A Meditação e o Projeto Shamatha

Somente para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser impresso para distribuição gratuita.
Este trabalho pode ser re-formatado e distribuído para uso em computadores e redes de computadores
contanto que nenhum custo seja cobrado pela distribuição ou uso.
De outra forma todos os direitos estão reservados.

 


 

Visão Geral do Projeto Shamatha

Sob a direção do Dr. Clifford Saron, principal pesquisador do Center for Mind and Brain - UC Davis, e do erudito Budista B. Alan Wallace, o Projeto Shamatha está explorando como o treinamento intensivo de três meses na prática de meditação afeta a cognição, o comportamento e a fisiologia.

A meditação proporciona muitos benefícios para a saúde mental e física. O Projeto Shamatha, até o momento, o estudo mais abrangente da meditação, investiga os processos psicológicos e fisiológicos que fundamentam esses benefícios. Num estudo randômico, controlado, estudamos como o treinamento intensivo na meditação afeta como as pessoas pensam e sentem. Empregamos tarefas cognitivas e perceptivas, provocações emocionais, questionários e monitoramento fisiológico e bioquímico para avaliar as habilidades e comportamento das pessoas antes, durante e depois da prática de meditação intensiva a longo prazo.

I. O Design do Estudo

Um conjunto de 60 pessoas saudáveis, com experiência na meditação, foram separadas de modo aleatório, num grupo para um retiro de meditação intensivo de 3 meses ou num grupo de controle. Os participantes do grupo de controle mais tarde também participaram de um retiro de 3 meses. Avaliações de laboratório foram feitas de todos participantes antes, durante e depois dos retiros e em vários pontos de follow-up. No retiro os participantes foram instruídos por B. Alan Wallace nas práticas meditativas destinadas a promover o relaxamento, aprimorar a atenção e desenvolver a compaixão e bondade em relação aos outros. Os participantes praticaram sozinhos 6 horas por dia, durante 3 meses.

II. Resumo das Descobertas até o Momento (Base 15 de Setembro de 2010)

Os resultados iniciais mostraram que o treinamento intensivo na meditação apura e sustenta a atenção, melhora o bem-estar e conduz a uma resposta emotiva ao sofrimento dos outros com menos crítica e mais empatia. Além disso o treinamento esteve conectado com o comportamento emocional pró-social e importantes indicadores fisiológicos de boa saúde.

Atenção. Como melhorou a atenção? A sensibilidade perceptual dos participantes em ambos retiros melhorou, avaliada pela sua habilidade em detectar diferenças mínimas em linhas com distintos comprimentos Esse tipo de melhoria foi mantida por no mínimo 5 meses depois dos retiros naquelas pessoas que deram continuidade à prática de meditação. Também, aqueles que receberam o treinamento mantiveram melhor o foco na mesma tarefa na medida em que o retiro progredia.

A capacidade para inibir respostas também melhorou com o treinamento, demonstrado por participantes serem capazes de conter a reação a um estímulo visual de uma linha, quando esta algumas vezes parecia ter o comprimento mais curto. Essa melhoria prognosticou outros benefícios, avaliados através de questionários, avaliando as formas positivas e negativas de relacionamento consigo mesmo e com os outros.

Emoções e Bem-estar. Houve substanciais melhorias no bem-estar psicológico durante o retiro - melhorias que se mantiveram por pelo menos 5 meses depois do treinamento. De acordo com os relatórios pessoais diários do estado de espírito, os participantes em ambos retiros experimentaram ao longo do tempo melhorias de bem-estar e um intensificado senso de maravilhamento.

Os participantes também receberam tarefas de laboratório sobre o funcionamento emocional. Eles assistiram filmes de uma guerra recente com cenas de violência, retratando ambos os perpetradores e as vítimas dos atos de violência. A análise das expressões faciais, filmadas discretamente, dessas cenas de violência, revelaram mais expressões de tristeza no grupo do retiro do que no grupo de controle, o que nós interpretamos como relevante para a compaixão. Verificamos modos distintos de resposta ao sofrimento nos dois grupos, sugerindo menos aversão e mais envolvimento por parte daqueles que participaram do retiro.

Indicadores Biológicos. Avaliamos alguns indicadores biológicos que podem mudar como resultado do treinamento meditativo. Um desses indicadores, telomerase, uma enzima que protege o material genético durante a divisão das células e que incrementa a viabilidade da célula, pode ser suprimida em resposta à aflição psicológica. Amostras de sangue obtidas ao final do retiro revelaram que a atividade da telomerase estava significativamente mais elevada nos participantes do retiro, (versus grupo de controle), e que a atividade da telomerase estava relacionada às mudanças no bem-estar induzidas pela meditação.

Mais informações sobre o Projeto Shamatha visite a página:
http://mindbrain.ucdavis.edu/labs/Saron/shamatha-project/overview

 

 

Revisado: 30 Julho 2011

Copyright © 2000 - 2017, Acesso ao Insight - Michael Beisert: editor, Flávio Maia: designer.