19. Dhammatthavagga

Justo

 


 

 

Não é justo
quem julga apressadamente.
Um sábio deve investigar
o certo e o errado.
                                                        Dhp 256

Quem não é arbitrário ao julgar os outros,
mas julga com imparcialidade
de acordo com o Dhamma,
esse sábio é um guardião do Dhamma, um justo.
                                                        Dhp 257

Não é falando muito
que alguém é sábio.
Livre da inimizade, seguro, destemido,
esse é o sábio.
                                                        Dhp 258

Não é por falar muito
que alguém é hábil no Dhamma;
mas mesmo tendo ouvido pouco,
diligente, realizando o Dhamma,
ele de fato é hábil no Dhamma.
                                                        Dhp 259

Apenas os cabelos grisalhos
não fazem um ancião,
isso é simplesmente velhice,
alguém que envelheceu em vão.
                                                        Dhp 260

[Nota 1]

Com a verdade, virtude, sem causar dano,
contido e controlado,
sábio e livre das impurezas,
esse de fato é um ancião.
                                                        Dhp 261

[Nota 2]

Não pela eloqüência
ou pela bela aparência
uma pessoa é bela,
se ela for invejosa, egoísta, enganadora.
                                                        Dhp 262

Mas belo é aquele
em quem essas qualidades foram completamente descartadas,
desenraizadas, totalmente destruídas,
um sábio purificado da raiva, de fato tem boa índole.
                                                        Dhp 263

Não é raspando a cabeça
que alguém indisciplinado e enganador
se torna um contemplativo.
Como pode alguém tomado
pelo desejo e cobiça ser um contemplativo?
                                                        Dhp 264

Quem subjuga o mal
pequeno ou grande
é chamado contemplativo,
porque superou todo o mal.
                                                        Dhp 265

Não é apenas mendigando comida
que ele se torna um bhikkhu.
Não é apenas pela aparência externa
que ele se torna um verdadeiro bhikkhu.
                                                        Dhp 266

Vivendo a vida santa,
transcendendo o meritório e o demeritório,
tendo compreendido o mundo,
ele de fato é um bhikkhu.
                                                        Dhp 267

Não é através do silêncio
que alguém tolo e confuso
se torna um sábio.
Mas aquele que é sábio, como se tivesse uma balança,
pesa e apenas adota aquilo que é bom.
                                                        Dhp 268

Por essa razão ele é um sábio.
Aquele que compreende ambos mundos
é assim chamado sábio.
                                                        Dhp 269

Ele não é um nobre
ao causar dano aos seres vivos.
Inofensivo,
ele é um nobre.
                                                        Dhp 270

Não é apenas pela virtude e austeridades,
ou por muito aprendizado,
ou pela concentração,
ou por viver em isolamento,
                                                        Dhp 271

ou por pensar: 'eu desfruto da felicidade da renúncia
que não é experimentada pelos mundanos',
que vocês bhikkhus deveriam estar satisfeitos,
não tendo alcançado a destruição das impurezas.
                                                        Dhp 272

 


 

Índice                                                                                              20. Maggavagga

 


 

Notas:

[Nota 1 - Verso 260] Ancião, thera em pali, em termos literais alguém que é firme ou estável. Esse é um termo aplicável a bhikkhus que tenham pelo menos dez vassa, ou dez anos de ordenação. [Retorna]

[Nota 2 - Verso 261] Verdade: as quatro nobres verdades; livre das impurezas: através dos quatro caminhos supramundanos. [Retorna]


Índice                                                                                              20. Maggavagga

 

 

Revisado: 20 Dezembro 2014

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.