Anguttara Nikaya VI.61

Majjhe Sutta

Meio

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


Assim ouvi. Em certa ocasião o Abençoado estava em Benares no Parque do Gamo em Isipatana. Agora naquela ocasião, depois de haver esmolado alimentos e haver retornado, após a refeição, um grupo de bhikkhus sêniores estavam reunidos no pavilhão quando surgiu esta conversa: "Foi dito pelo Abençoado, amigos, no Parayana, nas 'Perguntas de Metteya' [1]:

"Tendo compreendido ambos lados,
o sábio não fica preso no meio.
Ele é um grande homem:
aquele que superou o pregador?”

"O que amigos é um lado? O que é o segundo lado? O que é o meio? O que é o pregador?"

(1) Quando isto foi dito, um certo bhikkhu disse para os bhikkhus sêniores: "Contato, amigos é um lado, o surgimento do contato é o outro lado, a cessação do contato é o meio, o desejo é o pregador. Pois o desejo prega à produção deste ou daquele estado de ser/existir. É desse modo que um bhikkhu conhece de modo direto aquilo que deve ser conhecido diretamente; compreende por completo aquilo que deve ser compreendido completamente; e fazendo isso, nesta mesma vida, dá um fim ao sofrimento." [2]

(2) Quando isto foi dito, um outro bhikkhu disse para os bhikkhus sêniores: "O passado, amigos é um lado, o futuro é o outro lado, o presente é o meio, o desejo é o pregador. Pois o desejo prega à produção deste ou daquele estado de ser/existir. É desse modo que um bhikkhu conhece de modo direto aquilo que deve ser conhecido diretamente; compreende por completo aquilo que deve ser compreendido completamente; e fazendo isso, nesta mesma vida, dá um fim ao sofrimento."

(3) Quando isto foi dito, um outro bhikkhu disse para os bhikkhus sêniores: "As sensações prazerosas, amigos é um lado, as sensações dolorosas é o outro lado, as sensações nem prazerosas, nem dolorosas é o meio, o desejo é o pregador. Pois o desejo prega à produção deste ou daquele estado de ser/existir. É desse modo que um bhikkhu conhece de modo direto aquilo que deve ser conhecido diretamente; compreende por completo aquilo que deve ser compreendido completamente; e fazendo isso, nesta mesma vida, dá um fim ao sofrimento."

(4) Quando isto foi dito, um outro bhikkhu disse para os bhikkhus sêniores: "A mentalidade (nome), amigos é um lado, materialidade (forma) é o outro lado, consciência é o meio, o desejo é o pregador. Pois o desejo prega à produção deste ou daquele estado de ser/existir. É desse modo que um bhikkhu conhece de modo direto aquilo que deve ser conhecido diretamente; compreende por completo aquilo que deve ser compreendido completamente; e fazendo isso, nesta mesma vida, dá um fim ao sofrimento."

(5) Quando isto foi dito, um outro bhikkhu disse para os bhikkhus sêniores: "As seis bases internas, amigos é um lado, as seis bases externas é o outro lado, consciência é o meio, o desejo é o pregador. Pois o desejo prega à produção deste ou daquele estado de ser/existir. É desse modo que um bhikkhu conhece de modo direto aquilo que deve ser conhecido diretamente; compreende por completo aquilo que deve ser compreendido completamente; e fazendo isso, nesta mesma vida, dá um fim ao sofrimento."

(6) Quando isto foi dito, um outro bhikkhu disse para os bhikkhus sêniores: "Identidade, amigos é um lado, a origem da identidade é o outro lado, a cessação da identidade é o meio, o desejo é o pregador. Pois o desejo prega à produção deste ou daquele estado de ser/existir. É desse modo que um bhikkhu conhece de modo direto aquilo que deve ser conhecido diretamente; compreende por completo aquilo que deve ser compreendido completamente; e fazendo isso, nesta mesma vida, dá um fim ao sofrimento."

Quando isso foi dito, um certo bhikkhu disse para os bhikkhus sêniores: “Amigos, nós todos falamos de acordo com a nossa própria inspiração. Vamos até o Abençoado relatar este assunto. Da forma como o Abençoado responder, assim nos recordaremos.” – “Sim, amigos,” eles responderam. Então aqueles veneráveis foram até o Abençoado e depois de cumprimentá-lo sentaram a um lado e relataram toda a conversa, perguntando: “Venerável senhor, qual de nós falou bem?”

[O Abençoado respondeu:] “Todos vocês falaram bem, cada um a seu modo, mas ouçam e prestem bem atenção pois vou relatar minha intenção quando eu disse no Parayana, nas 'Perguntas de Metteya':

"Tendo compreendido ambos lados,
o sábio não fica preso no meio.
Ele é um grande homem:
aquele que superou o pregador?'”

"Sim, venerável senhor," os bhikkhus responderam. O Abençoado disse o seguinte:

"Contato, bhikkhus, é um lado, o surgimento do contato é o outro lado, a cessação do contato é o meio, o desejo é o pregador. Pois o desejo prega à produção deste ou daquele estado de ser/existir. É desse modo que um bhikkhu conhece de modo direto aquilo que deve ser conhecido diretamente; compreende por completo aquilo que deve ser compreendido completamente; e fazendo isso, nesta mesma vida, dá um fim ao sofrimento."

 


Notas:

[1] Veja o Snp V.2. [Retorna]

[2] Conhecimento direto é abhijanati e compreensão completa é parijanati. [Retorna]

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 4 Maio 2013

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.