Anguttara Nikaya VI.13

Nissaraniya Sutta

Escapatória

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


“Bhikkhus, há esses seis elementos que são escapatórias. Quais seis?

“Há o caso em que um bhikkhu pode dizer, ‘Embora o amor bondade tenha sido desenvolvido, cultivado, feito um veículo, uma base, estabilizado, exercitado e aperfeiçoado, e bem adotado como minha libertação da mente, ainda assim a raiva subjuga a minha mente.’ A ele deve ser dito, ‘Não diga isso. Você não deve falar dessa forma. Não deturpe o Abençoado; não é bom deturpar o Abençoado. O Abençoado não falaria dessa forma. É impossível, não pode ser que – quando o amor bondade foi desenvolvido, cultivado, feito um veículo, uma base, estabilizado, exercitado e aperfeiçoado, e bem adotado como a libertação da mente – que a raiva ainda assim subjugue a mente. Essa possibilidade não existe, pois essa é a escapatória da raiva: o amor bondade como a libertação da mente.’”

“Além disso, há o caso em que um bhikkhu pode dizer, ‘Embora a compaixão tenha sido desenvolvida, cultivada, feita um veículo, uma base, estabilizada, exercitada e aperfeiçoada, e bem adotada como minha libertação da mente, ainda assim a crueldade subjuga a minha mente.’ A ele deve ser dito, ‘Não diga isso. Você não deve falar dessa forma. Não deturpe o Abençoado; não é bom deturpar o Abençoado. O Abençoado não falaria dessa forma. É impossível, não pode ser que – quando a compaixão foi desenvolvida, cultivada, feita um veículo, uma base, estabilizada, exercitada e aperfeiçoada, e bem adotada como a libertação da mente – que a crueldade ainda assim subjugue a mente. Essa possibilidade não existe, pois essa é a escapatória da crueldade: a compaixão como a libertação da mente.’”

“Além disso, há o caso em que um bhikkhu pode dizer, ‘Embora a alegria altruísta tenha sido desenvolvida, cultivada, feita um veículo, uma base, estabilizada, exercitada e aperfeiçoada, e bem adotada como minha libertação da mente, ainda assim o descontentamento subjuga a minha mente.’ A ele deve ser dito, ‘Não diga isso. Você não deve falar dessa forma. Não deturpe o Abençoado; não é bom deturpar o Abençoado. O Abençoado não falaria dessa forma. É impossível, não pode ser que – quando a alegria altruísta foi desenvolvida, cultivada, feita um veículo, uma base, estabilizada, exercitada e aperfeiçoada, e bem adotada como a libertação da mente – que o descontentamento ainda assim subjugue a mente. Essa possibilidade não existe, pois essa é a escapatória do descontentamento: a alegria altruísta como a libertação da mente.’”

“Além disso, há o caso em que um bhikkhu pode dizer, ‘Embora a equanimidade tenha sido desenvolvida, cultivada, feita um veículo, uma base, estabilizada, exercitada e aperfeiçoada, e bem adotada como minha libertação da mente, ainda assim a cobiça subjuga a minha mente.’ A ele deve ser dito, ‘Não diga isso. Você não deve falar dessa forma. Não deturpe o Abençoado; não é bom deturpar o Abençoado. O Abençoado não falaria dessa forma. É impossível, não pode ser que – quando a equanimidade foi desenvolvida, cultivada, feita um veículo, uma base, estabilizada, exercitada e aperfeiçoada, e bem adotada como a libertação da mente – que a cobiça ainda assim subjugue a mente. Essa possibilidade não existe, pois essa é a escapatória da cobiça: a equanimidade como a libertação da mente.’”

“Além disso, há o caso em que um bhikkhu pode dizer, ‘Embora a ausência de sinais tenha sido desenvolvida, cultivada, feita um veículo, uma base, estabilizada, exercitada e aperfeiçoada, e bem adotada como minha libertação da mente, ainda assim a minha mente é levada pelos sinais.’ A ele deve ser dito, ‘Não diga isso. Você não deve falar dessa forma. Não deturpe o Abençoado; não é bom deturpar o Abençoado. O Abençoado não falaria dessa forma. É impossível, não pode ser que – quando a ausência de sinais foi desenvolvida, cultivada, feita um veículo, uma base, estabilizada, exercitada e aperfeiçoada, e bem adotada como a libertação da mente – que a mente seja levada pelos sinais. Essa possibilidade não existe, pois essa é a escapatória de todos os sinais: a libertação sem sinais da mente.’” [1]

“Além disso, há o caso em que um bhikkhu pode dizer, ‘Embora “eu sou” não exista mais, e eu não suponha que “eu sou isso,” ainda assim a flecha da incerteza e perplexidade continua subjugando a minha mente.’ A ele deve ser dito, ‘Não diga isso. Você não deve falar dessa forma. Não deturpe o Abençoado; não é bom deturpar o Abençoado. O Abençoado não falaria dessa forma. É impossível, não pode ser que – quando “eu sou” não existe mais e “eu sou isso” não é mais suposto – que a flecha da incerteza e perplexidade continue subjugando a mente. Essa possibilidade não existe, pois essa é a escapatória da flecha da incerteza e perplexidade: a eliminação da presunção “eu sou”. [2]

“Esses, bhikkhus, são os seis elementos que são escapatórias.”

 


Notas:

[1] Com relação à libertação sem sinais da mente veja o MN 43.27.

[2] Com relação à distinção entre “eu sou” e “eu sou isso” veja o SN XXII.89.

Veja também o AN V.200

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 4 Maio 2013

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.