Anguttara Nikaya IX.36

Jhana Sutta

Jhana

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


"Eu lhes digo, o fim das impurezas da mente depende do primeiro jhana ... do segundo jhana ... do terceiro jhana ... do quarto jhana ... da esfera do espaço infinito ... da esfera da consciência infinita ... da esfera do nada. Eu lhes digo, o fim das impurezas mentais depende da esfera da nem percepção, nem não percepção.

"'Eu lhes digo, o fim das impurezas mentais depende do primeiro jhana.’ Assim foi dito. Em referência a que foi dito isto? É o caso em que um bhikkhu afastado dos prazeres sensuais, afastado das qualidades não hábeis, entra e permanece no primeiro jhana, que é caracterizado pelo pensamento aplicado e sustentado, com o êxtase e felicidade nascidos do afastamento. Ele observa qualquer fenômeno que ocorra conectado com o corpo, sensações, percepções, formações e consciência, como impermanente, sofrimento, uma enfermidade, um câncer, uma flecha, doloroso, uma aflição, estranho, uma dissolução, um vazio. Ele afasta a sua mente desse fenômeno, e tendo feito isso, dirige a sua mente para as características do imortal: ‘Isto é a paz, isto é o sublime, isto é, o silenciar de todas as formações, o abandono de todas as aquisições, a destruição do desejo; desapego; cessação; nibbana.’

"Suponha que um arqueiro ou aprendiz de arqueiro fosse praticar em um boneco de palha ou monte de barro, de forma que após algum tempo ele fosse capaz de atirar a longas distâncias, atirar com precisão uma série rápida, e de penetrar uma grande massa. Da mesma forma, é o caso em que um bhikkhu ... entra e permanece no primeiro jhana ... êxtase e prazer nascidos do afastamento. Ele observa qualquer fenômeno que ocorra conectado com o corpo, sensações, percepções, formações e consciência, como impermanente, sofrimento, uma enfermidade, um câncer, uma flecha, doloroso, uma aflição, estranho, uma dissolução, um vazio. Ele afasta a sua mente desse fenômeno, e tendo feito isso, dirige a sua mente para as características do imortal: ‘Isto é a paz, isto é o sublime, isto é, o silenciar de todas as formações, o abandono de todas as aquisições, a destruição do desejo; desapego; cessação; nibbana.’

"Permanecendo exatamente ali, ele alcança o fim das impurezas mentais. Ou, se não, então - devido a esse desejo pelo Dhamma, esse deleite com o Dhamma e com a destruição dos cinco primeiros grilhões - ele irá renascer espontaneamente [nas Moradas Puras] e lá irá realizar o parinibbana sem nunca mais retornar desse mundo.

"'Eu lhes digo, o fim das impurezas mentais depende do primeiro jhana.’ Assim foi dito, e em referência a isso é que foi dito.

[Da mesma forma com os demais níveis de jhana até a esfera do nada.]

"Dessa forma, até o ponto em que vão as realizações da percepção, até esse ponto chega o conhecimento. Quanto a essas duas esferas - a realização da esfera de nem percepção, nem não percepção, e a realização da cessação da sensação e percepção - eu lhes digo que estas devem ser explicadas corretamente por aqueles bhikkhus que são meditadores, habilidosos em realizá-las, habilidosos em realizá-las e emergir delas, que as realizaram e emergiram delas."

 


 

>> Próximo Sutta

 

 

Revisado: 18 Novembro 2006

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.