos brâmanes das terras do Ocidente … são uma coisa, a purificação na disciplina dos nobres é algo totalmente diferente."

"Mas como é a purificação na disciplina dos nobres, venerável senhor? Seria bom se o Abençoado me ensinasse como é a purificação na disciplina dos nobres."

"Então nesse caso, Cunda, ouça e preste muita atenção àquilo que eu vou dizer."

"Sim, venerável senhor. O ferreiro Cunda respondeu.

O Abençoado disse: "Há três formas através das quais alguém se torna impuro pelas ações corporais, quatro formas através das quais alguém se torna impuro pelas ações verbais e três formas pelas quais alguém se torna impuro pelas ações mentais.

Ação Corporal Inábil e Prejudicial

"E como alguém se torna impuro de três formas pela ação corporal? É o caso em que alguém tira a vida de outros seres, um homicida, sanguinário, dedicado a golpes e violência, demonstrando nenhuma piedade com os seres vivos. Ele toma o que não é dado, ele toma, como se fosse um ladrão, os bens e propriedades de outros em um vilarejo ou na floresta. Ele se comporta de forma imprópria em relação aos prazeres dos sentidos; ele se envolve sexualmente com quem está sob a proteção da mãe, do pai, dos irmãos, das irmãs, dos parentes, que possuem esposo, protegidas pela lei ou mesmo com quem esteja coroada de flores por um outro homem. Assim é como alguém se torna impuro de três formas pela ação corporal.

Ação Verbal Inábil e Prejudicial

"E como alguém se torna impuro de quatro formas pela ação verbal? É o caso em que alguém emprega linguagem mentirosa; tendo sido chamado para uma corte, uma reunião, um encontro com seus parentes, com a sua corporação, com a família real, se assim for questionado como testemunha: 'Então, bom homem, diga o que você sabe,' se ele não souber, dirá, 'Eu sei'; se ele souber, dirá, 'Eu não sei'; se ele não viu, dirá, 'Eu vi;' se ele viu, dirá, 'Eu não vi'; em plena consciência ele conta mentiras em seu próprio benefício, pelo benefício de outros ou para obter algum benefício mundano insignificante. Ele emprega linguagem maliciosa; o que ouviu aqui ele conta ali para separar aquelas pessoas destas, ou o que ele ouviu lá conta aqui para separar estas pessoas daquelas; assim ele separa aquelas pessoas que estão unidas, ele cria divisões, ama a discórdia, se delicia com a discórdia, desfruta da discórdia, diz coisas que criam a discórdia. Ele emprega linguagem grosseira; ele emprega palavras que são grosseiras, duras, que magoam os outros, que ofendem os outros, próximas da raiva e que não favorecem a concentração. Ele emprega a linguagem frívola; ele fala fora de hora, diz o que não é fato, diz o que é inútil, diz aquilo que é contrário ao Dhamma e a Disciplina; nas horas inadequadas ele diz palavras que são inúteis, irracionais, imoderadas e que não trazem benefício. Assim é como alguém se torna impuro de quatro formas pela ação verbal.

Ação Mental Inábil e Prejudicial

"E como alguém se torna impuro de três formas pela ação mental? É o caso em que alguém é cobiçoso; ele cobiça os bens e propriedade dos outros, pensando, 'Ah, que aquilo que pertence aos outros seja meu!' Ou a sua mente possui má vontade e as suas intenções estão plenas de raiva: 'Que esses seres sejam mortos e assassinados, que eles cessem, faleçam ou sejam aniquilados!' Ou ele tem entendimento incorreto, vê as coisas de forma distorcida: 'Não existe nada que é dado, nada que é oferecido, nada que é sacrificado; não existe fruto ou resultado de ações boas ou más; não existe este mundo nem outro mundo; não existe mãe, nem pai; nenhum ser que renasça espontaneamente; não existem no mundo brâmanes nem contemplativos bons e virtuosos que, após terem conhecido e compreendido diretamente por eles mesmos, proclamam este mundo e o próximo.' Assim é como alguém se torna impuro de três formas pela ação mental.

"Essas, Cunda, são os dez tipos de ações inábeis. Quando alguém pratica esses dez tipos de ações inábeis, então mesmo se ele se levantar da cama na hora apropriada e tocar a terra, ainda será impuro. Se ele não tocar a terra, ainda será impuro. Se ele tocar estrume de vaca úmido, ainda será impuro. Se ele não tocar estrume de vaca úmido, ainda será impura. Se ele tocar a grama verde ... se ele não tocar a grama verde … se ele cultuar o fogo … se ele não cultuar o fogo … se ele homenagear o sol com as mãos postas … se ele não homenagear o sol com as mãos postas … se ele entrar na água três vezes ao anoitecer … se ele não entrar na água três vezes ao anoitecer, ainda será impuro. Por que isso? Porque esses dez tipos de ações inábeis são impuras e causam impureza. Além disso, como resultado de praticar esses dez tipos de ações inábeis, o [renascimento no] inferno é declarado, o [renascimento no] ventre animal é declarado, o [renascimento no] reino dos fantasmas é declarado - isso ou qualquer outro destino ruim.

"Agora, Cunda, há três formas através das quais alguém se torna puro pelas ações corporais, quatro formas através das quais alguém se torna puro pelas ações verbais e três formas pelas quais alguém se torna puro pelas ações mentais.

Ação Corporal Hábil e Benéfica

"E como alguém se torna puro de três formas pela ação corporal? É o caso em que alguém, abandonando tirar a vida de outros seres, se abstém de tirar a vida de outros seres; ele permanece com a sua vara e arma postas de lado, bondoso e gentil, compassivo com todos os seres vivos. Abandonando tomar o que não seja dado, ele se abstém de tomar o que não é dado; ele não toma, como se fosse um ladrão, os bens e propriedades de outros num vilarejo ou na floresta. Abandonando a conduta imprópria com relação aos prazeres dos sentidos, ele se abstém da conduta imprópria com relação aos prazeres dos sentidos; ele não se envolve sexualmente com quem está sob a proteção da mãe, do pai, dos irmãos, das irmãs, dos parentes, que possuem esposo, protegidas pela lei ou mesmo com quem esteja coroada de flores por um outro homem. Assim é como alguém se torna puro de três formas pela ação corporal.

Ação Verbal Hábil e Benéfica

" E como alguém se torna puro de quatro formas pela ação verbal? É o caso em que alguém, abandonando a linguagem mentirosa, se abstém da linguagem mentirosa; tendo sido chamado para uma corte, uma reunião, um encontro com seus parentes, com a sua corporação, com a família real, se assim for questionado como testemunha: 'Então, bom homem, diga o que você sabe,' se ele não souber, dirá, 'Eu não sei'; se ele souber, dirá, 'Eu sei'; se ele não viu, dirá, 'Eu não vi'; se ele viu, dirá, 'Eu vi'. Assim com plena consciência ele não conta mentiras em seu próprio benefício, pelo benefício de outros ou para obter algum benefício mundano insignificante. Abandonando a linguagem maliciosa, ele se abstém da linguagem maliciosa; o que ouviu aqui ele não conta ali para separar aquelas pessoas destas, ou, o que ouviu lá ele não conta aqui para separar estas pessoas daquelas; assim ele reconcilia aquelas pessoas que estão divididas, promove a amizade, ele ama a concórdia, se delicia com a concórdia, desfruta da concórdia, diz coisas que criam a concórdia. Abandonando a linguagem grosseira, ele se abstém da linguagem grosseira. Ele diz palavras que são gentis, que agradam aos ouvidos, carinhosas, que penetram o coração, que são corteses, desejadas por muitos e que agradam a muitos. Abandonando a linguagem frívola, ele se abstém da linguagem frívola. Ele fala na hora certa, diz o que é fato, aquilo que é bom, fala de acordo com o Dhamma e a Disciplina; nas horas adequadas ele diz palavras que são úteis, racionais, moderadas e que trazem benefício. Assim é como alguém se torna puro de quatro formas pela ação verbal.

Ação Mental Hábil e Benéfica

" E como alguém se torna puro de três formas pela ação mental? É o caso em que alguém não é cobiçoso. Ele não cobiça as posses dos outros, pensando, 'Ah, que aquilo que pertence aos outros seja meu!' A sua mente não possui má vontade e as suas intenções estão isentas de raiva: 'Que esses seres possam estar livres da inimizade, aflição e ansiedade! Que eles vivam felizes!’ Ele tem entendimento correto e não vê as coisas de forma distorcida: ‘Existe aquilo que é dado e o que é oferecido e o que é sacrificado; existe fruto e resultado de boas e más ações; existe este mundo e o outro mundo; existe a mãe e o pai; existem seres que renascem espontaneamente; existem no mundo brâmanes e contemplativos bons e virtuosos que, após terem conhecido e compreendido diretamente por eles mesmos, proclamam este mundo e o próximo.’ Assim é como alguém se torna puro de três formas pela ação mental.

"Essas, Cunda, são os dez tipos de ações hábeis. Quando alguém pratica esses dez tipos de ações hábeis, então mesmo se ele se levantar da cama na hora apropriada e tocar a terra, ainda será puro. Se ele não tocar a terra, ainda será puro. Se ele tocar estrume de vaca úmido, ainda será puro. Se ele não tocar estrume de vaca úmido, ele ainda será puro. Se ele tocar a grama verde ... se ele não tocar a grama verde … se ele cultuar o fogo … se ele não cultuar o fogo … se ele homenagear o sol com as mãos postas … se ele não homenagear o sol com as mãos postas … se ele entrar na água três vezes ao anoitecer … se ele não entrar na água três vezes ao anoitecer, ele ainda será puro. Por que isso? Porque esses dez tipos de ações hábeis são puras e causam pureza. Além disso, como resultado de praticar esses dez tipos de ações hábeis, os [renascimento entre] devas são declarados, os [renascimento entre] seres humanos são declarados - isso ou qualquer outro destino bom.

Quando isso foi dito, o ferreiro Cunda disse para o Abençoado: "Magnífico, venerável senhor! Magnífico, venerável senhor! Como se colocasse em pé o que estava de cabeça para baixo, revelasse o que estava escondido, mostrasse o caminho para alguém que estivesse perdido, ou levasse uma lâmpada no escuro para que aqueles que possuem visão conseguissem ver as formas, da mesma forma o Abençoado - através de muitas linhas de raciocínio - esclareceu o Dhamma. Eu busco refúgio no Abençoado, no Dhamma e na Sangha dos bhikkhus. Que o Abençoado se recorde de mim como um discípulo leigo que buscou refúgio nele, deste dia em diante, por toda a vida".

 


 

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 8 Dezembro 2015

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.