Anguttara Nikaya VII.46

Sañña Sutta

Percepções

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


“Bhikkhus, essas sete percepções quando desenvolvidas e cultivadas produzem grandes frutos, grandes benefícios, estão fundamentadas no imortal, culminando no imortal. Quais sete? A percepção das coisas repulsivas no corpo, a percepção da morte, a percepção das coisas repulsivas na comida, a percepção do não-deleite com tudo no mundo, a percepção da impermanência, a percepção do sofrimento naquilo que é impermanente, a percepção do não-eu naquilo que é sofrimento.

[1] “’A percepção das coisas repulsivas no corpo, quando desenvolvida e cultivada produz grandes frutos, grandes benefícios, está fundamentada no imortal, culminando no imortal’: Assim foi dito. E com referência a que foi dito isso?

“Quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção das coisas repulsivas no corpo, a mente dele recua do ato sexual, retrocede, se retrai e não é atraída por ele, e ou a equanimidade, ou a repulsa com relação a isso é estabelecida nele. Tal como a pena de um galo ou um pedaço de tendão, quando jogado numa fogueira, irá recuar, retroceder, se retrair e não é atraído por ela; do mesmo modo, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção das coisas repulsivas no corpo, a mente dele recua do ato sexual, retrocede, se retrai e não é atraída por ele, e ou a equanimidade, ou a repulsa com relação a isso é estabelecida nele.

“Se, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção das coisas repulsivas no corpo, a sua mente se inclina pelo ato sexual, ou a não repulsa é estabelecida nele, então ele deve compreender, ‘Eu não desenvolvi a percepção das coisas repulsivas no corpo; eu não obtive os estágios sucessivos de distinção; eu não alcancei o fruto desse desenvolvimento mental.’ Dessa forma ele tem plena consciência da sua situação. Mas se, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção das coisas repulsivas no corpo, a mente dele recua do ato sexual, retrocede, se retrai e não é atraída por ele, e ou a equanimidade, ou a repulsa com relação a isso é estabelecida nele, então ele deve compreender, ‘Eu desenvolvi a percepção das coisas repulsivas no corpo; eu obtive os estágios sucessivos de distinção; eu alcancei o fruto desse desenvolvimento mental.’ Dessa forma ele tem plena consciência da sua situação.

“’A percepção das coisas repulsivas no corpo, quando desenvolvida e cultivada produz grandes frutos, grandes benefícios, está fundamentada no imortal, culminando no imortal’: Assim foi dito. E com referência a isso é que foi dito.

[2] “’A percepção da morte, quando desenvolvida e cultivada produz grandes frutos, grandes benefícios, está fundamentada no imortal, culminando no imortal’: Assim foi dito. E com referência a que foi dito isso?

“Quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção da morte, a mente dele recua do fervor pela vida, retrocede, se retrai e não é atraída por ele, e ou a equanimidade, ou a repulsa com relação a isso é estabelecida nele. Tal como a pena de um galo ou um pedaço de tendão, quando jogado numa fogueira, irá recuar, retroceder, se retrair e não é atraído por ela; do mesmo modo, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção da morte, a mente dele recua do fervor pela vida, retrocede, se retrai e não é atraída por ele, e ou a equanimidade, ou a repulsa com relação a isso é estabelecida nele.

“Se, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção da morte, a sua mente se inclina pelo fervor pela vida, ou a não repulsa é estabelecida nele, então ele deve compreender, ‘Eu não desenvolvi a percepção da morte; eu não obtive os estágios sucessivos de distinção; eu não alcancei o fruto desse desenvolvimento mental.’ Dessa forma ele tem plena consciência da sua situação. Mas se, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção da morte, a mente dele recua do fervor pela vida, retrocede, se retrai e não é atraída por ele, e ou a equanimidade, ou a repulsa com relação a isso é estabelecida nele, então ele deve compreender, ‘Eu desenvolvi a percepção da morte; eu obtive os estágios sucessivos de distinção; eu alcancei o fruto desse desenvolvimento mental.’ Dessa forma ele tem plena consciência da sua situação.

“’A percepção da morte, quando desenvolvida e cultivada produz grandes frutos, grandes benefícios, está fundamentada no imortal, culminando no imortal’: Assim foi dito. E com referência a isso é que foi dito.

[3] “’A percepção das coisas repulsivas na comida, quando desenvolvida e cultivada produz grandes frutos, grandes benefícios, está fundamentada no imortal, culminando no imortal’: Assim foi dito. E com referência a que foi dito isso?

“Quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção das coisas repulsivas na comida, a mente dele recua do desejo por sabores, retrocede, se retrai e não é atraída por ele, e ou a equanimidade, ou a repulsa com relação a isso é estabelecida nele. Tal como a pena de um galo ou um pedaço de tendão, quando jogado numa fogueira, irá recuar, retroceder, se retrair e não é atraído por ela; do mesmo modo, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção das coisas repulsivas na comida, a mente dele recua do desejo por sabores, retrocede, se retrai e não é atraída por ele, e ou a equanimidade, ou a repulsa com relação a isso é estabelecida nele.

“Se, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção das coisas repulsivas na comida, a sua mente se inclina pelo desejo por sabores, ou a não repulsa é estabelecida nele, então ele deve compreender, ‘Eu não desenvolvi a percepção das coisas repulsivas na comida; eu não obtive os estágios sucessivos de distinção; eu não alcancei o fruto desse desenvolvimento mental.’ Dessa forma ele tem plena consciência da sua situação. Mas se, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção das coisas repulsivas na comida, a mente dele recua do desejo por sabores, retrocede, se retrai e não é atraída por ele, e ou a equanimidade, ou a repulsa com relação a isso é estabelecida nele, então ele deve compreender, ‘Eu desenvolvi a percepção das coisas repulsivas na comida; eu obtive os estágios sucessivos de distinção; eu alcancei o fruto desse desenvolvimento mental.’ Dessa forma ele tem plena consciência da sua situação.

“’A percepção das coisas repulsivas na comida, quando desenvolvida e cultivada produz grandes frutos, grandes benefícios, está fundamentada no imortal, culminando no imortal’: Assim foi dito. E com referência a isso é que foi dito.

[4] “’A percepção do desencantamento com tudo no mundo, quando desenvolvida e cultivada produz grandes frutos, grandes benefícios, está fundamentada no imortal, culminando no imortal’: Assim foi dito. E com referência a que foi dito isso?

“Quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção do desencantamento com tudo no mundo, a mente dele recua dos embelezamentos mundanos, retrocede, se retrai e não é atraída por eles, e ou a equanimidade, ou a repulsa com relação a isso é estabelecida nele. Tal como a pena de um galo ou um pedaço de tendão, quando jogado numa fogueira, irá recuar, retroceder, se retrair e não é atraído por ela; do mesmo modo, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção do desencantamento com tudo no mundo, a mente dele recua dos embelezamentos mundanos, retrocede, se retrai e não é atraída por eles, e ou a equanimidade ou a repulsa com relação a isso é estabelecida nele.

“Se, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção do desencantamento com tudo no mundo, a sua mente se inclina pelos embelezamentos mundanos, ou a não repulsa é estabelecida nele, então ele deve compreender, ‘Eu não desenvolvi a percepção do desencantamento com tudo no mundo; eu não obtive os estágios sucessivos de distinção; eu não alcancei o fruto desse desenvolvimento mental.’ Dessa forma ele tem plena consciência da sua situação. Mas se, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção do desencantamento com tudo no mundo, a mente dele recua dos embelezamentos mundanos, retrocede, se retrai e não é atraída por eles, e ou a equanimidade, ou a repulsa com relação a isso é estabelecida nele, então ele deve compreender, ‘Eu desenvolvi a percepção do desencantamento com tudo no mundo; eu obtive os estágios sucessivos de distinção; eu alcancei o fruto desse desenvolvimento mental.’ Dessa forma ele tem plena consciência da sua situação.

“’A percepção do desencantamento com tudo no mundo, quando desenvolvida e cultivada produz grandes frutos, grandes benefícios, está fundamentada no imortal, culminando no imortal’: Assim foi dito. E com referência a isso é que foi dito.

[5] “’A percepção da impermanência , quando desenvolvida e cultivada produz grandes frutos, grandes benefícios, está fundamentada no imortal, culminando no imortal’: Assim foi dito. E com referência a que foi dito isso?

“Quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção da impermanência, a mente dele recua dos ganhos, honrarias e fama, retrocede, se retrai e não é atraída por isso, e ou a equanimidade, ou a repulsa com relação a isso é estabelecida nele. Tal como a pena de um galo ou um pedaço de tendão, quando jogado numa fogueira, irá recuar, retroceder, se retrair e não é atraído por ela; do mesmo modo, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção da impermanência, a mente dele recua dos ganhos, honrarias e fama, retrocede, se retrai e não é atraída por isso, e ou a equanimidade, ou a repulsa com relação a isso é estabelecida nele.

“Se, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção da impermanência, a sua mente se inclina pelos ganhos, honrarias e fama, ou a não repulsa é estabelecida nele, então ele deve compreender, ‘Eu não desenvolvi a percepção da impermanência; eu não obtive os estágios sucessivos de distinção; eu não alcancei o fruto desse desenvolvimento mental.’ Dessa forma ele tem plena consciência da sua situação. Mas se, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção da impermanência, a mente dele recua dos ganhos, honrarias e fama, retrocede, se retrai e não é atraída por isso, e ou a equanimidade, ou a repulsa com relação a isso é estabelecida nele, então ele deve compreender, ‘Eu desenvolvi a percepção da impermanência; eu obtive os estágios sucessivos de distinção; eu alcancei o fruto desse desenvolvimento mental.’ Dessa forma ele tem plena consciência da sua situação.

“’A percepção da impermanência, quando desenvolvida e cultivada produz grandes frutos, grandes benefícios, está fundamentada no imortal, culminando no imortal’: Assim foi dito. E com referência a isso é que foi dito.

[6] “’A percepção do sofrimento naquilo que é impermanente, quando desenvolvida e cultivada produz grandes frutos, grandes benefícios, está fundamentada no imortal, culminando no imortal’: Assim foi dito. E com referência a que foi dito isso?

“Quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção do sofrimento naquilo que é impermanente, uma aguçada percepção do perigo e temor é estabelecida nele em relação à letargia, indolência, preguiça, negligência, falta de determinação e desatenção, como em relação a um assassino com a espada levantada.

“Se, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção do sofrimento naquilo que é impermanente, uma aguçada percepção do perigo e temor não é estabelecida nele em relação à letargia, indolência, preguiça, negligência, falta de determinação e desatenção, como em relação a um assassino com a espada levantada, então ele deve compreender, ‘Eu não desenvolvi a percepção do sofrimento naquilo que é impermanente; eu não obtive os estágios sucessivos de distinção; eu não alcancei o fruto desse desenvolvimento mental.’ Dessa forma ele tem plena consciência da sua situação. Mas se, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção do sofrimento naquilo que é impermanente, uma aguçada percepção do perigo e temor é estabelecida nele em relação à letargia, indolência, preguiça, negligência, falta de determinação e desatenção, como em relação a um assassino com a espada levantada, então ele deve compreender, ‘Eu desenvolvi a percepção do sofrimento naquilo que é impermanente; eu obtive os estágios sucessivos de distinção; eu alcancei o fruto desse desenvolvimento mental.’ Dessa forma ele tem plena consciência da sua situação.

“’A percepção do sofrimento naquilo que é impermanente, quando desenvolvida e cultivada produz grandes frutos, grandes benefícios, está fundamentada no imortal, culminando no imortal’: Assim foi dito. E com referência a isso é que foi dito.

[7] “’A percepção do não-eu naquilo que é sofrimento, quando desenvolvida e cultivada produz grandes frutos, grandes benefícios, está fundamentada no imortal, culminando no imortal’: Assim foi dito. E com referência a que foi dito isso?

“Se, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção do não-eu naquilo que é sofrimento, a sua atividade mental estiver desprovida da fabricação de um eu e da fabricação do meu, com relação a este corpo consciente, e externamente com relação a todos os sinais, ele transcendeu a discriminação, está em paz e está bem libertado.

“Se, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção do não-eu naquilo que é sofrimento, a sua atividade mental não estiver desprovida da fabricação de um eu e da fabricação do meu, com relação a este corpo consciente, e externamente com relação a todos os sinais, ele não transcendeu a discriminação, não está em paz e não está bem libertado, então ele deve compreender, ‘Eu não desenvolvi a percepção do não-eu naquilo que é sofrimento; eu não obtive os estágios sucessivos de distinção; eu não alcancei o fruto desse desenvolvimento mental.’ Dessa forma ele tem plena consciência da sua situação. Mas se, quando um bhikkhu com freqüência cultiva a percepção do não-eu naquilo que é sofrimento, a sua atividade mental estiver desprovida da fabricação de um eu e da fabricação do meu, com relação a este corpo consciente, e externamente com relação a todos os sinais, ele transcendeu a discriminação, está em paz e está bem libertado, então ele deve compreender, ‘Eu desenvolvi a percepção do não-eu naquilo que é sofrimento; eu obtive os estágios sucessivos de distinção; eu alcancei o fruto desse desenvolvimento mental.’ Dessa forma ele tem plena consciência da sua situação.

“’A percepção do não-eu naquilo que é sofrimento, quando desenvolvida e cultivada produz grandes frutos, grandes benefícios, está fundamentada no imortal, culminando no imortal’: Assim foi dito. E com referência a isso é que foi dito.

“Bhikkhus, essas sete percepções quando desenvolvidas e cultivadas produzem grandes frutos, grandes benefícios, estão fundamentadas no imortal, culminando no imortal.”

 


Notas:

Veja também o AN VI.19; AN VI.20; AN VI.49; AN VII.70; AN X.60.

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 15 Agosto 2009

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.