Modo de Vida Incorreto

Por

Ajaan Brahmavamso

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


 

Os monásticos Budistas são chamados bhikkhus (monges) e bhikkhunis (monjas), que significa, literalmente, "homens e mulheres que dependem de esmolas para as necessidades da vida". Ou seja, eles dependem exclusivamente da generosidade dos leigos simpatizantes. No entanto, alguns monges, insatisfeitos com a quantidade e a incerteza de esmolas, tentam garantir um estilo de vida mais confortável, através da prática de vários ofícios ou profissões com a expectativa de uma remuneração. Isso é chamado modo de vida incorreto.

Uma lista exaustiva de exemplos de modo de vida incorreto pode ser encontrada no Brahmajala Sutta. Essa lista inclui coisas como: quiromancia, adivinhação, interpretação de sonhos, determinação de datas ou locais propícios, exorcismo, recitação de encantos de proteção, recitação de feitiços malévolos, prever o tempo restante de vida de uma pessoa, levar recados, mapas astrológicos, e assim por diante.

Mesmo aquilo que para um leigo seria um bom modo de ganhar a vida, como por exemplo praticar a medicina, é um modo de vida incorreto para um monge. Há uma história no Comentário do Dhammapada de um monge que se deu muito bem praticando a medicina. Certo dia esse monge recebeu uma deliciosa refeição de um homem que ele havia tratado. No caminho de volta ao monastério, ele encontrou com o Venerável Sariputta, um dos principais discípulos do Buda, e orgulhosamente falou do seu trabalho e lhe ofereceu algumas das suas iguarias. O Venerável Sariputta ficou desalentado e foi embora sem dizer uma palavra. O Venerável Sariputta tinha uma grande estima pela tradição simples de depender de comida esmolada e ele não iria comer o que tivesse sido obtido através da quebra de preceitos, neste caso através da prática de um ofício para ganho pessoal. Ao retornar para o monastério ele relatou o incidente para o Buda, e o Buda recitou os seguintes versos:

Fácil é a vida de um desavergonhado,
impudente como um corvo,
maledicente, presunçoso,
arrogante e corrompido.

Mas difícil é a vida de quem é modesto
sempre em busca da purificação.
Desapegado, humilde,
vivendo imaculado e com discernimento.
(Dhp 244-245)

É permitido que um monge qualificado na medicina trate de pessoas que vivem no monastério, até mesmo para ajudar os visitantes - mas não é permitido fazer disso um negócio.

Há várias histórias em que o Buda, vendo uma oportunidade de estar a serviço, parava durante a coleta das esmolas de alimentos para dar um ensinamento inspirador para alguém. A pessoa então corria para dentro da casa para oferecer alguma coisa como uma "recompensa", mas o Buda sempre recusava. Ele explicou que os Iluminados não ensinam por honorários. Ensinar visando o ganho pessoal também é um modo de vida incorreto. O ensinamento é a maneira dos monásticos serem generosos, de servir, e isso nunca deve ser considerado como uma profissão, vender os ensinamentos para o ganho material.

Um monge corrupto que lê a sorte para ganhar dinheiro, dá palestras em troca de presentes, ou adota práticas semelhantes de modo de vida incorreto, tem um nome especial no Budismo - ele é chamado allajji, que significa "sem-vergonha". Bons monges são aconselhados a evitar os desavergonhados e se um grupo de monges allajji se reúnem em algum local, os bons monges devem ir até lá e mandá-los embora (tal como na regra Sanghadisesa 13).

Para enfatizar a gravidade da ofensa do modo de vida incorreto, há uma citação bem conhecida nos Suttas.

"Monges, há essas quatro máculas devido às quais o sol e a lua não brilham, não radiam, não resplandecem. Quais são as quatro? Nuvens de chuva ... nuvens de neve ... fumaça e poeira ... e um eclipse. Também, monges, há essas quatro máculas devido às quais os monges não brilham, não radiam, não resplandecem. Quais são as quatro? Beber álcool ... entregar-se à relação sexual ... aceitar ouro ou dinheiro ... obter os requisitos através de um modo de vida incorreto. Estas são as quatro máculas devido às quais o sol e a lua não brilham, não radiam, não resplandecem." [1]

Fica portanto claro o que o Buda pensava sobre os monges allajji que para o ganho pessoal preveem os números da loteria, fazem mapas de astrologia e assim por diante. Eles fazem parte do mesmo grupo de monges que se embriagam, têm relações sexuais ou recebem dinheiro. Monges que praticam o modo de vida incorreto são uma mácula na Sangha e devem ser conhecidos como tal pela comunidade leiga.

 


 

Notas:

[1] AN IV.50.

Fonte: BSWA Newsletter, July-September 1996.

 

 

Revisado: 7 Junho 2014

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.