Anguttara Nikaya VIII.26

Jivaka Sutta

Jivaka

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


Ouvi que em certa ocasião o Abençoado estava em Rajagaha, no mangueiral de Jivaka. Então Jivaka Komarabhacca foi até o Abençoado e depois de cumprimentá-lo sentou a um lado e disse:

"Venerável senhor, de que modo alguém é um discípulo leigo?"

"Jivaka, quando alguém busca refúgio no Buda, busca refúgio no Dhamma, busca refúgio na Sangha, então desse modo alguém é um discípulo leigo."

"De que modo, venerável senhor, alguém é um discípulo leigo virtuoso?"

"Quando, Jivaka, um discípulo leigo se abstém de tirar a vida de outros seres, se abstém de tomar aquilo que não for dado, se abstém da conduta sexual imprópria, se abstém da linguagem mentirosa, se abstém do vinho, álcool e outros embriagantes que causam a negligência, desse modo alguém é um discípulo leigo virtuoso."

"De que modo, venerável senhor, um discípulo leigo pratica para o seu próprio benefício mas não para o benefício dos outros?"

(1) 'Quando, Jivaka, um discípulo leigo é perfeito na fé, mas não encoraja os outros que aperfeiçoem a sua fé; (2) quando ele observa o comportamento virtuoso, mas não encoraja os outros que observem o comportamento virtuoso; (3) quando ele é perfeito na generosidade, mas não encoraja os outros que aperfeiçoem a sua generosidade; (4) quando ele deseja ver os bhikkhus, mas não encoraja os outros a verem os bhikkhus; (5) quando ele deseja ouvir o bom Dhamma, mas não encoraja os outros a ouvirem o bom Dhamma; (6) quando ele retém na mente os ensinamentos que ouviu, mas não encoraja os outros a reterem na mente os ensinamentos que ouviram; (7) quando ele examina o significado dos ensinamentos que reteve na mente, mas não encoraja os outros a examinarem o significado dos ensinamentos que retiveram na mente; (8) quando ele entende o significado e pratica de acordo com o Dhamma, mas não encoraja os outros a entenderem o significado e praticarem de acordo com o Dhamma: é desse modo, Jivaka, que um discípulo leigo pratica para o seu próprio benefício mas não para o benefício dos outros.

"De que modo, venerável senhor, um discípulo leigo pratica para o seu próprio benefício e também para o benefício dos outros?"

(1) 'Quando, Jivaka, um discípulo leigo é perfeito na fé, e também encoraja os outros que aperfeiçoem a sua fé; (2) quando ele observa o comportamento virtuoso, e também encoraja os outros que observem o comportamento virtuoso; (3) quando ele é perfeito na generosidade, e também encoraja os outros que aperfeiçoem a sua generosidade; (4) quando ele deseja ver os bhikkhus, e também encoraja os outros a verem os bhikkhus; (5) quando ele deseja ouvir o bom Dhamma, e também encoraja os outros a ouvirem o bom Dhamma; (6) quando ele retém na mente os ensinamentos que ouviu, e também encoraja os outros a reterem na mente os ensinamentos que ouviram; (7) quando ele examina o significado dos ensinamentos que reteve na mente, e também encoraja os outros a examinarem o significado dos ensinamentos que retiveram na mente; (8) quando ele entende o significado e pratica de acordo com o Dhamma, e também encoraja os outros a entenderem o significado e praticarem de acordo com o Dhamma: é desse modo, Jivaka, que um discípulo leigo pratica para o seu próprio benefício e também para o benefício dos outros."

 


 

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 8 Dezembro 2015

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.