Esforço Correto

Samma Vayamo

Esforço Correto é o sexto dos oito elementos do Nobre Caminho Óctuplo e pertence ao grupo da concentração




Definição ( os quatro Esforços Corretos):

"E o que é esforço correto? (i) Aqui, bhikkhus, um bhikkhu gera desejo para que não surjam estados ruins e prejudiciais que ainda não surgiram e ele se aplica, estimula a sua energia, empenha a sua mente e se esforça. (ii) Ele gera desejo em abandonar estados ruins e prejudiciais que já surgiram e ele se aplica, estimula a sua energia, empenha a sua mente e se esforça. (iii) Ele gera desejo para que surjam estados benéficos que ainda não surgiram e ele se aplica, estimula a sua energia, empenha a sua mente e se esforça. (iv) Ele gera desejo para a continuidade, o não desaparecimento, o fortalecimento, o incremento e a realização através do desenvolvimento de estados benéficos que já surgiram e ele se aplica, estimula a sua energia, empenha a sua mente e se esforça. A isto se denomina esforço correto."

-- SN XLV.8 


Abandonando os fatores incorretos do caminho

" A pessoa faz o esforço para abandonar o entendimento incorreto e penetrar no entendimento correto: Esse é o esforço correto da pessoa...

" A pessoa faz o esforço para abandonar o pensamento incorreto e penetrar no pensamento correto: Esse é o esforço correto da pessoa...

" A pessoa faz o esforço para abandonar a linguagem incorreta e penetrar na linguagem correta: Esse é o esforço correto da pessoa...

" A pessoa faz o esforço para abandonar a ação incorreta e penetrar na ação correta: Esse é o esforço correto da pessoa...

" A pessoa faz o esforço para abandonar o modo de vida incorreto e penetrar no modo de vida correto: Esse é o esforço correto da pessoa...

-- MN 117 


O mesmo que afinar um instrumento musical

Então, quando o Ven. Sona estava meditando em isolamento [após fazer meditação andando até que a pele da sola dos pés estivesse cortada e sangrando], este pensamento surgiu na sua mente: “Dos discípulos do Abençoado que possuem a energia estimulada, eu sou um deles, porém a minha mente não está libertada das impurezas através do desapego. Agora, minha família possui riqueza suficiente, sendo possível que eu desfrutasse da riqueza e ganhasse méritos. Que tal se eu deixasse de lado o treinamento, retornasse para a vida comum, desfrutasse da riqueza e ganhasse mérito?”

Então o Abençoado, assim que ele percebeu com a sua mente o pensamento na mente do Ven. Sona - como um homem forte que estende seu braço que está flexionado ou flexiona o braço que está estendido - desapareceu da Montanha do Pico do Abutre e apareceu no Bosque Frio em frente ao Ven. Sona, sentando em um assento que havia sido preparado. O Ven. Sona, após cumprimentar o Abençoado, sentou a um lado e o Abençoado lhe disse:

“Exatamente agora, enquanto você meditava em isolamento, este pensamento não surgiu na sua mente: ‘Dos discípulos do Abençoado que possuem a energia estimulada, eu sou um deles, porém a minha mente não está libertada das impurezas ... Que tal se eu deixasse de lado o treinamento, retornasse para a vida comum, desfrutasse da riqueza e ganhasse mérito?’”

“Sim, senhor.”

“Agora o que você pensa, Sona. Antes quando você vivia em família você tinha habilidade para tocar a vina?”

“Sim, senhor.”

“E o que você pensa: quando as cordas da sua vina estavam muito tensas, ela estava afinada e podia ser tocada?”

“Não, senhor.”

“E o que você pensa: quando as cordas da sua vina estavam muito frouxas, ela estava afinada e podia ser tocada?”

“Não, senhor.”

“E o que você pensa: quando as cordas da sua vina estavam nem muito tensas nem muito frouxas, mas afinadas ( lit.‘estabelecidas’) no tom exato, sua vina estava afinada e podia ser tocada?”

“Sim, senhor.”

“Da mesma forma, Sona, o empenho excessivamente estimulado conduz à inquietação, o empenho excessivamente frouxo conduz à preguiça. Dessa forma você deve determinar a afinação exata para o seu empenho, afinar (‘penetrar’, ‘descobrir’) o tom das (cinco) faculdades, e nesse ponto tomar o seu objeto de meditação.”

“Sim, senhor,” respondeu o Ven. Sona ao Abençoado. Então, tendo dado essa exortação ao Ven. Sona, o Abençoado - como um homem forte que estende seu braço que está flexionado ou flexiona o braço que está estendido - desapareceu do Bosque Frio e apareceu na Montanha do Pico do Abutre.

Permanecendo só, isolado, diligente, ardente e decidido, em pouco tempo, o Ven. Sona alcançou e permaneceu no objetivo supremo da vida santa pelo qual membros de um clã deixam a vida em família pela vida santa, tendo conhecido e realizado por si mesmo no aqui e agora. Ele soube: “O nascimento foi destruído, a vida santa foi vivida, o que deveria ser feito foi feito, não há mais vir a ser a nenhum estado.” E assim o Ven. Sona tornou-se mais um dos Arahants.

-- AN VI.55


 

O passo seguinte no Treinamento Gradual: Atenção Plena Correta

 

Revisado: 2 Setembro 2006

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.