Ordenacão de Mulheres

Por

Ajaan Brahmavamso

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


 

A Irmã Rocana deixou o Monastério Bodhinyana recentemente para receber a ordenação 'superior' na Inglaterra. Como parte do roteiro ela visitou a Tailândia e ficou decepcionada com as oportunidades que viu para as mulheres que queiram se ordenar. O lugar das mulheres no monasticismo Theravada é um problema não menos espinhoso do que algumas das matas nativas aqui no monastério! Mas não há como evitá-lo. Isso só pode ser entendido no contexto do Vinaya, o corpo de regras e regulamentações monásticas estabelecidas pelo Buda, que são obrigatórias para todos os monges e monjas Budistas. Assim, neste artigo vou discutir a ordenação de mulheres.

'Bhikkhu' é o termo que denota um monge Budista ordenado de modo completo. O termo significa literalmente, 'aquele que depende de esmolas'. Do mesmo modo, uma 'bhikkhuni' é uma monja Budista ordenada de modo completo. Durante a sua vida, o Buda estabeleceu prósperas comunidades de ambos bhikkhus e bhikkhunis. No entanto, não só o Buda estabeleceu mais regras de disciplina para a bhikkhunis, 311 contra 227 para os bhikkhus, mas também ele tornou a ordenação de mulheres mais difícil.

Para se tornar uma bhikkhuni, uma mulher tinha que começar pedindo a 'ordenação' como sikkhamana (ou seja, uma mulher em treinamento) perante uma assembléia de pelo menos 5 bhikkhunis. Seu treinamento consistia em 6 regras: os cinco preceitos, o terceiro dos quais sendo ampliado para o completo celibato, mais abster-se de comer fora do horário matinal. Só quando ela tivesse observado essas seis regras de modo CONTÍNUO POR DOIS ANOS, ela poderia, com a permissão de seus pais e do marido, ser ordenada como bhikkhuni. Se ela desobedecesse alguma regra, teria que novamente recomeçar o seu período de treinamento. Tendo concluído o seu treinamento, ela então poderia procurar uma bhikkhuni com pelo menos 12 anos de experiência para ser sua preceptora. Uma preceptora tem que ter a concordância como tal por toda a comunidade local de bhikkhunis antes que ela possa ordenar uma outra e, mesmo assim, ela só pode ordenar uma candidata a cada dois anos. A candidata é primeiro ordenada em uma reunião formal com pelo menos cinco bhikkhunis e depois essa 'ordenação de um lado' é confirmada perante uma reunião formal de pelo menos cinco bhikkhus. Só então ela será uma bhikkhuni ordenada de modo completo, de acordo com a tradição Theravada.

A Sangha das bhikkhunis floresceu por muitos séculos e se espalhou por todo Sul e Leste da Ásia. Parece ter morrido no Sri Lanka no século 11 EC (segundo o professor Malalasekera), principalmente devido à turbulência civil, proveniente de invasão e guerra. O fato de que a Sangha das bhikkhunis não foi restabelecida nas últimas décadas do século 11, quando o Sri Lanka foi novamente pacificado, sugere fortemente que havia poucas ou nenhuma bhikkhuni nas terras vizinhas, como a Índia ou a Birmânia, que poderiam ser convidadas ao Sri Lanka para restabelecer a tradição. Pois, tal como foi explicado acima, para ordenar outra bhikkhuni é necessário a presença de um mínimo de cinco bhikkhunis, uma vez que o número caia abaixo de cinco, a instituição está condenada.

Durante muitos séculos, os Budistas no Sri Lanka, na Tailândia e na Birmânia assumiram que a ordem das bhikkhunis havia desaparecido há séculos, e que seria impossível revivê-la. Como compensação, outras tradições monásticas femininas foram criadas pelos monges para dar a oportunidade para mulheres viverem uma vida meditativa simples. Tal ordem são as Irmãs vestidas de branco na Tailândia, que seguem os oito preceitos, sendo que uma dessas Irmãs era Rocana. Mas sendo uma adição posterior, essa ordenação não tem o status de ter sido estabelecida pelo Buda e não tem a autoridade de uma tradição antiga e, assim, os preconceitos sociais e culturais acabaram criando raízes e prevalecendo. Por esta razão, muitos monges seniores, como por exemplo Ajaan Sumedho na Inglaterra, tentaram reviver e ampliar a ordenação de noviças. Embora ainda menos que uma bhikkhuni, uma noviça usa mantos de cor ocre, e essencialmente, mantém dez preceitos, o último dos quais é a abstenção do uso ou posse de dinheiro. Assim, uma noviça é mais do que uma Irmã renunciante Tailandesa vestida de branco, e, vestindo na aparência roupas semelhantes aos de um monge, ela recebe mais do respeito que ela merece.

Houve muita discussão recentemente, ou seja, na última década mais ou menos, que poderia ser possível reviver a ordenação completa das bhikkhunis. Há bhiksunis na tradição Mahayana, em Taiwan e Hong Kong. 'Bhiksuni' é apenas o sânscrito (a língua do Mahayana), equivalente ao nosso 'bhikkhuni'. Se for confirmado que o procedimento de ordenação das bhiksunis Mahayana tem o ingrediente vital de uma moção e três proclamações, apresentada para um grupo de pelo menos 5 bhikkhunis, informando ao grupo reunido que a candidata deseja ser ordenada como bhikkhuni e pedindo a sua aprovação, então provavelmente a ordenação será válida de acordo com as normas do Theravada. Se for assim, e no momento não tenho nenhuma informação adicional sobre isso, então poderemos ver a contraparte feminina aos monges sendo restaurada na tradição Theravada.

Quaisquer que sejam os detalhes técnicos, deve-se sempre ter em mente o velho provérbio Inglês: "Onde há vontade, dá-se um jeito". Muitas vezes fico surpreso ao ver quanto as regras podem ser dobradas sob o peso da compaixão. Tudo que é necessário é o motivo para dobrá-las e esse motivo vai aumentar à medida que aumentar o número de mulheres que mostram com o seu exemplo a vontade de se entregar à vida de uma renunciante.

 


 

Notas:

Fonte: BSWA Newsletter, January-March 1990.

Nota do Tradutor:

Este texto de Ajaan Brahm tem uma relevância e importância histórica. É evidente do texto que já em 1990 Ajaan Brahm expressa claramente uma inclinação favorável ao restabelecimento da ordem das bhikkhunis. A menção à linhagem de ordenação das bhiksuni Mahayana acabou sendo confirmada alguns anos depois e o resultado foi o restabelecimento em 1996 da ordem das bhikkhunis no Theravada com a ordenação completa de 11 dasa sil matas do Sri Lanka em Sarnath, na Índia, de acordo com as regras do Vinaya, com o quorum necessário de bhiksunis da Coréia.

Na seqüência, em 2009, ocorreu a primeira ordenação de bhikkhunis na tradição Theravada na Austrália, sendo ao mesmo tempo a primeira ordenação de bhikkhunis na tradição das florestas da Tailândia. Esse evento causou uma grande polêmica resultando inclusive na exclusão do monastério de Ajaan Brahm da comunidade da Forest Sangha. Mas este ensaio deixa claro que a posição adotada por Ajaan Brahm não deveria ter sido surpresa para ninguém e graças à sua coragem e determinação a ordem das bhikkhunis no Theravada está firmemente restabelecida.

 

 

Revisado: 9 Agosto 2014

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.