Anguttara Nikaya IV.274-783

Ragapeyyalam Sutta

Repetições

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


(274) "Bhikkhus, para o conhecimento direto da cobiça, quatro coisas devem ser desenvolvidas. Quais quatro? (1) Aqui, um bhikkhu permanece contemplando o corpo como um corpo, ardente, plenamente consciente e com atenção plena, tendo colocado de lado a cobiça e o desprazer pelo mundo. (2) Ele permanece contemplando as sensações como sensações, ardente, plenamente consciente e com atenção plena, tendo colocado de lado a cobiça e o desprazer pelo mundo. (3) Ele permanece contemplando a mente como mente, ardente, plenamente consciente e com atenção plena, tendo colocado de lado a cobiça e o desprazer pelo mundo. (4) Ele permanece contemplando os objetos mentais como objetos mentais, ardente, plenamente consciente e com atenção plena, tendo colocado de lado a cobiça e o desprazer pelo mundo. Para o conhecimento direto da cobiça, essas quatro coisas devem ser desenvolvidas."

(275) "Bhikkhus, para o conhecimento direto da cobiça, quatro coisas devem ser desenvolvidas. Quais quatro? (1) Aqui, um bhikkhu gera desejo para que não surjam estados ruins e prejudiciais que ainda não surgiram e ele se aplica, estimula a sua energia, empenha a sua mente e se esforça. (2) Ele gera desejo em abandonar estados ruins e prejudiciais que já surgiram e ele se aplica, estimula a sua energia, empenha a sua mente e se esforça. (3) Ele gera desejo para que surjam estados benéficos que ainda não surgiram e ele se aplica, estimula a sua energia, empenha a sua mente e se esforça. (4) Ele gera desejo para a continuidade, o não desaparecimento, o fortalecimento, o incremento e a realização através do desenvolvimento de estados benéficos que já surgiram e ele se aplica, estimula a sua energia, empenha a sua mente e se esforça. Para o conhecimento direto da cobiça, essas quatro coisas devem ser desenvolvidas. "

(276) "Bhikkhus, para o conhecimento direto da cobiça, quatro coisas devem ser desenvolvidas. Quais quatro? (1) Aqui, um bhikkhu desenvolve a base do poder espiritual que possui concentração devido ao desejo e às formações volitivas do esforço. (2) Ele desenvolve a base do poder espiritual que possui concentração devido à energia e às formações volitivas do esforço. (3) Ele desenvolve a base do poder espiritual que possui concentração devido à mente e às formações volitivas do esforço. (4) Ele desenvolve a base do poder espiritual que possui concentração devido à investigação e às formações volitivas do esforço. Para o conhecimento direto da cobiça, essas quatro coisas devem ser desenvolvidas."

(277-303) "Bhikkhus, para a completa compreensão da cobiça ... para a completa destruição ... para o abandono ... para a destruição ... para o desaparecimento ... para o desapego ... para a cessação ... para abrir mão ... para a renúncia da cobiça, essas quatro coisas devem ser desenvolvidas."

(304-783) "Bhikkhus, para o conhecimento direto ... para a completa compreensão .... para a completa destruição ... para o abandono ... para a destruição ... para o desaparecimento ... para o desapego ... para a cessação ... para abrir mão ... para a renúncia da raiva ... da delusão ... do ódio ... da hostilidade ... da difamação ... da insolência ... da inveja ... da avareza ... da enganação ... da astúcia ... da teimosia .... da veemência ... da presunção ... da arrogância ... da embriaguez ... da negligência, essas quatro coisas devem ser desenvolvidas. Quais quatro? (1) Aqui, um bhikkhu permanece contemplando o corpo como um corpo, ardente, plenamente consciente e com atenção plena, tendo colocado de lado a cobiça e o desprazer pelo mundo. (2) Ele permanece contemplando as sensações como sensações, ardente, plenamente consciente e com atenção plena, tendo colocado de lado a cobiça e o desprazer pelo mundo. (3) Ele permanece contemplando a mente como mente, ardente, plenamente consciente e com atenção plena, tendo colocado de lado a cobiça e o desprazer pelo mundo. (4) Ele permanece contemplando os objetos mentais como objetos mentais, ardente, plenamente consciente e com atenção plena, tendo colocado de lado a cobiça e o desprazer pelo mundo. (1) Aqui, um bhikkhu gera desejo para que não surjam estados ruins e prejudiciais que ainda não surgiram e ele se aplica, estimula a sua energia, empenha a sua mente e se esforça. (2) Ele gera desejo em abandonar estados ruins e prejudiciais que já surgiram e ele se aplica, estimula a sua energia, empenha a sua mente e se esforça. (3) Ele gera desejo para que surjam estados benéficos que ainda não surgiram e ele se aplica, estimula a sua energia, empenha a sua mente e se esforça. (4) Ele gera desejo para a continuidade, o não desaparecimento, o fortalecimento, o incremento e a realização através do desenvolvimento de estados benéficos que já surgiram e ele se aplica, estimula a sua energia, empenha a sua mente e se esforça. (1) Aqui, um bhikkhu desenvolve a base do poder espiritual que possui concentração devido ao desejo e às formações volitivas do esforço. (2) Ele desenvolve a base do poder espiritual que possui concentração devido à energia e às formações volitivas do esforço. (3) Ele desenvolve a base do poder espiritual que possui concentração devido à mente e às formações volitivas do esforço. (4) Ele desenvolve a base do poder espiritual que possui concentração devido à investigação e às formações volitivas do esforço. Para a renúncia da negligência, essas quatro coisas devem ser desenvolvidas."

 

 

Revisado: 2 Março 2013

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.