Anguttara Nikaya V.76

Yodhajiva (dutiya) Sutta

Guerreiros

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


"Bhikkhus, há cinco tipos de guerreiros que podem ser encontrados no mundo. Quais cinco?

(1) "Aqui, um certo guerreiro toma a espada e o escudo, se arma com o arco e a aljava, e entra no calor da batalha. Ele se esforça e se empenha na luta, mas os seus inimigos o matam e lhe dão um fim. Há aqui, bhikkhus, esse tipo de guerreiro. Esse é o primeiro tipo de guerreiro que pode ser encontrado no mundo.

(2) "Novamente, um certo guerreiro toma a espada e o escudo, se arma com o arco e a aljava, e entra no calor da batalha. Ele se esforça e se empenha na luta, mas os seus inimigos o ferem. Os seus companheiros o carregam para os seus familiares. Enquanto está sendo levado para os seus familiares, ele morre no meio do caminho, antes de chegar. Há aqui, bhikkhus, esse tipo de guerreiro. Esse é o segundo tipo de guerreiro que pode ser encontrado no mundo.

(3) "Novamente, um certo guerreiro toma a espada e o escudo, se arma com o arco e a aljava, e entra no calor da batalha. Ele se esforça e se empenha na luta, mas os seus inimigos o ferem. Os seus companheiros o carregam para os seus familiares. Os familiares cuidam e tomam conta dele, mas enquanto eles assim fazem, ele morre devido aos ferimentos. Há aqui, bhikkhus, esse tipo de guerreiro. Esse é o terceiro tipo de guerreiro que pode ser encontrado no mundo.

(4) "Novamente, um certo guerreiro toma a espada e o escudo, se arma com o arco e a aljava, e entra no calor da batalha. Ele se esforça e se empenha na luta, mas os seus inimigos o ferem. Os seus companheiros o carregam para os seus familiares. Os familiares cuidam e tomam conta dele, e como resultado ele se cura dos ferimentos. Há aqui, bhikkhus, esse tipo de guerreiro. Esse é o quarto tipo de guerreiro que pode ser encontrado no mundo.

(5) "Novamente, um certo guerreiro toma a espada e o escudo, se arma com o arco e a aljava, e entra no calor da batalha. Tendo triunfado na batalha ele emerge vitorioso e se estabelece como o cabeça no campo de batalha. Há aqui, bhikkhus, esse tipo de guerreiro. Esse é o quinto tipo de guerreiro que pode ser encontrado no mundo.

"Esses são os cinco tipos de guerreiros que podem ser encontrados no mundo.

“Da mesma forma, existem cinco tipos de pessoas que se assemelham aos guerreiros que podem ser encontradas entre os bhikkhus. Quais cinco?

(1) "Aqui, um bhikkhu vive na dependência de um certo vilarejo ou cidade. Pela manhã ele se veste, toma o manto externo e a tigela, e vai até o vilarejo ou cidade para esmolar alimentos, com o corpo, linguagem e mente desprotegidas, sem ter estabelecido a atenção plena, sem a contenção das faculdades dos sentidos. Lá ele vê mulheres com os vestidos soltos e desarranjados. Ao vê-las, a cobiça invade a sua mente. Com a mente tomada pela cobiça, ele pratica o ato sexual sem ter revelado a sua fraqueza e ter abandonado o treinamento. Essa pessoa, eu digo, é igual ao guerreiro que toma a espada e o escudo, se arma com o arco e a aljava, e entra no calor da batalha. Ele se esforça e se empenha na luta, mas os seus inimigos o matam e lhe dão um fim. Há aqui, bhikkhus, esse tipo de pessoa. Esse é o primeiro tipo de pessoa que se assemelha aos guerreiros que pode ser encontrada entre os bhikkhus.

(2) "Novamente, um bhikkhu vive na dependência de um certo vilarejo ou cidade. Pela manhã ele se veste, toma o manto externo e a tigela, e vai até o vilarejo ou cidade para esmolar alimentos, com o corpo, linguagem e mente desprotegidas, sem ter estabelecido a atenção plena, sem a contenção das faculdades dos sentidos. Lá ele vê mulheres com os vestidos soltos e desarranjados. Ao vê-las, a cobiça invade a sua mente. Com a mente tomada pela cobiça, ele arde no corpo e na mente [com a febre da cobiça]. Ele pensa: 'Vou retornar ao monastério e informar aos bhikkhus: "Amigos, eu estou obcecado pela cobiça, oprimido pela cobiça. Eu não sou capaz de dar continuidade à vida espiritual. Tendo revelado a minha fraqueza no treinamento, eu abandonarei o treinamento e regressarei para a vida inferior.'" Enquanto ele esta voltando para o monastério, mesmo antes de chegar, ele revela a sua fraqueza no treinamento, abandona o treinamento e regressa para a vida inferior. Essa pessoa, eu digo, é igual ao guerreiro que toma a espada e o escudo, se arma com o arco e a aljava, e entra no calor da batalha. Ele se esforça e se empenha na luta, mas os seus inimigos o ferem. Os seus companheiros o carregam para os seus familiares. Enquanto está sendo levado para os seus familiares, ele morre no meio do caminho, antes de chegar. Há aqui, bhikkhus, esse tipo de pessoa. Esse é o segundo tipo de pessoa que se assemelha aos guerreiros que pode ser encontrada entre os bhikkhus.

(3) "Novamente, um bhikkhu vive na dependência de um certo vilarejo ou cidade. Pela manhã ele se veste, toma o manto externo e a tigela, e vai até o vilarejo ou cidade para esmolar alimentos, com o corpo, linguagem e mente desprotegidas, sem ter estabelecido a atenção plena, sem a contenção das faculdades dos sentidos. Lá ele vê mulheres com os vestidos soltos e desarranjados. Ao vê-las, a cobiça invade a sua mente. Com a mente tomada pela cobiça, ele arde no corpo e na mente [com a febre da cobiça]. Ele pensa: 'Vou retornar ao monastério e informar aos bhikkhus: "Amigos, eu estou obcecado pela cobiça, oprimido pela cobiça. Eu não sou capaz de dar continuidade à vida espiritual. Tendo revelado a minha fraqueza no treinamento, eu abandonarei o treinamento e regressarei para a vida inferior.'" Ele volta para o monastério e informa os bhikkhus: 'Amigos, eu estou obcecado pela cobiça, oprimido pela cobiça. Eu não sou capaz de dar continuidade à vida espiritual. Tendo revelado a minha fraqueza no treinamento, eu abandonarei o treinamento e regressarei para a vida inferior.' Os seus companheiros então o exortam e instruem: 'Amigo, o Abençoado declarou que os prazeres dos sentidos proporcionam pouca gratificação, muito sofrimento, muito desespero e quanto perigo eles contêm. Com o símile do osso ... com o símile do pedaço de carne ... com o símile da tocha de capim ... com o símile da cova de carvão em brasa ... com o símile dos sonhos ... com o símile das mercadorias emprestadas ... com o símile da árvore carregada de frutos ... com o símile do matadouro ... com o símile da espada ... com o símile da cabeça da cobra, o Abençoado declarou como os prazeres dos sentidos proporcionam pouca gratificação, muito sofrimento, muito desespero e quanto perigo eles contêm. [1] Desfrute da vida espiritual. Não pense que você é incapaz de seguir o treinamento, abandoná-lo e regressar para a vida inferior.' Enquanto ele está sendo exortado e instruído pelos seus companheiros dessa forma, ele protesta: 'Amigos, embora o Abençoado tenha declarado que os prazeres dos sentidos proporcionam pouca gratificação, muito sofrimento, muito desespero e quanto perigo eles contêm, ainda assim, eu sou incapaz de dar continuidade à vida espiritual. Tendo revelado a minha fraqueza no treinamento, eu abandonarei o treinamento e regressarei para a vida inferior.' Tendo revelado a sua fraqueza no treinamento, ele abandona o treinamento e regressa para a vida inferior. Essa pessoa, eu digo, é igual ao guerreiro que toma a espada e o escudo, se arma com o arco e a aljava, e entra no calor da batalha. Ele se esforça e se empenha na luta, mas os seus inimigos o ferem. Os seus companheiros o carregam para os seus familiares. Os familiares cuidam e tomam conta dele, mas enquanto eles assim fazem, ele morre devido aos ferimentos. Há aqui, bhikkhus, esse tipo de pessoa. Esse é o terceiro tipo de pessoa que se assemelha aos guerreiros que pode ser encontrada entre os bhikkhus.

(4) "Novamente, um bhikkhu vive na dependência de um certo vilarejo ou cidade. Pela manhã ele se veste, toma o manto externo e a tigela, e vai até o vilarejo ou cidade para esmolar alimentos, com o corpo, linguagem e mente desprotegidas, sem ter estabelecido a atenção plena, sem a contenção das faculdades dos sentidos. Lá ele vê mulheres com os vestidos soltos e desarranjados. Ao vê-las, a cobiça invade a sua mente. Com a mente tomada pela cobiça, ele arde no corpo e na mente [com a febre da cobiça]. Ele pensa: 'Vou retornar ao monastério e informar aos bhikkhus: "Amigos, eu estou obcecado pela cobiça, oprimido pela cobiça. Eu não sou capaz de dar continuidade à vida espiritual. Tendo revelado a minha fraqueza no treinamento, eu abandonarei o treinamento e regressarei para a vida inferior.'" Ele volta para o monastério e informa os bhikkhus: 'Amigos, eu estou obcecado pela cobiça, oprimido pela cobiça. Eu não sou capaz de dar continuidade à vida espiritual. Tendo revelado a minha fraqueza no treinamento, eu abandonarei o treinamento e regressarei para a vida inferior.' Os seus companheiros então o exortam e instruem: 'Amigo, o Abençoado declarou que os prazeres dos sentidos proporcionam pouca gratificação, muito sofrimento, muito desespero e quanto perigo eles contêm. Com o símile do osso ... com o símile do pedaço de carne ... com o símile da tocha de capim ... com o símile da cova de carvão em brasa ... com o símile dos sonhos ... com o símile das mercadorias emprestadas ... com o símile da árvore carregada de frutos ... com o símile do matadouro ... com o símile da espada ... com o símile da cabeça da cobra, o Abençoado declarou como os prazeres dos sentidos proporcionam pouca gratificação, muito sofrimento, muito desespero e quanto perigo eles contêm. Desfrute da vida espiritual. Não pense que você é incapaz de seguir o treinamento, abandoná-lo e regressar para a vida inferior.' Enquanto ele está sendo exortado e instruído pelos seus companheiros dessa forma, ele diz: 'Eu vou tentar, amigos, eu vou continuar, eu vou desfrutar. Eu não pensarei ser incapaz de seguir o treinamento, abandoná-lo e regressar para a vida inferior.' Essa pessoa, eu digo, é igual ao guerreiro que toma a espada e o escudo, se arma com o arco e a aljava, e entra no calor da batalha. Ele se esforça e se empenha na luta, mas os seus inimigos o ferem. Os seus companheiros o carregam para os seus familiares. Os familiares cuidam e tomam conta dele, e como resultado ele se cura dos ferimentos. Há aqui, bhikkhus, esse tipo de pessoa. Esse é o quarto tipo de pessoa que se assemelha aos guerreiros que pode ser encontrada entre os bhikkhus.

(5) "Novamente, um bhikkhu vive na dependência de um certo vilarejo ou cidade. Pela manhã ele se veste, toma o manto externo e a tigela, e vai até o vilarejo ou cidade para esmolar alimentos, com o corpo, linguagem e mente protegidas, tendo estabelecido a atenção plena, com a contenção das faculdades dos sentidos. Ao ver uma forma com o olho, ele não se agarra aos seus sinais ou detalhes. Visto que, se permanecer com a faculdade do olho descuidada, ele será tomado pelos estados ruins e prejudiciais de cobiça e tristeza. Ele pratica a contenção, ele protege a faculdade do olho, ele se empenha na contenção da faculdade do olho. Ao ouvir um som com o ouvido ... Ao cheirar um aroma com o nariz ... Ao saborear um sabor com a língua ... Ao tocar um tangível com o corpo ... Ao conscientizar um objeto mental com a mente, ele não se agarra aos seus sinais ou detalhes. Visto que, se permanecer com a faculdade da mente descuidada, ele será tomado pelos estados ruins e prejudiciais de cobiça e tristeza. Ele pratica a contenção, ele protege a faculdade da mente, ele se empenha na contenção da faculdade da mente. Depois de esmolar alimentos, após a refeição, ele procura um local isolado: na floresta, à sombra de uma árvore, uma montanha, uma ravina, uma caverna em uma encosta, um cemitério, um matagal, um espaço aberto, uma cabana vazia, ele senta com as pernas cruzadas, com o corpo ereto e coloca a atenção plena à sua frente. Abandonando a cobiça pelo mundo, ele permanece com a mente livre de cobiça; ele purifica sua mente da cobiça. Abandonando a má vontade, ele permanece com a mente livre de má vontade, com compaixão pelo bem-estar de todos seres vivos; ele purifica sua mente da má vontade. Abandonando a preguiça e o torpor, ele permanece livre da preguiça e do torpor, perceptivo à luz, atento e plenamente consciente; ele purifica sua mente da preguiça e do torpor. Abandonando a inquietação e a ansiedade, ele permanece calmo com a mente em paz; ele purifica sua mente da inquietação e da ansiedade. Abandonando a dúvida, ele assim permanece tendo superado a dúvida, sem perplexidade em relação a qualidades mentais hábeis; ele purifica a mente da dúvida.

"Tendo abandonado esses cinco obstáculos, corrupções da mente que enfraquecem a sabedoria, afastado dos prazeres sensuais, afastado das qualidades não hábeis, entra e permanece no primeiro jhana ... quarto jhana, que possui nem felicidade nem sofrimento, com a atenção plena e a equanimidade purificadas.

“Com a sua mente dessa forma concentrada, purificada, luminosa, pura, imaculada, livre de defeitos, flexível, maleável, estável e atingindo a imperturbabilidade, ele a dirige e a inclina para o conhecimento do fim das impurezas mentais. Ele compreende, da forma como na verdade é que: ‘Isto é sofrimento’; ele compreende, da forma como na verdade é que: ‘Esta é a origem do sofrimento’; ele compreende, da forma como na verdade é que: ‘esta é a cessação do sofrimento’; ele compreende, da forma como na verdade é que: ‘este é o caminho que conduz à cessação do sofrimento’; ele compreende, da forma como na verdade é que: ‘essas são impurezas mentais’; ele compreende, da forma como na verdade é que: ‘esta é a origem das impurezas’; ele compreende, da forma como na verdade é que: ‘esta é a cessação das impurezas’; ele compreende, da forma como na verdade é que: ‘este é o caminho que conduz à cessação das impurezas.’ Ao conhecer e ver, a sua mente está livre da impureza do desejo sensual, da impureza de ser/existir, da impureza da ignorância. Quando ela está libertada surge o conhecimento, ‘Libertada.’ Ele compreende que ‘O nascimento foi destruído, a vida santa foi vivida, o que deveria ser feito foi feito, não há mais vir a ser a nenhum estado.’ Essa pessoa, eu digo, é igual ao guerreiro que toma a espada e o escudo, se arma com o arco e a aljava, e entra no calor da batalha. Tendo triunfado na batalha ele emerge vitorioso e se estabelece como o cabeça no campo de batalha. Há aqui, bhikkhus, esse tipo de pessoa. Esse é o quinto tipo de pessoa que se assemelha aos guerreiros que pode ser encontrada entre os bhikkhus.

"Esses são os cinco tipos de pessoas que se assemelham aos guerreiros que podem ser encontradas entre os bhikkhus."

 


Notas:

[1] Os primeiros sete símiles dos prazeres dos sentidos são explicados em mais detalhe no MN 54.15. [Retorna]

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 16 Abril 2013

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.