Budismo Theravada

Uma Cronologia Histórica

Esta cronologia apresenta os eventos e personagens significativos na evolução do Budismo Theravada que, de uma maneira ou de outra, aparecem com destaque nas leituras encontradas neste site.

As fontes utilizadas para a composição desta cronologia estão indicadas por colchetes e se encontram listadas ao final da página. Em muitos casos, essas fontes assumem datas diversas para o nascimento do Buda e algumas datas foram interpoladas para que os eventos, (particularmente os iniciais), se encaixem dentro de uma certa seqüência cronológica. Esta cronologia proporciona um quadro razoavelmente claro da seqüência dos eventos, mesmo que as datas absolutas possam ser questionadas.

Para obter mais informações acerca do Budismo Theravada, por favor consulte "O que é o Budismo Theravada".


EB[1] EC[2]

-80 -624

O Bodisatva (Pali: Boddhisatta; Sânscrito: Bodhisattva), ou ‘Que virá a ser Buda’, nasce em Lumbini (atualmente no Nepal) como Siddhattha (Skt: Siddhartha) Gotama, um príncipe do clã dos Sakya. {1, 2}

-51 -595

O Bodisatva renuncia à vida em família (29 anos de idade)

-45 -589

Enquanto meditava sob uma árvore na floresta de Gaya (atualmente Bodhgaya, Índia) durante a lua cheia de Maio, o Bodisatva se torna o Buda (36 anos de idade).

Durante a lua cheia de Julho, o Buda profere o seu primeiro discurso próximo a Benares, apresentando ao mundo as Quatro Nobres Verdades e iniciando uma carreira de 45 anos de ensino da religião que ele denominou "Dhamma-Vinaya".

1 -544

Parinibbana (Skt: Parinirvana; morte e libertação final) do Buda, em Kusinara (atualmente Kusinagar, Índia) (80 anos de idade).

Após o Parinibbana do Buda, durante o retiro do período de chuvas, reuniu-se o Primeiro Concílio, (Sangiti = Recitação), em Rajagaha, Índia, durante o qual 500 bhikkhus arahant, liderados pelo Ven. Mahakassapa, recitaram os ensinamentos do Buda. A recitação do Vinaya pelo Ven. Upali foi aceita como o Vinaya Pitaka; a recitação do Dhamma pelo Ven. Ananda ficou estabelecida como o Sutta Pitaka.{1}

100 -444

Cerca de 100 anos após o parinibbana do Buda surgiu uma disputa com a sangha de Vesali. Os bhikkhus dessa cidade adotaram uma interpretação mais flexível das regras monásticas – algumas de menor importância, como por exemplo a armazenagem de sal para temperar a comida esmolada e outras mais significativas como a aceitação de dinheiro ou ouro e prata. O Segundo Concílio do qual participaram 700 bhikkhus de várias cidades e regiões foi convocado para resolver nove pontos de disciplina monástica e uma questão de princípio que estava por detrás de todas as práticas dos bhikkhus de Vesali: que seria permissível tomar as práticas do mestre pessoal como guia. Um comitê de bhikkhus representando as duas facções decidiu por unanimidade rejeitar todas as nove práticas dos bhikkhus de Vesali e limitar o escopo da questão de princípio. O concilio concluiu com a recitação do Vinaya para estabelecer uniformidade.{7}

140 -404

Algum tempo depois do incidente em Vesali, ocorreu o primeiro cisma na Sangha. Não há unanimidade entre os estudiosos com relação a quando exatamente ocorreu esse cisma, de acordo com as fontes do Theravada esse cisma teria ocorrido cerca de 30 a 40 anos depois do incidente em Vesali e essa foi a data adotada nesta cronologia.
Há no entanto estudiosos que colocam em séria dúvida esta sequência de eventos e afirmam que os cismas apenas ocorreram após o reino de Asoka. Veja por exemplo o livro Sects & Sectarianism – The Origins of Buddhist Schools, escrito em 2006 pelo Bhikkhu Sujato.
De acordo com as fontes do Theravada, a razão do cisma foi doutrinária e envolvia questões cuja resposta não podia ser encontrada no Cânone. As questões em disputa eram as seguintes: (1) que um arahant poderia ser seduzido por outro ser, (2) que um arahant poderia desconhecer certos assuntos, (3) que um arahant poderia ter dúvida, (4) que um arahant poderia receber informações, (ser instruído), por outra pessoa, (5) que alguém poderia realizar o caminho supramundano como resultado de palavras ditas. As explicações desses pontos são: que no primeiro caso, um arahant poderia ter sonhos eróticos devido à visita de devas. Os três pontos seguintes dizem respeito à questão da onisciência do Buda. O último ponto se refere à realização do caminho através de palavras ou mesmo rituais, ao invés da própria experiência. Para solucionar essa disputa houve um concílio da sangha em Pataliputra, na Índia. A maioria presente nesse concílio pertencia ao grupo Mahasamgha, cuja posição era favorável a essas questões, e o grupo minoritário era o Sthaviravada, (sthavira = anciãos), que rejeitava essas questões. Não chegando a um acordo quanto a essas questões, os dois grupos se separaram e se converteram em duas escolas distintas. Depois disso, as discordâncias entre as duas escolas foram se acentuando através dos desdobramentos da posição que cada uma delas assumiu. Especialmente em relação`a natureza do Buda, a qual foi reconsiderada. No Tipitaka, o Buda não é distinguido dos demais arahants, exceto pelo fato dele ter redescoberto o caminho para a iluminação e auxiliar os outros nesse caminho. O Sthaviravada permaneceu mais fiel a esse conceito, embora gradualmente tenha atribuído um status mais elevado ao Buda, atribuindo-lhe por fim completa onisciência, particularmente na literatura mais popular. A Mahasamgha, por outro lado, tendo relaxado os requisitos de um arahant, optou por fazer uma distinção mais clara no caso do Buda, a ele foi atribuída uma natureza completamente distinta, bem acima dos demais seres humanos, chegando mesmo a dizer que ele na verdade não era um ser humano. Desse modo começou a transformação do Buda e da sua doutrina, que levou, passo a passo, ao desenvolvimento do movimento Mahayana, do humanismo do Tipitaka original, para o sobrenatural da maioria dos suttas Mahayana.
Dentro das fraternidades monásticas do Sthaviravada, três escolas de pensamento se desenvolveram depois disso: Puggalavada, Sarvastivada e Vibhajjavada. Mais adiante, com o passar do tempo, acabaram ocorrendo ainda mais desdobramentos e ramificações em escolas distintas, fragmentando ainda mais as escolas originárias do primeiro cisma. A escola Sarvastivada se converteu na escola ‘não Mahayana’ predominante no norte da Índia. Já no sul da Índia a escola de pensamento predominante era a Vibhajjavada que acabou se estabelecendo no Sri Lanka com a denominação Theravada. {7, 12}

300 -250

De acordo com a tradição Theravada, ocorreu o Terceiro Concílio, patrocinado pelo Rei Asoka em Pataliputra, no qual o Abhidhamma Pitaka é recitado juntamente com seções adicionais do Khuddaka Nikaya. Ao final desse concílio, Tissa Mogaliputta compôs o Kathavatthu, no qual são apresentados argumentos para refutar as doutrinas de outras escolas. O Kathavatthu foi provavelmente incorporado ao Cânone mais tarde como o quinto livro do Abhidhamma. O moderno Tipitaka em Pali, tal como se conhece hoje, estava completo na sua essência, apesar de alguns estudiosos sugerirem que pelo menos duas partes do cânone - o Parivara no Vinaya Pitaka, e o Apadana no Sutta Pitaka - tenham sido incluídos mais tarde.{12}

297 -247

O Rei Asoka envia seu filho, Ven. Mahinda, numa missão para levar o Budismo ao Sri Lanka. O Rei Devanampiya Tissa do Sri Lanka é convertido e adota o Budismo como a religião oficial do estado. {5}
De acordo com os editais de Asoka, ele teria também enviado uma missão, liderada pelos bhikkhus Sona e Uttara, para levar o Budismo para a região de Suvannabhumi. A tradição Theravada identifica Suvannabhumi como a região da etnia Mon, situada ao sul da antiga Birmânia e parte do antigo Sião. No entanto, os estudiosos ainda não encontraram uma forma de confirmar isso.{17}

304 -240

O Ven. Mahinda estabelece o Mahavihara (Grande Monastério) em Anuradhapura, Sri Lanka. A irmã de Mahinda, Ven. Sanghamitta, chega ao Sri Lanka com uma muda da árvore original sob a qual o Buda se iluminou, e estabelece no Sri Lanka a sangha das bhikkhunis.{1, 5}

444 -100

Invasões, guerras e fome no Sri Lanka apontam para a necessidade de um registro escrito do Tipitaka para preservar a doutrina Budista. O Rei Vattagamani convoca o Quarto Concílio, no qual 500 participantes do Mahavihara recitam e escrevem, pela primeira vez, sobre folhas de palmeira, o Tipitaka em Pali. {4, 5, 6}

544 1

Início da era cristã (EC).

644 100

Registros indicam a presença do Budismo Theravada no sul da antiga Birmânia e na região central do antigo Sião. {1}

744 200

Floresce a universidade monástica Budista de Nalanda, Índia mantendo-se como um centro mundial de estudos Budistas por mais de 1000 anos. {1}

969 425

O Ven. Buddhaghosa se estabelece no Sri Lanka para compilar os vários comentários Cingaleses do Cânone - tomando por base principalmente o Maha Atthakatha (Grande Comentário) preservado no Mahavihara – e traduz o seu trabalho para o Pali. Como resultado os textos Budistas Cingaleses tornam-se disponíveis para todo o mundo Theravada. Como ponto central do seu trabalho, Buddhaghosa compõe o Visuddhimagga, (O Caminho da Purificação), que acabou se tornando no Sri Lanka e em todo o mundo Theravada o livro texto clássico dos ensinamentos do Buda. {7}

c.1100 600

O Budismo na Índia inicia um longo e lento declínio do qual nunca iria se recuperar totalmente. {1}

1393 849

A etnia Birmanesa migrou gradualmente do norte, da região montanhosa ao leste do Tibet, ao longo do vale do rio Irrawaddy, estabelecendo a sua capital em Pagan em 849. Os Birmaneses praticavam uma religião animista influenciada pelo culto de Visnu e práticas do tantra do Budismo Mahayana. {17}

1588 1044

De acordo com as crônicas Birmanesas, o rei Anawrahta, cuja capital era Pagan, foi convertido para o Theravada pelo bhikkhu Shin Arahan da etnia Mon. Este evento marcou um ponto crucial na história religiosa da região estabelecendo o Budismo Theravada na antiga Birmânia.{17}

c.1100? 1400? Sec. 6? Sec. 9?

Dhammapala compõe comentários de partes do Cânone não cobertos por Buddhaghosa (como o Udana, Itivutttaka, Theragatha e Therigatha), juntamente com extensos sub-comentários do trabalho de Buddhaghosa. {7}

1594 1050

Declínio do Budismo no Sri Lanka com o desaparecimento da comunidade de bhikkhus e bhikkhunis em Anuradhapura devido a invasões provenientes do sul da Índia e conflitos internos. {1, 5}

1601 1057

O rei Birmanês Anawrahta conquista Thaton a capital do reino Mon, levando o rei Mon prisioneiro bem como muitos bhikkhus e escrituras Budistas para a sua capital em Pagan. Desse modo a cultura Mon e o Budismo Theravada estabeleceram fortes raizes na cultura Birmanesa. {17}

1614 1070

Bhikkhus de Pagan, Birmânia, chegam em Polonnaruwa, Sri Lanka, para reinstalar na ilha a linhagem de bhikkhus Theravada que havia sido destruída. A linhagem de bhikkhunis desapareceu. {5}

1708 1164

A sangha do Sri Lanka passou a desfrutar de grande reputação no mundo Theravada depois das reformas introduzidas pelo rei Parakkamabahu I, com a orientação de dois monges da tradição de floresta da seita Mahavihara, o Ven. Mahakassapa e o Ven. Sariputta. A sangha foi unificada, estabelecendo uma linhagem de ordenação cuja origem podia ser traçada até o Ven. Mahinda, que havia trazido o Budismo para o Sri Lanka. {1, 8}

1758 1214

Invasores brutais e opressores do sul da Índia causam grande destruição da civilização Budista no Sri Lanka que nunca mais recuperaria o seu antigo esplendor. {17}

1780 1236

Bhikkhus de Kañcipuram, Índia, chegam no Sri Lanka para reinstalar a linha de ordenação Theravada. {1}

1804 1260

O reino de Sukhotai, (na região central do antigo Sião), se liberta do controle dos Khmer. O rei Rama Khamheng, (1275-1317), adota o Theravada como a religião oficial do estado. A herança de Sukhotai foi assumida pelo reino Thai de Ayudhaya, que existiu de 1350 até 1767. {17}

1823 1279

Última evidência, escrita, de um monastério de Bhikkhunis Theravada (na Birmânia). {8}

1831 1287

O reino de Pagan que construiu alguns dos mais magníficos templos na Birmânia foi destruído com a invasão dos Mongóis liderados por Kubilai Khan. Nos anos que se seguiram, com a desintegração do país em regiões autônomas menores, tribos da etnia Shan se estabeleceram em vastas áreas da Birmânia, enquanto os Mons recuperavam a sua independência. Os Birmaneses voltaram gradualmente a controlar as regiões independentes entre os séculos 16 e 18. {17}

1894 1350

O rei Lü Thai, neto de Rama Khamheng, convida bhikkhus do Sri Lanka conhecidos pelo seu aprendizado e conduta austera, para reforçar a pureza da sangha em Ayudhaya.
Fa Ngum estabelece o reino do Laos fazendo do Theravada a religião oficial do estado. Desde então, o Theravada tem sido a religião do Laos. {17}

2020 1476

O rei Mon Dhammazedi promove reformas na sangha, que incluíram a centralização e a regulamentação da sangha sob o controle do rei. Como parte do processo de reforma, o rei enviou uma delegação de 22 bhikkhus ao Sri Lanka para serem re-ordenados na tradição do rio Kalyaniganga, na costa Oeste do Sri Lanka. E ao retornarem, todos os bhikkhus foram re-ordenados estabelecendo a tradição Kalyanasima. Na atualidade todos os bhikkhus na Birmânia traçam a sua ordenação até essa linhagem. O controle do rei sobre a sangha foi extinto com o estabelecimento do domínio Britânico em 1885. {17}

2049 1505

Tem início o domínio Português no Sri Lanka. No final do século XVI perseguições religiosas resultaram no desaparecimento da linhagem de ordenação de bhikkhus no Sri Lanka {12}

2202 1658

Os Portugueses são substituídos pelos Holandeses que controlariam as regiões da costa do Sri Lanka até 1796 {12}

2297 1753

O rei Kirti Sri Rajasinha consegue bhikkhus da corte em Ayudhaya para reinstalar a linhagem de ordenação dos bhikkhus que havia se extinguido no Sri Lanka. Essa é a origem do Siyam Nikaya. {8}

2312 1768

Birmaneses destroem a cidade e o reino de Ayudhaya. {17}

2321 1777

Pouco tempo depois da destruição de Ayudhaya, a independência Tailandesa foi restaurada e o rei Rama I, (1782-1809), fundador da atual dinastia na Tailândia, estabeleceu a nova capital em Bangcoc.
O rei Rama I padronizou a versão Tailandesa do Tipitaka a partir de cópias do Tipitaka do Sri Lanka, também regulamentou os tipos de rituais que poderiam ser aceitos, e deu início a reformas na Sangha. {1} {17}

2344 1800

A Sangha no Sri Lanka se deteriora sob a pressão de três séculos de governo colonial europeu (Português, Holandês, Britânico). {5}

2347 1803

Cingaleses ordenados na cidade Birmanesa de Amarapura fundam a Amarapura Nikaya no Sri Lanka para complementar a Siyam Nikaya, que somente admitia como monges membros da casta Goyigama da região montanhosa próxima a Kandy. {9}

2359 1815

A Grã Bretanha assume o controle de toda a ilha do Sri Lanka concordando que ‘manter e proteger’ o Budismo deveria ser responsabilidade do governo. No entanto esse acordo sofreu oposição da Igreja Anglicana e como conseqüência a administração da ilha ‘des-estabeleceu’ o Budismo durante o período de 1818 a 1853, isto é, a maioria das relações entre o governo e a Sangha foram rompidas.{12, 17}

2372 1828

O príncipe Tailandês Mongkut, (que se tornaria o rei Rama IV), funda o movimento Dhammayut, que mais tarde se converteria na seita Dhammayut, que defendia estrito rigor na adoção das regras do Vinaya e uma abordagem mais crítica e racionalista dos ensinamentos dos Suttas, Abhidhamma e Comentários.{13}

2393 1849

O bhikkhu Valane Siddhartha fundou a primeira pirivena ou escola monástica no Sri Lanka contemporâneo, em Ratmalama, ao sul de Colombo, a capital. Em 1873 e 1875 duas outras escolas monásticas foram abertas, respectivamente Vidyodaya Pirivena em Colombo e Vidyalankara Pirivena em Kelaniya, próximo a Colombo.{17}

2406 1862

Monges da floresta liderados pelo Ven. Paññananda são re-ordenados na Birmânia e retornam à Tailândia no ano seguinte para fundar a Ramañña Nikaya. {9}
Primeira tradução do Dhammapada para um idioma ocidental, o alemão. {2}

2412 1868

O Rei Birmanês Mindon (1853-78) deu grande apoio ao Budismo e presidiu o Quinto Concílio em Mandalay, a sua nova capital fundada em 1857; o Cânone em Pali é inscrito em 729 blocos de mármore. Isso e mais algumas outras reformas fizeram de Mandalay o centro do Budismo Theravada na época.{2} O Rei Mindon foi o primeiro rei Birmanês a encorajar a prática da meditação vipassana na sua corte. Mindon acabou estabelecendo um conjunto de expectativas culturais que sobreviveram durante todo o período colonial e até depois da independência do país: que vipassana pode ser identificado com um certo método, que uma versão condensada do método pode ser ensinada para pessoas leigas, e que uma das tarefas da elite governante do país era estimular a prática de vipassana entre os leigos. Esse movimento ganhou impulso depois de 1930, quando alunos de Ledi Sayadaw, Mingun Sayadaw e Mohnyin Sayadaw ajudaram a estabelecer vários centros para o ensino de vipassana, e mais tarde, depois da independência da Birmânia, com o estabelecimento de centros de meditação para monges e leigos patrocinados pelo governo sob a orientação de Mahasi Sayadaw.{14, 18}

2417 1873

O Ven. Mohottivatte Gunananda Thera, em um debate público do qual participaram 10.000 espectadores, em Panadura, próximo à capital Colombo no Sri Lanka, derrota missionários cristãos liderados pelos Reverendos David de Silva e F.S. Sirimanne, reacendendo o orgulho nacional cingalês por suas tradições Budistas. Todo o debate foi publicado nos jornais, em cingalês e em inglês. A versão em inglês foi publicada num livro por J.M. Peebles em Battle Creek, Michigan, EUA. Foi esse livro que despertou no Coronel Henry Steel Olcott, co-fundador da Sociedade Teosófica, o interesse pelo Budismo. {8, 17}

2419 1875

O Coronel Henry Steel Olcott, juntamente com a Madame Blavatsky, (Helene Hahn von Rottenstern), fundam a Sociedade Teosófica. Embora a Teosofia seja distinta do Budismo em muitos aspectos, os fundadores da Sociedade Teosófica tinham alta estima pelo Budismo e isso contribuiu para despertar o interesse de muitos Americanos e Europeus pelo Budismo. Em muitos livros da época, a Teosofia é denominada ‘Budismo Esotérico.’ {17}

2423 1879

Sir Edwin Arnold publica Luz da Ásia, o seu poema épico narrativo, que se transforma em um ‘best-seller’ na Inglaterra e nos Estados Unidos, estimulando no Ocidente o interesse popular pelo Budismo.

2424 1880

Madame Blavatsky e o Coronel Olcott visitam o Sri Lanka e esse evento ainda é considerado como o marco do renascimento moderno do Budismo no Sri Lanka. O fato de duas pessoas muito conhecidas na época terem ido ao Sri Lanka, devido à sua afinidade e admiração pelo Budismo, restaurou a autoconfiança entre os Budistas numa época em que os poderes do Cristianismo pareciam dominar todo o mundo. Olcott fundou a Sociedade Teosófica Budista no Sri Lanka com o propósito de preservar a herança Budista e disseminar a educação Budista através do estabelecimento de escolas Budistas. {1, 17}

2425 1881

A ‘Pali Text Society’ é fundada na Inglaterra por T.W. Rhys Davids; a maior parte do Tipitaka é publicado em alfabeto romano e durante os 100 anos seguintes, traduzido para o inglês.
Don David Hewavitarne adota o nome de Anagarika (‘Mendicante’) Dharmapala (‘Defensor do Dhamma’). Ele viria a se tornar um dos heróis do Budismo moderno cingalês tornando-se um modelo para o ativismo leigo.{12}

2428 1884

Laurence Carroll, nascido em Dublin na Irlanda em 1856 é ordenado na Birmânia com o nome Dhammaloka, sendo o primeiro Ocidental ordenado como monge Theravada. {21}

2429 1885

A Grã Bretanha obtém o controle da Birmânia, dando fim na monarquia, e com isso, o enfraquecimento da disciplina monástica devido ao fim da prerrogativa real de purificar a sangha. {12}

2435 1891

A Sociedade Maha Bodhi é fundada na Índia por Anagarika Dharmapala, num esforço para reacender o interesse pelo Budismo na Índia e reconquistar o controle Budista sobre Bodhgaya (obtido em 1949). {1}

2437 1893

Anagarika Dharmapala é convidado para participar do Parlamento Mundial de Religiões em Chicago, causando uma impressão muito favorável. Ele retornou aos EUA duas vezes, em 1896 e novamente em 1902, quando permaneceu dois anos fazendo viagens pelo país, ensinando a doutrina Budista, Psicologia e Meditação. {12}

2442 1898

C.S. Dissanayake funda a YMBA – Young Men’s Buddhist Association – em moldes similares da associação cristã YMCA. Muitas filiais foram abertas nos anos subseqüentes e essa organização, mais tarde renomeada All-Ceylon Buddhist Congress se tornou a principal organização Budista no Sri Lanka. {17}

2443 1899

Gordon Douglas, é ordenado na Birmânia com o nome Asoka, vindo a falecer pouco tempo depois. No ano seguinte C.H.A. Bennett foi ordenado como monge assumindo o nome Ananda Metteya. {2}

c.2444 c.1900

O Ven. Ajaan Sao e o Ven. Ajaan Mun dão início à tradição ascética das florestas na região nordeste da Tailândia. Os discípulos dessa tradição viviam a maior parte do tempo isolados, perambulando pela região densamente florestada, dedicados à prática intensiva da meditação e seguindo as regras de ascetismo dhutanga. {1, 13}

2445 1902

O rei Rama V da Tailândia promulga a Lei da Sangha. Os monges das várias tradições existentes na época foram integrados numa hierarquia nacional controlada pelas autoridades em Bangcoc. A nova lei estabeleceu que as ordenações de monges só poderiam ser feitas por preceptores designados pelas autoridades em Bangcoc, estabeleceu o curriculum educacional para os monges, (textos Nak-dham), e também determinou o tipo de rituais religiosos que deveriam ser realizados nos monastérios. Os textos nak-dham foram considerados uma grande inovação pois foram escritos no idioma Tailandês, possibilitando o acesso de pessoas leigas, e também porque deixaram de lado tudo aquilo que estava além do conhecimento humano. Em vista dessa abordagem a prática de meditação foi excluída desse currículo e o Buda foi retratado como um ser humano, um sábio mestre, ao invés de uma criatura divina com poderes sobrenaturais. Essa abordagem mais racionalista na interpretação do Dhamma, totalmente voltada para o academicismo, acabou gerando muita controvérsia na sociedade Tailandesa que perdura até a atualidade. Essa nova lei marcou formalmente o início das seitas Mahanikaya e Dhammayut. A nova lei foi modelada nos parâmetros da seita Dhammayut e todas as demais tradições regionais foram categorizadas como parte da seita Mahanikaya. Ao longo do tempo, a implementação dessa lei resultou no gradual enfraquecimento e perda de autonomia das diversas tradições regionais que floresciam na Tailândia. {13}

2447 1904

Anton Gueth é ordenado como monge na Birmânia, assumindo o nome Nyanatiloka, sendo o primeiro monge Theravada do continente europeu. Ele exerceu forte influência sobre um grande número de Ocidentais que se ordenaram como monges e foi o responsável pelo estabelecimento do Island Hermitage no Sri Lanka, que foi o primeiro monastério para o treinamento de bhikkhus do Ocidente. {19}

2449 1906

A YMBA – Young Men’s Buddhist Association – nos mesmos moldes da associação com o mesmo nome fundada em 1898 no Sri Lanka é fundada em Rangoon. {17}

2450 1907

A ordem Dasa Sil Mata, (DSM), é fundada no Sri Lanka pela Ven. Sudharmacari, (Catherine de Alwis), que havia sido ordenada como noviça na Birmânia. As mulheres nessa ordem seguem os dez preceitos de uma noviça, raspam as cabeças como os bhikkhus, adotam um nome Pali e vestem mantos, mas não têm o reconhecimento oficial da Sangha. O status dessas mulheres foi sempre ambíguo, pois não são bhikkhunis, (monjas), e tampouco pessoas leigas. Essa mesma situação existe na Birmânia e na Tailândia. Em 1986 a ordem DSM passou a receber o apoio do governo do Sri Lanka com a criação de sucursais em todas as regiões do país. {15}

2475 1932

A Tailândia adota o regime de Monarquia Constitucional Parlamentar tendo o Budismo como a religião oficial do estado. {12}

2492 1948

O Sri Lanka e a Birmânia obtêm a independência da Grã Bretanha. {12}

2493 1949

O Venerável Mahasi Sayadaw se torna o abade e professor titular de um centro de meditação vipassana para monges e pessoas leigas - Mahasi Thathana Yeiktha - em Rangoon, Birmânia, patrocinado por Sir U Thwin e com o apoio do governo do primeiro-ministro U Nu. O estabelecimento desse centro marcou o início de um movimento de massa de prática de meditação vipassana na Birmânia, de acordo com um método definido pelo próprio Mahasi Sayadaw, tanto para monges como para leigos, que acabou afetando profundamente a estrutura de relações entre a sangha, a comunidade laica e o governo. O método de prática de meditação vipassana definido por Mahasi Sayadaw acabou sendo exportado para vários países do Ocidente exercendo uma marcada influência na forma como o Budismo Theravada é praticado.{10, 18}

2495 1951

Sayagyi U Ba Khin, na época o Contador Geral do Governo Birmanês, começa a ensinar meditação vipassana para os funcionários do seu departamento, incentivado pelo governo Birmanês. Ele recebeu orientação do seu professor leigo Sayagyi Saya Thetgyi, (que havia sido aluno do Ven. Ledi Sayadaw), e do Ven. Webu Sayadaw. No ano seguinte U Ba Khin estabelece um centro de meditação vipassana para leigos em Rangoon, (International Meditation Center), que mais tarde se expandiria para vários países do Ocidente.{14}

2498 1954

O governo Birmanês patrocina o Sexto Concílio em Rangoon.
O London Buddhist Vihara é estabelecido por bhikkhus do Sri Lanka.

2500 1956

Ano Buddha Jayanti, marca a comemoração dos 2.500 anos de Budismo.

2501 1957

Bhikkhus do Sri Lanka estabelecem o Berlim Buddhist Vihara na Alemanha.

2502 1958

O Ven. Nyanaponika Thera estabelece a ‘Buddhist Publication Society’ no Sri Lanka para publicação de livros do Budismo Theravada em inglês.
O movimento Sarvodaya Shramadana é fundado no Sri Lanka para promover ideais Budistas na solução de problemas sociais.
Dois alemães são ordenados na Embaixada Real Tailandesa em Londres, e assim, tornaram-se os primeiros a receber a completa ordenação Theravada no Ocidente. {1,2}

2509 1965 [3]

O Washington Buddhist Vihara (DC/EUA) é fundado - a primeira comunidade monástica Theravada nos EUA. O Ven. Henepola Gunaratana é nomeado como abade. {1; e brochura do Bhavana Society}

2511 1967

A Sociedade Budista do Brasil foi fundada no Rio de Janeiro por membros da Sociedade Teosófica do Brasil. Em seus estatutos anteriores constava como principal missão a divulgação de todas as escolas budistas. No decorrer de sua existência, por vários motivos, consolidou-se como um espaço de divulgação e prática dos ensinamentos da escola Budista Theravada.

2513 1969

S.N. Goenka é autorizado pelo seu professor Sayagyi U Ba Khin a ensinar a meditação vipassana para leigos na Índia. A partir dai, nas décadas seguintes, vários centros são instalados em várias partes do mundo.
O Prof. Kaled Amer Assrauy é ordenado como o primeiro samanera brasileiro no International Buddhist Centre em Colombo, no Sri Lanka.
( http://www.riobudavihara.com/profkaled.php)

2514 Década de 1970

Refugiados do Vietnã, Camboja e Laos se estabelecem nos EUA e Europa constituindo muitas comunidades Budistas no Ocidente.

2519 1975

O Ven. Ajaan Chah estabelece o Wat Pah Nanachat, um monastério de floresta na Tailândia para o treinamento de monges do Ocidente.

2520 1976

O Insight Meditation Society, (IMS), um centro de meditação vipassana para leigos, é fundado por Joseph Goldstein, Sharon Salzberg e Jack Kornfield em Barre, MA/EUA.

2521 1977

O Ven. Ajaan Chah viaja para a Inglaterra com o Americano Ven. Sumedho e o Britânico Ven. Khemadhammo para estabelecer uma pequena comunidade de monges no Vihara de Hamsptead, que mais tarde, em 1979, se muda para Sussex, Inglaterra, tornando-se o Wat Pah Cittaviveka (Chithurst Forest Monastery).

2522 1978

O Wat Buddha Dhamma é estabelecido próximo a Sydney, Austrália, pela Ven. Ayya Khema e pelo Ven. Bhikkhu Khantipalo.

2523 1979

O Ven. Sayadaw U Silananda estabelece o Dhammananda Vihara em Daly City, CA/EUA, sob a orientação do Ven. Mahasi Sayadaw.
O Ven. Mahasi Sayadaw visita o Insight Meditation Society, (IMS),em Barre/MA, EUA.

2524 Década de 1980

Centros de meditação vipassana para leigos ganham popularidade nos EUA e Europa.

2525 1981

O Ven. Taungpulu Sayadaw e a Dra. Rina Sircar, da Birmânia, estabelecem o monastério Taungpulu Kaba-Aye em Boulder Creek, CA/EUA.

2526 1982

O primeiro monastério de floresta Theravada nos EUA, (Bhavana Society), se estabelece em West Virginia sob a direção do Ven. Henepola Gunaratana.

2528 1984

O Ven. Ajaan Sumedho, discípulo de Ajaan Chah, estabelece o Amaravati Buddhist Monastery na Inglaterra.
Os Veneráveis Jagaro e Brahmavamso, discípulos de Ajaan Chah, estabelecem o monastério Bodhinyana em Perth, Australia.

2529 1985

O Ven. Khemadhammo, discípulo de Ajaan Chah, estabelece o Forest Hermitage em Warwick, Inglaterra.
Os Veneráveis Viradhammo e Thanavaro, discípulos de Ajaan Chah, estabelecem o monastério Bodhinyanarama em Wellington, Nova Zelandia.

2528 1987

O Spirit Rock Meditation Center, sob a direção de Jack Kornfield, adquire o terreno para a construção de um centro de meditação vipassana para leigos em Woodacre, CA/EUA. A construção do centro foi completada em 1997.

2529 1988

O Ven. Tiradhammo, discípulo de Ajaan Chah, estabelece o Dhammapala Monastery próximo a Berna, Suiça.

2530 1989

A Ven. Ayya Khema estabelece o Buddha-Haus, um centro de estudos e meditação para leigos, próximo a Munique na Alemanha.
Fundado o Barre Center for Buddhist Studies, (BCBS), em Barre/MA, EUA, com o objetivo de integrar o estudo acadêmico dos ensinamentos Budistas com a prática de meditação vipassana.
O Centro de Estudos Buddhistas Nalanda foi fundado por Ricardo Sasaki em Belo Horizonte com o objetivo de promover o estudo e a prática dos ensinamentos da tradição Theravada.

2531 Década de 1990

O Budismo ingressa na era cibernética: surgem sites Budistas; disponibilidade eletrônica de várias edições do Tipitaka em Pali, Inglês e Português. Textos de vários autores disponíveis em forma eletrônica.

2532 1991

A Casa de Dharma foi fundada por Arthur Shaker em São Paulo com o objetivo de desenvolver a prática da meditação vipassana e os estudos do Dhamma.

2534 1993

O Americano Ven. Ajaan Thanissaro estabelece o Metta Forest Monastery em San Diego, CA/EUA, sob a orientação de Ajaan Suwat Suvaco.
Os Veneráveis Chandapalo e Jutindharo, discípulos de Ajaan Chah, estabelecem o monastério Santacittarama, próximo a Roma, Itália.

2535 1994

O Canadense Ven. Ajaan Sona, estabelece o Birken Forest Monastery em Pemberton, BC, Canadá. O primeiro monastério de floresta no Canada.

2537 1996

O Ven. M. Vipulasara, o Principal do Parama Dhamma Chetiya Pirivena e Presidente da Mahabodhi Society com o apoio do World Sangha Council e da Sakyadhita International Organisation of Buddhist Women, presidiu a cerimônia de ordenação de 11 dasa sil matas do Sri Lanka, selecionadas da ordem DSM fundada em 1907. A cerimônia ocorreu no dia 8 de Dezembro num templo em Sarnath, na Índia, e contou com o quorum necessário de bhikksunis da Coreia, de acordo com o Vinaya. As 11 bhikkhunis ordenadas regressaram para a Bhikkhuni Sasanodaya Society, em Dambulla no Sri Lanka. Dessa forma, depois de quase 1.000 anos, a ordem de bhikkhunis foi re-estabelecida no Budismo Theravada.{16}
Em 1998 houve outra ordenação de 20 dasa sil matas do Sri Lanka em Bodh Gaya. Essa cerimônia contou com a presença de um grupo de eminentes bhikkhus Theravada conhecidos como o Ven. G. Gunaratana Maha Thera, Ven. Somalankara, Ven. Sumangalo Maha Thera. Fo Guang Shan foi o principal patrocinador e organizador do evento e a ordenação dupla contou com o quorum necessário de bhikksunis de Taiwan, e bhikkhus Theravada.

O Abhayagiri Forest Monastery é estabelecido em Redwood Valley, CA/EUA, pelos Veneráveis Amaro e Pasanno, discípulos de Ajaan Chah.

2538 1997

A Ven. Ayya Khema estabelece o Metta Vihara, primeiro monastério da tradição de floresta na Alemanha.

2540 1999

O Dhammasara Nuns Monastery, o maior monastério Theravada para mulheres fora da Ásia se estabelece próximo a Perth, Austrália.
O primeiro monastério Theravada no México é estabelecido pelo Birmanês Ven. U Silananda e o Argentino Ven. U Nandisena.

2541 2000

A Auckland Theravada Buddhist Association (ATBA) na Nova Zelândia compra uma área de 72 acres próximo a Auckland para a instalação de um monastério. O Venerável Ajahn Chandako, monge ordenado na tradição das florestas da Tailândia, é convidado para ser o abade do monastério.

2544 2003

O IMS inaugura o Forest Refuge em Barre/MA, EUA, um local dedicado a meditadores experientes que queiram praticar a meditação vipassana por períodos mais prolongados num retiro pessoal mais independente e flexível. Na inauguração do Forest Refuge, o Ven. Sayadaw U Pandita foi convidado para dirigir um retiro de 30 dias.

A Venerável Dhammananda primeira mulher Tailandesa ordenada como bhikkhuni no Sri Lanka em 2003 estabelece em Julho de 2003 o Network of Thai Bhikkhuni Sangha (Theravada) de modo a oferecer uma rede de apoio para o crescente número de bhikkhunis na Tailândia. Até esta data as bhikkhunis Tailandesas ainda não são reconhecidas oficialmente. {22}

2548 2007

O Ven. Cattamalo, discípulo de Ajaan Chah, estabelece o Mutodaya Forest Monastery em Stammbach, Alemanha.
Numa conferência em Hamburgo, Alemanha, organizada pelo International Congress on Buddhist Women's Role in the Sangha, com a participação de Bhikkhu Bodhi e do Dalai Lama, com especialistas no Vinaya e monges senior de países onde predomina o Budismo Theravada, juntamente com estudiosos Ocidentais do Budismo, afirmaram que "houve concordância unânime que a ordenação de bhikkhunis com base no Mulasarvastivada deve ser re-estabelecida."

2550 2009

No dia 22 de Outubro de 2009 ocorreu no Monastério Bodhinyana em Perth a primeira ordenação de bhikkhunis na tradição Theravada na Austrália, sendo ao mesmo tempo a primeira ordenação de bhikkhunis na tradição das florestas da Tailândia. As Veneráveis Ajahn Vayama junto com as Veneráveis Nirodha, Seri e Hasapanna foram ordenadas com a presença de uma sangha de Bhikkhus e Bhikkhunis de acordo com as regras do Vinaya em Pali. A Venerável Tathaaloka atuou como preceptora na cerimônia de ordenação. {20}

2551 2010

No final de Agosto, no Aranyia Bodhi Hermitage, em Sonoma, norte da Califórina, 4 noviças foram ordenadas como bhikkhunis com a presença de uma sangha de Bhikkhus e Bhikkhunis. Bhante Gunaratana e outros monges destacados participaram da cerimônida de ordenação. A Venerável Tathaaloka atuou como preceptora na cerimônia de ordenação. Em Outubro, 5 noviças foram ordenadas bhikkhunis no Dharma Vijaya Buddhist Vihara em Los Angeles, em cerimônia liderada pelo Ven. Walpola Piyananda com a presença de uma sangha de Bhikkhus e Bhikkhunis. O Ven. Piyananda é o abade do Dharma Vijaya Buddhist Vihara, ele também é o Chief Sangha Nayake of America e Presidente do Sri Lankan Sangha Council of America & Canada.

2556 2015

No mês de Junho de 2015, após mil anos, em Wisma Kusalayan ocorreu a primeira ordenação de bhikkhunis na Indonésia. Foram ordenadas 9 bhikkhunis sendo 2 da Indonésia, 2 da Malásia, 2 do Vietnam e as restantes da Austrália, Japão e Sri Lanka. A cerimônia foi dirigida pela Bhikkhuni Santini como preceptora e pelo Venerável Bootawatte Saranankara da Malásia como preceptor.{23}

Também em Junho no Anenja Vihara localizado na Bavária, Alemanha, ocorreu a primeira ordenação de uma bhikkhuni Theravada na Europa. A Samaneri Dhira foi ordenada tendo como preceptora Ayya Sucinta. A cerimônia contou com a participação de renomados bhikkhus: Bhante Gunaratana, Bhante Analayo, Bhante Rahula.{24}


Notas:

1. EB = Era Budista. O Ano 1 do calendário Budista é o ano do Parinibbana do Buda, (morte e libertação final), que ocorreu quando o Buda tinha oitenta anos de idade. De acordo com a tradição Theravada, o nascimento do Buda teria ocorrido no ano -624 EC, e o parinibbana do Buda teria ocorrido no ano -544 EC. Essas datas tomam como referência a crença existente no Sri Lanka desde pelo menos o século 2 anterior à EC sendo que essa também devia ser a crença na Índia na época em que o Budismo foi introduzido no Sri Lanka. Essa foi a data empregada nesta cronologia.

Essa data no entanto tem sido rejeitada pela maioria dos historiadores da Índia e do Ocidente, porque a data do parinibbana está ligada à coroação do Imperador Asoka, um evento que pode ser comprovado por fontes Gregas como tendo ocorrido em -267/268 EC.

Duas cronologias independentes são empregadas pelos historiadores nos documentos antigos: a cronologia ‘longa’ que coloca o parinibbana 218 anos antes da coroação de Asoka, isto é, em -486 EC, e a cronologia ‘curta’ que coloca o mesmo evento 100 anos antes da coroação, isto é, em -368 EC.{17}

Para calcular a data da EC correspondente a um evento no calendário Budista tradicional, subtraia 544 anos da data da EB. As datas da EB de eventos históricos que se encontram bem documentados (particularmente aqueles do século 20) podem apresentar um desvio de um ano devido ao fato dos calendários da EC e da EB iniciarem os seus anos em meses distintos (respectivamente em Janeiro e Maio).

2. EC = Era Cristã. O calendário que toma como base zero o ano do nascimento de Jesus Cristo.

3. Os eventos das últimas décadas estão ainda muito presentes na memória coletiva sendo difícil argumentar a sua relevância sob um ponto de vista histórico.


Fontes:

{1} Buddhist Religions: A Historical Introduction (fifth edition) por R.H. Robinson, W.L. Johnson e Thanissaro Bhikkhu (Wadsworth, 2005)

{2} The Buddha's Way por H. Saddhatissa (London: Allen & Unwin, 1971)

{3} Pali Literature and Language por Wilhelm Geiger (New Delhi: Oriental Books, 1978)

{4} Beginnings: the Pali Suttas por Samanera Bodhesako (Kandy: Buddhist Publication Society, 1984)

{5} Buddhism in Sri Lanka por H.R. Perera (Kandy: Buddhist Publication Society, 1966)

{6} The Path of Purification (Visuddhimagga) (Introduction) por Ven. Bhikkhu Ñanamoli (Kandy: Buddhist Publication Society, 1975)

{7} Indian Buddhism (third edition) por A.K. Warder (Delhi: Motilal Banarsidass, 2000)

{8} Theravada Buddhism: A Social History from Ancient Benares to Modern Colombo por Richard Gombrich (London and New York: Routledge and Kegan Paul, 1988)

{9} The Forest Monks of Sri Lanka: An Anthropological and Historical Study por Michael Carrithers (Delhi: Oxford University Press, 1983)

{10} The Progress of Insight por Mahasi Sayadaw (Kandy: Buddhist Publication Society, 1994)

{11} World Buddhist Directory por The Buddhist Information Centre (Colombo, Sri Lanka: Buddhist Information Centre, 1984)

{12} An Introduction to Buddhism por Peter Harvey (Cambridge: Cambridge University Press, 1990)

{13} Forest recollections - Wandering Monks in Twentieth-Century Thailand por Kamala Tiyavanich (University of Hawaii Press, 1997)

{14} Truth Must Triumph por Suddhamma-Jotika-Dhaja e Sayagyi U Chit Tin (The International Meditation Centers, 1999)

{15} Buddhism, Sexuality, and Gender por Jose Ignacio Cabezon (State University of New York Press, 1991)

{16} Revival of the Bhikkhuni Order in Sri Lanka por D. Amarasiri Weeraratne

{17} The World of Buddhism (Thames & Hudson, 2007) editado por Heinz Bechert e Richard Gombrich.

{18} Burma's Mass Lay Meditation Movement por Ingrid Jordt (Center for International Studies, Ohio University, 2007).

{19} The Life of Nyanatiloka Thera por Bhikkhu Nyanatusita e Hellmuth Hecker (Buddhist Publication Society, 2008).

{20} Summer 2009 Enlightened Times

{21} Buddhism and Ireland, Laurence Cox.

{22}http://www.thaibhikkhunis.org/eng2014/network.html

{23}http://www.bhikkhuni.net/wp-content/uploads/2015/06/FirstTheravadaordinationofbhikkhunisinIndonesiaAfteraThousandYears.pdf

{24}http://anenja-vihara.org/?lang=en


Revisado: 10 Julho 2015

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.